Powered by WP Bannerize

Saúde

Pílula do dia seguinte: mitos e verdades


Publicado em: 13/06/2018
 

Você já deve ter lido e ouvido todo tipo de informação sobre  a pílula do dia seguinte. O que existe de verdade e o que é mito? O ginecologista Renato Oliveira, especialista em reprodução humana, é quem vai nos contar.

 

O médico lembra que a pílula não substitui os métodos contraceptivos tradicionais. Em vez disso, deve ser usada apenas em casos emergenciais: “situações de risco, como no estouro da camisinha ou em episódios de violência sexual, por exemplo. A informação e a prevenção ainda são as melhores maneiras de se evitar uma gravidez indesejada”, destaca.

 

A seguir, o ginecologista tira outras dúvidas, e desfaz os mitos em torno da pílula do dia seguinte.

 

Há um momento correto para utilizar a pílula de contracepção emergencial.

VERDADE. Apesar de poder utilizá-la nos primeiros cinco dias, recomenda-se o uso em até 72 horas após o ato sexual. Porém, quanto antes a pílula for tomada, maior a chance de sucesso. Estudos relatam que, nas primeiras 24 horas, por exemplo, a eficácia da pílula gira em torno de 90%.

 

A pílula do dia seguinte é abortiva.

MITO. Ela age antes da ocorrência da gravidez, portanto não provoca aborto. Se a fecundação ainda não aconteceu, o medicamento vai dificultar o encontro do espermatozoide com o óvulo, ou postergar a ovulação, caso esta ainda não tenha ocorrido. Se ocorrer gestação, sua tomada não causará danos para o embrião.

 

O medicamento causa efeitos colaterais.

VERDADE. O uso da pílula do dia seguinte pode causar efeitos colaterais. Alterações no ciclo menstrual, diarreia, vômito, náuseas, dores de cabeça e no corpo, além de aumento de retenção de líquido.

 

É necessário receita médica para adquiri-la.

MITO. Nos postos de saúde, assim como nas farmácias, a receita não é exigida.

 

O uso da pílula do dia seguinte tem contra-indicações.

VERDADE. Mulheres com distúrbios metabólicos, principalmente insuficiência hepática, problemas hematológicos e vasculares, hipertensão ou obesidade mórbida devem evitar o medicamento.

 

Se uso anticoncepcional regularmente, preciso da pílula do dia seguinte.

MITO.  Quem faz o uso correto da pílula tradicional, tomando-a da forma como foi prescrita pelo ginecologista, está protegida da gravidez.

 

A pílula do dia seguinte não substitui o uso de métodos contraceptivos convencionais.

VERDADE. Trata-se de um método de emergência, quando não há outro método. Deve-se ressaltar, dentre os métodos contraceptivos, a recomendação de sempre usar preservativos (camisinha), por exemplo, pois também previne homens e mulheres de doenças sexualmente transmissíveis (DST).

 

Foto: pixabay
(dasplus)


Engravidar após os 35 anos aumenta risco do bebê ter problemas cardíacos


Publicado em: 11/06/2018
 

Crianças nascidas de mães com mais de 35 anos têm maiores riscos de desenvolver problemas cardíacos na vida adulta, aponta estudo realizado pela Universidade de Alberta, no Canadá. Análise feita com camundongos fêmeas indica que os filhotes nascem com vasos sanguíneos danificados, o que oferece maior risco de problemas cardíacos na fase adulta.

 

Segundo o estudo, filhos de mulheres que passam por fertilização in vitro ou usam óvulos congelados (mesmo de doadores) também correm o risco de apresentar problemas cardiovasculares. Isso porque não é apenas a idade do óvulo que desempenham papel importante no desenvolvimento do sistema vascular do feto; a placenta da mulher também influencia na formação da criança.

 

“Esta pesquisa é importante porque melhora nossa compreensão do impacto do parto em uma idade mais avançada na saúde da prole mais tarde na vida”, disse Sandra Davidge, principal autora do estudo e diretora executiva do Instituto de Pesquisa em Saúde da Mulher e da Criança, ao Daily Mail.

