Patrocínio – Bispo DOM CLÁUDIO abre a porta da misericórdia na igreja Nossa Senhora de Fátima

Publicado em: 18/12/2015
 

Por ocasião do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, convocado pelo Papa Francisco e iniciado no Vaticano na última terça-feira (8), o bispo Diocesano de Patos de Minas, Dom Cláudio Nori Sturrn, abriu no início da noite desta quinta-feira (17) a Porta Santa da Igreja Nossa Senhora de Fátima – Paróquia São Damião de Molokai – em Patrocínio, onde centenas de fiéis aguardavam para a celebração do Ano Santo.

O Jubileu é uma comemoração da Igreja Católica celebrada a cada 25 anos dentro de um Ano Santo, mas pode ser convocado de forma extraordinária pelo Papa. O último Jubileu havia sido em 2000, com a abertura da Porta Santa da Basílica de São Pedro pelo Papa João Paulo II. Em março de 2015, o Papa Francisco decidiu convocar um Jubileu Extraordinário para destacar a Misericórdia de Deus. A celebração do Ano Santo teve início no ano 1300 pelo Papa Bonifácio VIII.

Até então, os fiéis deveriam peregrinar até Roma, onde uma das cinco portas da Basílica de São Pedro, que só é aberta em anos jubilares, no Vaticano, para receber as graças especiais por meio das indulgências. Em 2015, no Jubileu Extraordinário, o Papa Francisco estabeleceu que cada Diocese também abrisse uma Porta da Misericórdia e autorizou os bispos de todo o mundo a instituir como Santuários da Misericórdia destinos mais próximos para muitos peregrinos.

 

Indulgências 

As graças da Indulgência Jubilar serão alcançadas pelo fiel que passar pela Porta Santa, mas ressalta o Papa: “É importante que este momento esteja unido, em primeiro lugar, ao Sacramento da Reconciliação (confissão) e à celebração da Santa Eucaristia (missa) com uma reflexão sobre a misericórdia”. “Será necessário acompanhar estas celebrações com a profissão de fé e com a oração por mim e pelas intenções que trago no coração”, declarou Francisco.

“Espero que a Indulgência Jubilar chegue a cada um como uma experiência genuína da misericórdia de Deus, que vai ao encontro de todos com o rosto do Pai que acolhe e perdoa, esquecendo completamente o pecado cometido”, refletiu Francisco. Pela indulgência, o fiel, devidamente disposto e em certas e determinadas condições, como dito pelo Papa, podem obter a remissão das penas temporais, sequelas dos pecados já perdoados, por meio da Igreja.

A Santa Missa, que teve início às 19:30 horas foi concelebrada pelo Bispo Dom Cláudio e outros padres das paróquias de Patrocínio e de outras cidades vizinhas. Dom Cláudio, em sua homilia, fez importantes observações sobre o ano santo e as graças da indulgência jubilar; a misericórdia Divina, o perdão, a reconciliação e o amor fraterno que cada fiel deve ter e manifestar diante de Deus e do próximo são importantes atitudes que deve partir do íntimo do coração.

Após a Santa Missa era grande o número de fiéis que queria tocar as mãos e vestes do Bispo, dar um abraço e sentir de perto o calor humano do representante da igreja católica. Dom Cláudio fez questão de cumprimentar e dar atenção a todos que o cercavam e pediam sua bênção.

Uma vez passada a Porta Santa ou a Porta da Misericórdia – ou que seja verificada uma das três circunstâncias nas quais o Papa Francisco concedeu que se possa receber a indulgência (por exemplo para os doentes, os presos e para todos que realizem em primeira pessoa uma obra de misericórdia), além das usuais condições que requerem um coração bem disposto para que a graça possa dar frutos esperados – os fieis deverão deter-se em oração para cumprir os últimos atos pedidos: a profissão de fé e a oração pelo Papa e segundo as suas intenções. Esta última poderá ser ao menos um Pai Nosso, mas também outras. Em particular, em consideração do espírito próprio deste  Ano Santo, sugere-se a recitação da bonita oração do Papa Francisco pelo Jubileu e de concluir o momento de oração com uma invocação ao Senhor Jesus Misericordioso.