Saúde

Passar gilete é método que mais fere a área íntima: 3 complicações são as mais comuns


Publicado em: 22/08/2017
 

Retirar os pelos pubianos é um hábito comum, mas que gera um número significativo de lesões, de acordo com um estudo feito em conjunto por universidades norte-americanas.

 

Lesões por depilar ou raspar pelos pubianos

A pesquisa publicada no jornal científico JAMA Dermatologia analisou 7.570 adultos norte-americanos de 18 a 65 anos por meio de uma pesquisa na internet. O questionário abordou seus hábitos de depilação, históricos de lesões, localização e gravidade.

 

A depilação dos pelos pubianos era um costume de 5.674 participantes, sendo que 66,5% eram homens e 85,3% mulheres.

 

Principais lesões

Já as lesões foram reportadas em 1.430 casos, o que equivale a 25,6% de todas as pessoas que aparam ou retiram os pelos. Entre eles, 66,5% afirmou que se feriu mais de uma vez na vida.

 

As lesões mais frequentes foram cortes, ardência e erupções cutâneas (como as da foliculite) e estavam mais relacionados ao uso da lâmina.

 

Locais das lesões

Os locais mais comumente machucados nas mulheres foram: púbis; virilha e parte interna da coxa,vagina e períneo.

 

E para os homens: saco escrotal, pênis e púbis.

Principais complicações

depilacao virilha gilete 0817 400x800 © Fornecido por Batanga Media Difusão pela Internet LTDA depilacao virilha gilete 0817 400×800

 

Das pessoas que participaram do estudo, algumas tiveram as seguintes complicações:

9,3% apresentaram infecção; 3,4% precisaram ser tratados com antibióticos; 2,5% passaram por intervenções cirúrgicas para tratar o problema, como drenagem de abcesso ou sutura de corte.

 

Lâmina é mais perigosa

Os machucados foram mais frequentes em quem removia os pelos periodicamente, especialmente em quem os tirava por completo.

 

Apesar de a pesquisa não avaliar qual método é mais seguro, 60% dos machucados foram cortes causados por lâminas de barbear.

 

O que fazer?

Não é necessário deixar de aparar os pelos da região íntima se assim você desejar, mas é preciso tomar cuidado. Seguir as instruções da embalagem, redobrar a atenção e/ou buscar ajuda de um profissional é importante para evitar feridas que tornam a área íntima mais vulnerável às infecções, especialmente por doenças sexualmente transmissíveis (DSTs).

 

O urologista e co-autor do estudo, Benjamin Breyer, vice-presidente do Departamento de Urologia da Universidade da Califórnia, concluiu que pessoas que se machucam com a depilação devem diminuir a frequência e a área de remoção.

 

O próximo passo da pesquisa é analisar a relação entre higienização íntima e transmissão de Doenças Sexualmente Transmissíveis.

(msn)



Mulheres que estão amamentando podem fazer tatuagens?


Publicado em: 21/08/2017
 

No final de junho, Andressa Suita deu à luz Gabriel, seu filho com o cantor Gusttavo Lima. Desde a chegada do bebê, a modelo tem dividido nas redes sociais momentos da maternidade: registrando o parto normal que trouxe o pequeno ao mundo, o ensaio fotográfico da família e até as dificuldades que enfrentou com a amamentação. Na última quinta-feira, 17, ela postou a foto de uma tatuagem que fez perto do ombro em homenagem ao primogênito.

 

O desenho traz o nome do garotinho com sinais de batimentos cardíacos que levam a um coração. Em um dia, o clique compartilhado por ela recebeu mais de 260 mil curtidas e diversos comentários. Muitas seguidoras elogiaram a atitude e algumas chegaram a dizer que também estão se preparando para registrar na pele o amor pelos filhos. Por outro lado, a imagem levantou um debate: mulheres que estão amamentando podem fazer tatoos?

 

“Nunca foi demonstrado que a tinta passa através do leite, então, teoricamente, não tem problema. Porém, esse é um procedimento de risco para contrair doenças infecciosas. O ideal é realmente esperar acabar a fase do aleitamento materno”, esclarece Rodrigo da Rosa Filho, membro da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia do Estado de São Paulo (SOGESP) e sócio-fundador da clínica de reprodução humana Mater Prime, de São Paulo.

 

Mas é importante deixar claro que, durante a gravidez, a prática não é recomendada porque a pele das mulheres passa por alterações. “A gestante pode desenvolver mais quadros alérgicos, além de ter modificações na própria tatuagem por causa de uma hiperpigmentação da pele, causando cicatrizes e até mesmo queloide. Também há o risco de ser transmitido vírus das hepatites B e C, além do próprio HIV, por isso, contraindicamos essa atitude”, reforça o médico.