 

Gravidez tardia

O número de bebês nascidos de mulheres com mais de 35 anos só tem aumentado, especialmente quando os avanços da medicina têm facilitado a realização do sonho da maternidade para mulheres mais velhas.

 

A gravidez tardia já era conhecida por oferecer risco para a mulher, como o desenvolvimento de diabetes e pressão alta, assim como aborto espontâneo e parto prematuro. Já para os bebês, os riscos conhecidos eram dificuldades de crescimento e anomalias cromossômicas, como a síndrome de Down.

 

Além disso, com o passar do tempo o número e a qualidade dos óvulos vão decaindo, principalmente depois dos 35 anos, uma vez que as mulheres nascem com um número definidos de óvulos, liberados a cada mês durante a ovulação. Outro problema na gravidez tardia é o fato de que, conforme as pessoas envelhecem, surgem maiores riscos de condições crônicas e de degeneração geral do corpo, comprometendo a saúde.

 

Gestação: funcionamento do corpo

Ao longo da gravidez, o volume de sangue no corpo da mulher aumenta progressivamente, o que faz com que o coração fique maior e bombeie mais para distribuir o sangue por todo o corpo e para o feto que está crescendo no útero. “A gravidez é um evento fascinante – especialmente seus efeitos em nosso sistema cardiovascular”, comentou Sandra.

 

Apesar de todas as mudanças cardíacas, a pressão arterial não costuma se alterar em uma gravidez sem complicações. No entanto, as mudanças fisiológicas que ocorrem nesta fase colocam mais pressão sobre as mulheres mais velhas, tornando-as mais vulneráveis à pré-eclâmpsia – condição ainda não muito compreendida pela medicina, mas que está relacionada ao modo como as veias sanguíneas se formam na placenta -, ou à hipertensão relacionada à gravidez.

 

isso acontece porque o sistema circulatório que supre a placenta tem veias mais estreitas em comparação com os vasos do restante do corpo da mulher, fazendo com que a pressão no sistema geral se acumule. Além disso, a placenta de mulheres mais velhas podem se desenvolver com limitações, prejudicando a capacidade da troca de nutrientes entre o corpo e o bebê, atrapalhando, por sua vez, o desenvolvimento fetal.

 

Prejuízos ao bebê

Quando todos esses fatores acontecem durante a gestação, cresce as chances de que afetem os mecanismos epigenéticos, ou seja, modificações no DNA, que levam a alterações nas proteínas e mudam alguns aspectos do desenvolvimento cardiovascular.

 

De acordo com os pesquisadores, os filhotes machos e fêmeas nascidos de ratos mais velhos mostraram sinais de sistemas cardiovasculares mais fracos, embora os machos parecessem muito mais afetados com apenas alguns meses de idade. “Independentemente da idade materna, as placentas masculinas e femininas desenvolvem-se diferentemente e, desde cedo, os machos tendem a ser mais suscetíveis [aos problemas cardiovasculares], mas as fêmeas recuperam”, revelou Sandra.

 

Esses dados indicam que pessoas nascidas de mães mais velhas podem ser menos resistentes a fatores epigenéticos e ambientais, o que poderia aumentar os riscos cardiovasculares. Por isso, para esses indivíduos recomenda-se a prática de exercícios e uma alimentação saudável desde cedo para evitar futuros problemas de saúde.

Apesar das informações reveladoras, ainda é preciso fazer estudos em humanos para verificar se os resultados são similares. Por isso, Sandra afirma que os dados preliminares não devem interferir nos planos de gravidez das mulheres mais velhas, mas precisam ser encaradas como um alerta para que se preparem melhor para esse processo.

