Powered by WP Bannerize

Notícias

Galvani Projeto Serra do Salitre – ESCLARECIMENTOS


Publicado em: 31/01/2019
 
CONHEÇA MAIS SOBRE A GALVANI ACESSANDO



Mina Engenho: barragem de maior risco em Minas está abandonada


Publicado em: 31/01/2019
 

Relatório mais recente da ANM, de janeiro, informa que a barragem foi a única do Estado a ser considerada de “alto risco” de vazamento

 

 

A menos de dez minutos do centro da pequena Rio Acima, cidade de 10 mil habitantes na Grande Belo Horizonte, a barragem Mina Engenho foi dominada pelo mato e está abandonada.

Inativa há sete anos, a mina de ouro – que pertencia à Mundo Mineração, do grupo australiano Mundo Minerals, hoje em estado falimentar – não emprega ninguém nem produz um real em royalties para o município. Deixou para trás, porém, uma herança perigosa: as barragens de maior risco de Minas Gerais, segundo avaliação da Agência Nacional de Mineração (ANM), órgão regulador do setor.

 

 

Conforme o relatório mais recente da ANM, de janeiro, a barragem Mina Engenho foi a única do Estado a ser considerada de “alto risco” de vazamento. Para se ter ideia, as barragens da mineradora Vale em Brumadinho – na unidade onde houve o rompimento – eram consideradas de baixo risco. Outras foram classificadas de “risco médio” – uma delas está em Itabirito, perto de Rio Acima.

 

O jornal O Estado de S. Paulo ouviu moradores de Rio Acima que relatam abandono total e que as duas barragens da mina de ouro – uma com a superfície sedimentada e outra cheia de água – não recebem manutenção desde que as atividades foram encerradas, de um dia para outro, no fim de 2011. A interrupção foi tão abrupta que fábrica, caminhões e carros usados no transporte de funcionários foram deixados para trás. A maioria dos trabalhadores não recebeu seus direitos, diz o Sindicato dos Trabalhadores de Extração de Ouro de Nova Lima e região.

 

Muito do que ficou para trás foi depredado ou furtado. Caminhonetes acabaram “depenadas” – pneus, motores e peças foram carregados e os vidros, quebrados. A estrutura de escritórios e refeitório está destruída – a privada do banheiro só não foi levada porque a louça quebrou no momento da retirada. Até hoje, “visitantes” da área abandonada aproveitam para achar canos, pedaços de ferro e mais itens que possam ser usados em construções.

 

O material depositado nas barragens é altamente tóxico – placas alertam para risco de contaminação, mas ninguém controla o fluxo de pessoas. Tampouco há cerca ou portão. Fontes do setor de mineração dizem que o potencial de contaminação da exploração do ouro é superior ao do trabalho com minério de ferro – sedimentos acumulados nas montanhas de Rio Acima teriam arsênico e mercúrio, entre outros metais.

 

Perigo

Além de Rio Acima, a Mina Engenho também tem o potencial de afetar um município bem maior, de quase 90 mil habitantes: Nova Lima. A prefeitura da cidade diz já ter acionado o Ministério Público para cobrar providências sobre a área. A administração ressalva, porém, que a obrigação da fiscalização é de órgãos estaduais e federais. Outro ponto que preocupa moradores é que, diferentemente da Vale, a Mundo Mineração não tem dinheiro para pagar eventuais indenizações.

 

Presidente do sindicato do setor de exploração de ouro em Nova Lima, Marcelino Antônio Edwirges diz que houve tentativa de buscar o ressarcimento dos funcionários. Mas ao pedir o arresto de máquinas e equipamentos, descobriram que a maioria deles era alugada. “Só conseguimos captar recursos para pagar dois trabalhadores.”