(msn)



Alimentos probióticos, prebióticos e simbióticos … afinal o que são?


Publicado em: 04/08/2017
 

Saúde intestinal e bactérias

Muito se tem ouvido falar em probióticos, prebióticos e simbióticos. Mas afinal, o que são eles?

 

Para entender o que são, antes de mais nada, é necessário entender um pouco sobre o intestino.

 

O corpo humano possui mais de 100 trilhões de micro-organismos, sendo grande parte bactérias e sendo a maior parte presente no intestino. Porém, é interessante destacar que nem só de bactérias benéficas é habitado o intestino.

 

A flora intestinal possui tanto bactérias benéficas para a saúde do organismo, mas também bactérias maléficas. Quando estas bactérias estão em equilíbrio, dizemos que o intestino está em simbiose. Mas, quando as bactérias maléficas estão predominantes no intestino, nosso corpo está em DISBIOSE.

 

É interessante destacar que bebês que nascem de cesárea possuem menor quantidade de bifidobactérias e lactobacillus (bactérias boas) que um bebê que nasce de parto normal e que bebês que são amamentados exclusivamente com leite materno possuem quantidade muito maior de bactérias benéficas no seu intestino. Ou seja, desde muito cedo nossa saúde intestinal é afetada por diversos fatores.

 

E como controlar o aumento das bactérias maléficas ao organismo?

 

Fatores como estilo de vida (má alimentação, sedentarismo, fumo), uso de antibióticos, ingestão de bebidas alcóolicas dentre outros criam um ambiente favorável para as bactérias ruins se proliferarem. Portanto, se atentar à esses itens, é fundamental. Como na vida atribulada de hoje, esses fatores estão muito presentes, podemos fazer uso de suplementos pré, pró e simbióticos.

 

Assim, os prebióticos seriam o “alimento” para auxiliar no crescimento das bactérias do bem. Os probióticos seriam as bactérias propriamente ditas. E os simbióticos, uma junção dos dois.

 

Um organismo em disbiose pode apresentar sinais como constipação intestinal (intestino preso), diarréia, distensão abdominal, gases, dentre outros. Se você apresenta com frequência tais sintomas, é recomendado dar uma atenção maior ao intestino e buscar ajuda de um nutricionista. Neste caso, o uso destes suplementos anteriormente citados é de grande importância para repor, aumentar e melhorar a flora intestinal.

 

Impacto do comportamento na saúde

A especialista Dani Caparros explica que, “Melhorar a função intestinal é melhorar a saúde como um todo. Se o intestino não funciona da forma adequada a pele fica pior, a imunidade comprometida, a absorção de alguns nutrientes ocorre de forma ineficiente e muitas pesquisas apontam relação da microbiota intestinal com obesidade e outras doenças. Para ter um intestino saudável, ainda é importante não esquecer das fibras e da água. Atente-se ao seu intestino e tenha uma vida mais saudável”

Equipe Comportamento e Saúde  – Dani Caparros

 

 

Probióticos

São produtos cheios de bactérias saudáveis. Alguns iogurtes, queijos e o leite fermentado fazem parte da classe – também é possível encontrar probióticos em sachês e cápsulas. Os bichinhos, como lactobacilos e bifidobactérias, favorecem o trânsito intestinal, cooperam para o aproveitamento de vitaminas e defendem a região de intrusos.

 

Prebióticos

Podem ser definidos como o alimento para as bactérias da microbiota trabalharem direito. O sistema digestivo não consegue quebrar as fibras das comidas de origem vegetal, caso da cebola, do alho e da aveia. Os micróbios devoram esses compostos e, a partir deles, produzem substâncias benéficas à nossa saúde.

Simbióticos

A nova classe oferece o pacote completo: alia probióticos e prebióticos num único item. Produtos como alguns lácteos, biscoitos e suplementos entram na categoria – mas seu consumo, por enquanto, deve ser prescrito por um profissional. É que os simbióticos ainda são objeto de discussão: não se tem certeza dos efeitos que teriam no corpo.

(saúde.abril)

 



Engolir catarro faz mal para a saúde?