(msn)



4 efeitos negativos que o refrigerante zero tem sobre sua saúde


Publicado em: 04/06/2018
 

1. Alterações na microbiota intestinal

De acordo com um estudo publicado no periódico científico Nature, os adoçantes artificiais presentes nos refrigerantes zero açúcar desregulam a flora intestinal, favorecendo a intolerância à glicose. “No médio e longo prazo, esse fator aumenta o risco de obesidade e de diabetes”, explica Renato Zilli, endocrinologista do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo

 

 

2. Ganho de peso na região abdominal

Apesar de não conter calorias, a bebida não é uma aliada da balança. Uma pesquisa publicada na revista científica American Journal of Geriatrics Society acompanhou um grupo de americanos por 9 anos e descobriu que quem consumia refrigerantes sem açúcar apresentou, ao final do período, uma circunferência abdominal maior do que aqueles que optaram por outros tipos de refresco.

 

 

3. Aumento da compulsão por açúcar

Um outro estudo, dessa vez da Universidade de Illinois, também nos Estados Unidos, chegou à conclusão de que quem pede por refrigerantes zero na intenção de reduzir o número de calorias ingerido durante o dia acaba extrapolando no açúcar durante as refeições. “Os adoçantes artificiais despertam o desejo por alimentos cada vez mais doces, fazendo com que o cérebro realize escolhas menos saudáveis e mais calóricas com o passar do tempo”, explica Renato.

 

 

4. Comprometimento da saúde óssea

O consumo de refrigerantes – tanto regulares quanto zero açúcar – está associado a uma densidade óssea precária. “Isso provavelmente se deve ao fato de que quem bebe muito refrigerante dá prioridade a esse tipo de bebida em detrimento a outras que fazem bem à saúde, a exemplo do leite”, supõe Renato. O especialista ainda revela que pesquisadores da Universidade Tufts, nos Estados Unidos, descobriram que mulheres que ingeriam mais de três doses de refrigerante à base de cola por dia tinham uma densidade mineral óssea 4% menor no quadril quando comparadas à quem preferia outros líquidos.

(msn)



Como cuidar da saúde no inverno


Publicado em: 28/05/2018
 

O período frio vem acompanhado da proliferação de vírus respiratórios, que aumentam a incidência de doenças como a gripe, o resfriado e a rinite alérgica

 

Com o início do inverno a diminuição da temperatura deve vir acompanhada de cuidados com a saúde, principalmente de crianças, idosos e pessoas propensas a doenças respiratórias. Segundo o médico alergista, José Carlos Perini, as mudanças bruscas de temperatura que ocorrem ao longo do dia causam um estresse no corpo fragilizando a resistência orgânica.

 

Presidente da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, Perini explica que muitos hábitos – como fechar os ambientes em casa, no trabalho, no carro e até mesmo no transporte coletivo – acabam atrapalhando a imunidade do organismo. “Esse enclausuramento por causa da temperatura é um fator de risco e facilita a proliferação de vírus pelo ambiente. Quando fazemos isso em casa também ajudamos os ácaros, fungos e mofo a proliferarem mais rapidamente”, disse.

 

A dica do alergista é fazer circular o ar no ambiente, deixando uma fresta da janela aberta no transporte e em casa durante o dia, e evitar aglomerações. Ele aconselha ainda as pessoas, principalmente os alérgicos, a lavarem as roupas que estão guardadas há certo tempo, antes de usar, porque elas acumulam mofo.

 

O período frio também vem acompanhado da proliferação de vírus respiratórios, que aumentam manifestações respiratórias, como a gripe, o resfriado e a rinite alérgica, disse Perini, explicando que os pacientes com asma devem ter mais atenção, já que a frio simula a contração do pulmão e pode agravar o problema. “A pessoa que tem doença crônica deve ter o acompanhamento de um médico. No Brasil, apenas 10% a 15% das pessoas que têm asma usam os tratamentos adequados e é absurdo porque já há acesso gratuito a medicamentos”, disse o alergista, destacando que entre 2 500 e 3 000 pessoas morrem de asma no Brasil todos os anos.

 

O especialista alerta para a importância, como medida de prevenção, da vacina contra a gripe oferecida pelo governo para grupos específicos.