 

A Mundo Mineração atuava em atividade de risco. A empresa australiana comprou uma mina cujo potencial primário de exploração já havia sido exaurido por outra empresa. Segundo Edwirges, a empresa comprou a área por preço baixo, em busca de ouro na “sucata”, pelo reprocessamento dos sedimentos acumulados nas barragens. É uma aposta difícil, já que o potencial de mineração é de, no máximo, 10% do total original.

 

Além do potencial de dano humano, Edwirges e os moradores veem potencial de contaminação do Rio das Velhas, afluente do São Francisco, e responsável por boa parte do abastecimento da Grande BH. Após as tragédias de Mariana e Brumadinho, a população de Rio Acima pensa cada vez mais nas barragens ao redor. “Não dá para confiar”, afirma Rayane Luana Marques, de 26 anos. Já Ivone Rebuitti, de 64 anos, diz que “se a gente parar para pensar, não consegue dormir”. “Depois de Brumadinho, ficamos com medo, diante de tanta tragédia, sofrimento. É ganância. Estamos nas mãos podres dos homens.”

 

Na Justiça

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente informou que o “empreendedor é responsável pela segurança da barragem”. Disse ainda que o Estado obteve na Justiça decisão contra a empresa, que não foi cumprida. Em 2017 e 2018, segundo a pasta, foram tomadas medidas emergenciais cabíveis. Uma licitação será contratada para fazer o descomissionamento da estrutura, o que inclui a retirada dos rejeitos. A reportagem não localizou representantes da Mundo Mineração e procurou a advogada da empresa por telefone, mas não teve sucesso. A ANM também não foi encontrada pela reportagem. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Tropa de Israel que atuou em Brumadinho se despede de bombeiros e policiais mineiros


Publicado em: 31/01/2019
 

Após atuar nas buscas às vítimas do rompimento da barragem da Vale, israelenses devem deixar Minas Gerais na tarde desta quinta

 

Os 136 soldados e oficiais israelenses que estavam desde o último domingo em Minas Gerais para ajudar nas buscas por vítimas do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, na Grande BH, se despedem do Brasil nesta quinta-feira. Policiais militares do estado, integrantes do Comando Aéreo e do Corpo de Bombeiros participaram de uma solenidade de agradecimento e despedida da tropa nesta manhã no 12º Batalhão de Infantaria (BI), no Barro Preto, em Belo Horizonte.

 

 

Na cerimônia, o coronel Golan Vach, chefe da delegação, disse que se sente honrado em ter contribuído com os trabalhos, chamou os brasileiros de amigos e colocou um patch do Brasil em um dos braços. Ainda durante a solenidade, o embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley, agradeceu aos militares e falou sobre a importância de uma parceria tecnológica entre os dois países para melhorar a vida da população. O governador Romeu Zema (Novo) também estava presente.

 

Já em relação ao retorno das tropas israelenses, o governo brasileiro não sabia explicar exatamente as razões à noite. A divisão de protagonismo de trabalho no socorro às vítimas da tragédia de Brumadinho tem causado vários “curtos-circuitos” entre o governo de Minas e as Forças Armadas. Essas colocaram um contingente de mil homens, desde sexta-feira, para auxiliar no resgate de sobreviventes. Só que não houve solicitação de uso do grupo. O governo de Minas informou que não havia necessidade daquele tipo de apoio e, se precisasse, solicitaria. A avaliação de militares é de que o salvamento de Brumadinho “está muito politizado”.

 

 

Os militares começaram a trabalhar na segunda-feira e foram informados de declarações do comandante das operações de resgate, tenente-coronel Eduardo Ângelo, de que os equipamentos trazidos de Israel para Brumadinho (MG) não eram efetivos para esse tipo de desastre. Questionado, o governo de Minas Gerais esclareceu que “não houve recusa de colaboração de militares” e tropas federais poderão ser solicitadas “caso haja necessidade”. Um voo de Confins para Tel Aviv está previsto para as 17h de hoje.

