Powered by WP Bannerize

Saúde

Pênis pequeno está associado a doenças quando apresenta dor, perda de ereção ou encurvamento


Publicado em: 16/03/2015
 
  O tamanho do pênis sempre foi alvo de grande interesse e debate entre muitas pessoas, sejam homens ou mulheres. O tamanho do pênis historicamente tem sido associado à masculinidade, de maneira que a simples possibilidade de haver uma diminuição do tamanho, causada por alguma doença, gera um enorme sofrimento para a família, em se tratando de criança, ou para o homem já entrando na adolescência.Existem vários estudos em diversos países a cerca do tamanho normal do pênis. Estes estudos apresentam algumas variações o que torna difícil a comparação. Estudo recente publicado em janeiro de 2014 na Revista de Medicina Sexual (Journal of Sexual Medicine) realizado com 1661 homens mostrou que a média do tamanho do pênis ereto foi de 14,1 centímetros enquanto do diâmetro foi de 12,2 cm.O tamanho não tem relação direta com a função. De maneira que pequenas variações do tamanho não causam nenhum prejuízo para função miccional ou sexual. Por outro lado encurtamentos associados a qualquer disfunção sexual seja dor, perda de ereção ou tortuosidade, deverão ser comunicados ao médico.A ideia de que quanto maior o tamanho do pênis maior é a masculinidade ou a capacidade de proporcionar satisfação para a mulher é totalmente errônea. É importante lembrar que a região de maior sensibilidade da vagina é a porção proximal, sendo alcançada facilmente durante a relação sexual, não necessitando de penetração profunda. Durante a relação sexual, a vagina aumenta seu comprimento rapidamente após a inserção inicial de cerca de 10 para 14 cm, havendo uma total compatibilidade com a média do pênis ereto.O principal problema decorrente do pênis com tamanho reduzido é o impacto psicológico negativo com redução da confiança e gerando ansiedade o que leva a uma baixa autoestima o que pode afetar diretamente o relacionamento e o desempenho sexual do homem. Esses casos devem receber orientação precoce e especializada.

Quando o pênis pequeno é um problema de saúde?

Existem algumas situações na qual pode haver uma redução do tamanho do pênis. A doença de Peyronie é uma doença adquirida que afeta a túnica albugínea causando dor, disfunção sexual, disfunção erétil, curvatura no pênis e consequentemente encurtamento.

Outras condições adquiridas que podem causar encurtamento do pênis é a obesidade, muito comum no envelhecimento, principalmente quando leva a um acúmulo de gordura na região pré-púbica, o que, de certa forma, embute a haste peniana. Algumas cirurgias para correção de estreitamentos de uretra e após cirurgia para retirada de câncer de próstata (prostatectomia radical) também podem causar encurtamento do pênis.

Os distúrbios que cursam com redução do tamanho do pênis felizmente não são frequentes. As situações que merecem atenção são os micropênis. Problema que afeta, aproximadamente, um em cada 200 homens possui um micropênis, cujo comprimento quando esticado flácido não é mais do que 2,5 centímetros, desvios padrão abaixo do tamanho médio para a faixa etária, porém funcionante. As principais causas de micropênis são problemas hormonais como defeitos do hipotálamo, deficiências de gonadotrofinas e hormônios do crescimento, insensibilidade a andrógenos e síndromes genéticas.

Por sorte, o micropênis é facilmente identificado pelos pais na infância. Neste momento, o pediatra é o primeiro médico que deve ser comunicado. A partir daí iniciará uma investigação que poderá se estender a outros profissionais da área médica, como por exemplo, endocrinologistas, psicólogos e urologistas, dependendo da complexidade do caso.

Todos os hormônios que interferem no ciclo androgênico podem influenciar no tamanho e no desempenho sexual do homem. Os anabolizantes são hormônios sintéticos esteroides androgênicos que imitam o hormônio testosterona. Eles têm dois efeitos básicos: o efeito androgênico que ativa as características masculinas como mudança da voz, aumento do pênis e crescimento de pelos; e o efeito anabólico que atua no controle de gordura, aumenta de massa muscular e força.

 

Fonte: http://www.msn.com



Gatos – cuidados básicos


Publicado em: 30/01/2015
 

Alimentação

Filhotes a partir de 45 dias de idade

Ração para filhotes: certamente é a melhor opção. Existem muitos tipos (secas ou úmidas), sabores (carne, peixe, frango, carneiro, fígado, etc.) e marcas no mercado. Na primeira consulta, o veterinário recomendará o tipo de ração que você deverá fornecer ao filhote. 