Publicado em: 03/08/2017
 

Não, desde que o catarro seja seu. É que o catarro de outra pessoa (assim como outros fluidos humanos, tipo pus e sêmen) carrega vírus e outros microrganismos que podem causar doenças se sobreviverem ao ácido do estômago e às enzimas pancreáticas. Ou seja: não saia por aí comendo catarro alheio! No máximo, engolir seu catarro pode atrasar um pouco sua digestão, caso seja muito. Mas, se você ficar doente, preste atenção à cor – ela pode indicar algum problema. Catarro branco é sinal de inflamação (como sinusite), amarelado ou esverdeado é sinal de infecção bacteriana e o vermelho indica a presença de sangue, o que pode ser sinal de bronquite, pneumonia e até câncer no pulmão. Curiosidade: o catarro é composto de 90 a 95% por água, de 2 a 4% por mucinas (parte gelatinosa) e de 1% por sais, lipídios, componentes inflamatórios, restos celulares e outros.

 

 

1) POR CIMA E POR BAIXO

Engolir catarro faz mal para a saúde? © Fornecido por Abril Comunicações S.A. Engolir catarro faz mal para a saúde?

 

O interior de nosso aparelho respiratório é revestido de membrana mucosa, que produz a substância viscosa que sai do nariz. A secreção produzida nas vias aéreas inferiores (traqueia, brônquios e pulmões) é chamada de catarro, enquanto a produzida nas superiores (cavidade nasal, faringe e laringe) é chamada de coriza. A mucosa possui cílios que se movimentam, carregando o muco para a boca.

 

2) GOELA ABAIXO

Nosso corpo produz de 75 a 100 ml de catarro diariamente. Boa parte é engolida por instinto de forma contínua e vai parar no estômago. Microrganismos que possam estar presentes, como vírus e bactérias, são digeridos. E, se sobrevivessem, tudo bem, pois eles já existiam no nosso corpo antes. O problema seria engolir o catarro de outra pessoa, que tem uma flora bacteriana diferente e poderia causar infecções.

Engolir catarro faz mal para a saúde? © Fornecido por Abril Comunicações S.A. Engolir catarro faz mal para a saúde?

 

3) PISCINA GRUDENTA

Mas o catarro pode, sim, oferecer riscos. Se você estiver doente, com alguma inflamação ou infecção, ele pode se acumular nos pulmões, levando a outras infecções. Uma pessoa que tem infecções frequentes nos pulmões pode ter bronquiectasia, uma dilatação dos brônquios, o que por sua vez aumenta a retenção de secreções, facilitando novas infecções e transformando tudo num círculo vicioso.

 

 

FONTE Artigo Physiology of Airway Mucus Secretion and Pathophysiology of Hypersecretion, de Duncan Rogers



01 a 07 de agosto – Semana Mundial de Aleitamento Materno – SMAM


Publicado em: 01/08/2017
 

A Semana Mundial de Aleitamento Materno faz parte de uma história mundial focada na Sobrevivência, Proteção e Desenvolvimento da Criança.

 

Desde sua criação em 1948 que a Organização Mundial de Saúde – OMS tem entre suas ações aquelas voltadas a saúde da criança, devido a grande preocupação com a mortalidade infantil. Em 1990, de um encontro organizado pela OMS e UNICEF resultou um documento adotado por organizações governamentais e não governamentais, assim como, por defensores da amamentação de vários países, entre eles o Brasil.

O documento chamado “Declaração de Innocenti” apresentou quatro objetivos operacionais:

• Estabelecer um comitê nacional de coordenação da amamentação;
• Implementar os “10 passos para o sucesso da amamentação” em todas as maternidades;
• Implementar o Código Internacional de Comercialização dos Substitutos do Leite Materno e todas as resoluções relevantes da Assembléia Mundial de Saúde;
• Adotar legislação que proteja a mulher que amamenta no trabalho.

 

Com o objetivo de seguir os compromissos assumidos pelos países com a assinatura do documento, foi fundada em 1991 a Aliança Mundial de Ação pró-Amamentação – WABA. Essa Organização criou no ano de 1992 a Semana Mundial de Aleitamento Materno, para promover as metas da “Declaração de Innocenti”.

A Semana Mundial é considerada como veículo para promoção da amamentação. Ocorre em 120 Países e, oficialmente, é celebrada de 1 a 7 de agosto. A WABA define, a cada ano, o tema a ser trabalhado na Semana, lançando materiais que são traduzidos em 14 idiomas. Entretanto, a data e o tema podem ser adaptados em cada País a fim de que seja obtido mais e melhores resultados do evento.

No Brasil, o Ministério da Saúde coordena a Semana Mundial de Aleitamento Materno desde 1999. Sendo responsável pela adaptação do tema para o nosso País e elaboração e distribuição de cartaz e folder. Tem o apoio de Organismos Internacionais, Secretarias de Saúde Estaduais e Municipais, Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano, Hospitais Amigos da Criança, Sociedades de Classe e ONGs.

(redeblh.fiocruz)