Powered by WP Bannerize

Rio da Prata no município de Presidente Olegário agoniza e pede “Socorro”

Publicado em: 29/08/2017
 

A situação do maior rio que corta o município de Presidente Olegário, no Noroeste do Estado, é preocupante e o problema se arrasta há anos sem nenhuma solução por parte do poder público, autoridades ambientais e principalmente pelo ser humano que só pensa em destruir. A situação piorou muito pela estiagem que já dura alguns meses e pelo desmatamento que vem acontecendo as margens do rio.

 

O Rio da Prata nasce na região da Colônia Agrícola, próximo a comunidade de Leal, no município de Patos de Minas. Principal rio que corta o município de Presidente Olegário, serve para abastecimento humano, de animais e irrigação, a atual situação do Rio da Prata é preocupante. Algumas comunidades ribeirinhas já passam por dificuldades. Na região da Prata dos Netos, muitas famílias já estão sem água, a situação é amenizada com o abastecimento feito por dois caminhões pipa do município.

   

Ações urgentes têm que ser feitas, pois o “majestoso” Rio da Prata de outrora, agora está no CTI. Tem que haver uma maior fiscalização com combate ao desmatamento ilegal, e que se inicie de imediato o reflorestamento de suas matas ciliares, principalmente nas áreas de nascente, aumentando assim, o controle das inundações e promovendo uma melhor conservação dos estoques de águas doce.

 

Durante matéria com carreiros no dia 11 de agosto, deparamos com uma situação preocupante, o rio estava com pouca água. No local conhecido como “Balsamo” onde é feita a travessia de carro de bois, em outrora, os carros passavam com dificuldades por causa do volume de água que ultrapassava um metro, mas desta vez não foi o que vimos, as águas chegavam a pouco mais de 30 centímetros.

   

Em 2016, publicamos uma matéria sobre o “Rio da Prata”, mas infelizmente nenhuma iniciativa foi tomada por parte do poder público, autoridades ambientais e principalmente pelo ser humano. Alguma iniciativa tem que ser feita e com urgência para salvar o nosso Rio da Prata.