 

Além das baixas temperaturas, algumas regiões também são marcadas pela queda da umidade no ar, um agravante para o organismo, disse Perini, pois as pessoas ficam com dificuldade de respirar. Ele explica que, além de nebulizadores, podem ser utilizadas toalhas molhadas esticadas pela casa para aumentar a umidade do ar. “Bacia, balde ou copo com água são mitos, porque a superfície é reduzida e a água não vai conseguir evaporar”, enfatizou.

 

O uso de aquecedores em casa também é aconselhado pelo alergista, desde que em uma temperatura confortável, por volta de 21 graus Celsius.

 

Além do sistema respiratório, a pele também é muito prejudicada com o tempo seco. Ele lembra que banhos quentes removem a hidratação natural da pele.

(veja.abril)



7 tipos de formato de fezes e o que dizem sobre sua saúde


Publicado em: 23/05/2018
 

As fezes são restos sólidos ou semi-sólidos dos alimentos que não foram digeridos e absorvidos pelo intestino delgado, estes resíduos são também digeridos pelas bactérias do cólon. Além disso, elas contêm água e células mortas do epitélio intestinal, bactérias, proteínas e açúcares. Sendo armazenadas no reto e eliminadas pelo ânus pela defecação.

 

Os formatos das fezes são classificados em 7 tipos, são eles:

  • Tipo 1: caroços duros separados, em formato de bolinhas ou coquinhos, similar às fezes de carneiros. Difíceis de eliminar
  • Tipo 2: em formato de linguiça, porém grumoso, segmentado. De consistência mais firme
  • Tipo 3: em formato de linguiça, porém com ranhuras na superfície
  • Tipo 4: em formato de linguiça ou cobra, lisa e suave
  • Tipo 5: pedaços moles, com margens bem definidas, facilmente evacuadas
  • Tipo 6: pedaços fofos, aerados, com margens irregulares, esfarrapadas. Sem consistência
  • Tipo 7: completamente líquidas.

 

Pode-se identificar o tipo do formato através da Escala de Bristol de Fezes, desenvolvida por pesquisadores do Bristol Royal Infirmary, na Inglaterra. Considera-se, em geral, com sendo os tipos 3 e 4 como ótimos, ou ideais, desde que haja também facilidade para sua eliminação.

 

Confira a escala aqui!

A interpretação que se pode fazer a partir da Escala de Bristol é a seguinte :

  • Tipo 1: Indivíduos considerados constipados severos
  • Tipo 2: portadores de constipação intestinal leve
  • Tipos 3 e 4: apresentam uma evacuação normal
  • Tipo 5: como tendência a diarreia ou urgência evacuatória
  • Tipos 6 e 7: considerados fezes tipo diarreicas.

As alterações nas fezes podem corresponder a doenças de maior gravidade. Porém, a maioria se deve a distúrbios funcionais intestinais, relacionadas a microbiota, a dieta, ao sistema nervoso e comportamentos e hábitos de vida.

 

Fatores contribuem para alterações nas fezes

Há um grande número de fatores que podem contribuir de forma isolada ou em associações, os principais são:

  • Alimentação, dieta
  • Microbiota, flora intestinal
  • Ansiedade, estresse, depressão
  • Disfunções tireoidianas
  • Prática de atividade física
  • Hábito de segurar, adiar a evacuação. Isso faz que o cérebro não envie ao intestino os estímulos a defecação
  • Doenças do aparelho digestivo
  • Intolerâncias alimentares
  • Doenças infecciosas, verminoses, parasitoses
  • Uso de antibióticos, opióides, antidepressivos, e outros medicamentos
  • Distúrbios funcionais intestinais.

 

Sinais de alerta

Os principais sinais que pode favorecer a alterações nas fezes são:

  • História familial de câncer colorretal (intestino)
  • Sangramento pelo reto
  • Perda de peso
  • Anemia
  • Mudanças progressivas no formato das fezes e frequência das evacuações (com características de piora) e dor retal persistente e progressiva.

(minhavida)