 

Por meio de uma nota que circula nas redes sociais, a Embaixada de Israel informou que “deseja parabenizar as forças de resgate brasileiras e israelenses por seu trabalho e por traduzir de palavras para ações a profunda amizade entre o povo brasileiro e o israelense”.

(Portal uai)

 



Homem cai de caminhão parado e morre na cidade de Lagoa Formosa


Publicado em: 31/01/2019
 

Um homem morreu após cair de um caminhão parado na cidade de Lagoa Formosa. O fato ocorreu por volta das 23h00 desta terça-feira (28/01), quando a vítima teria pedido carona para o caminhoneiro, e quando foi descer do veiculo de carga na Rua Eliaquim Tero, no Bairro Planalto, teria caído e batido a cabeça fortemente no asfalto. Ele chegou a ser socorrido até o Pronto Atendimento do Hospital “Dr. Bininho”, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu.

 

 

De acordo com informações da Polícia Militar, o condutor do caminhão relatou que a vítima Carlos Roberto de Magalhães (Carlinho do Zé Lôra), teria pedido uma carona e quando chegou ao local que ele queria ficar, o motorista encostou o veículo para o homem desembarcar, mas quando ele foi descer acabou caindo e batendo a face violentamente no solo. Com o impacto Carlos ficou muito ferido. Imediatamente o condutor do caminhão ligou no hospital e pediu socorro.

 

 

Uma ambulância da prefeitura municipal esteve no local e encaminhou Carlos Roberto para o Hospital “Dr. Bininho”. Mas devido aos graves ferimentos a vítima não resistiu e faleceu pouco tempo depois de dar entrada na emergência. O perito Felipe Guelber da Polícia Civil de Patos de Minas esteve no local, e realizou os trabalhos técnicos, que irão ajudar na elucidação do caso. O corpo foi encaminhado para Instituto Médico Legal (IML).



Escola do SENAC volta a funcionar em Patrocínio até agosto


Publicado em: 31/01/2019
 

O SINDICOMÉRCIO de Patrocínio representado pelo presidente Wander Júnior de Carvalho e os diretores Marcos Wendel e Carlos Apolinário e Presidente em Minas Gerais do Sistema Fecomércio, Sesc, Senac e Sindicatos, Lúcio Emílio de Faria Júnior, acompanhado do Diretor Estadual do Senac, Gustavo Henrique Escobar Guimarães estiveram mais uma vez reunidos em Belo Horizonte na semana passada, e depois de tantas idas e vindas,  a confirmação definitiva: a Escola do SENAC volta a funcionar em Patrocínio.

 

Segundo o presidente do Sindicomercio, Vander Junior de Carvalho, serão alugadas e reformadas de 8 a 10 salas no antigo Pró Vida para abrigar a Escola do SENAC, que deverá ser inaugurada em meados de agosto.

 

No início de Janeiro o  Prefeito Deiro Marra recebeu em seu gabinete o Presidente em Minas Gerais do Sistema Fecomércio, Sesc, Senac e Sindicatos, Lúcio Emílio de Faria Júnior, acompanhado do Diretor Estadual do Senac, Gustavo Henrique Escobar Guimarães; do presidente do Sindcomércio de Patrocínio, Wander Júnior de Carvalho e dos Diretores Marco Wendell Duarte Frazão e Carlos Alberto Apolinário que deram essa boa notícia.

 

Naquela oportunidade o prefeito manifestou a sua disposição de de  enviar ao Legislativo projeto de lei propondo doação de área para que o Fecomércio, Sesc, Senac construa a sede definitiva de um Centro de Educação Profissional em nossa cidade, também trazendo cursos de Graduação, Pós-graduação e In Company

 

Importante salientar a luta do presidente do Sindicomércio de Patrocínio, Wander Júnior de Carvalho e dos Diretores Marco Wendell Duarte Frazão e Carlos Alberto Apolinário, que após o fechamento da Unidade do Senac na cidade, foram várias vezes a Belo Horizonte e lutaram até conseguir este importante feito.