A quantidade de ração a ser dada varia com o peso e a idade do animal. Os fabricantes de ração, na própria embalagem do produto, fazem a recomendação da quantidade ideal. 

Gatos a partir de 1 ano de idade

Ração para gatos adultos: seca ou úmida, 2 vezes ao dia.

Dicas:

os filhote comem várias vezes ao dia quando pequenos;
os filhotes passam a comer menos à medida que vão crescendo; assim, deve-se reduzir o número de refeições gradativamente. O adulto (a partir de 1 ano) come 1 ou 2 vezes ao dia;
a ração para adultos deve ser dada a partir de 1 ano de idade. O excesso de alimentação causará
obesidade e inúmeros problemas ao animal;
restos de comida, doces, massas e tudo o que não for prescrito pelo veterinário deve ser evitado, mesmo que o gato goste ou queira comer.
mudanças alimentares devem ser feitas gradativamente, ou o animal poderá apresentar
diarréia;

CÁLCIO E VITAMINAS

O filhote necessita de complementação de cálcio e vitaminas no primeiro ano de vida, época de crescimento muito acelerado. A falta de cálcio nessa fase causará o raquitismo. Animais que se alimentam exclusivamente de ração balanceada podem ter as necessidades de cálcio supridas, desde que se alimentem corretamente, na quantidade indicada pelo fabricante da ração.

De qualquer forma, o veterinário que acompanhará o crescimento do gato deverá analisar o caso, o tipo de alimentação e a necessidade de cálcio para o animal.

DENTIÇÃO

A troca de dentes se inicia com 3,5 meses de idade e termina aos 6 meses. O gato pode formar tártaro, o que provoca o mau-hálito e a perda precoce dos dentes permanentes. 

A cárie também ocorre em animais que recebem alimentos doces com frequência, mas é de ocorrência rara. Existem serviços odontológicos especializados para cuidar dos dentes do seu gato.

Higiene da boca: existem escovas e pastas dentais importadas para gatos. Mas essa prática de escovação deve ser feita desde a fase de filhote, do contrário dificilmente os adultos aceitarão a escovação. Ela deve ser feita 2 a 3 vezes por semana, no mínimo. Animais que comem ração seca terão menos tártaro do que aqueles que se alimentam com ração em lata (úmida).

BANHOS

A partir de 45 dias de idade, com sabão de côco medicinal e xampu neutro não inseticida (antipulgas). Caso o filhote tenha pulgas, dar banhos com sabonete de enxôfre. Em gatos, o banho pode ser dado mensalmente. O felino, por si só, limpa sua pelagem lambendo-se diariamente. 

Consulte seu veterinário quanto a tratamentos com produtos anti-pulgas, à venda em pet shops. Banhe o animal com água morna, e coloque algodão nos ouvidos para evitar a entrada de água.

PELAGEM

Escovar diariamente o animal para retirar pêlos mortos, poeira, e para verificar a presença de parasitas (pulgas, carrapatos, etc.). A escovação no gato é essencial pois, ao lamber-se, ele engole muitos pêlos mortos. Esses pêlos, misturados às fezes, podem formar um fecaloma (bolo de fezes muito duro e ressecado). Habitue seu gato a ser escovado todos os dias.

Veja também, problemas dermatológicos no gato.

CIOS

As fêmeas entram no cio entre 7 a 10 meses de idade. O cio dura em torno de 4 a 7 dias, e é acompanhado por mudanças bruscas no comportamento. A gata passa a miar e esfregar-se no chão, móveis e pessoas. Não há sangramento durante o cio.

Leia artigo completo sobre cio.

VERMIFUGAÇÃO:

A mãe pode transmitir vermes aos filhotes tanto pela placenta como pelo aleitamento. Vermifugar a fêmea antes do acasalamento é uma medida preventiva para que os filhotes nasçam livres de vermes que podem causar diarréias, anemia e até comprometer a vida do filhote. Todos os gatinhos devem ser vermifugados após o nascimento, seguindo o esquema:

30 dias de idade: 1a. dose
45 dias de idade: 2a. dose
60 dias de idade: 3a. dose

Recomenda-se exame de fezes logo que o animal chegar em casa para a pesquisa de protozoários. O veterinário irá prescrever o vermífugo para o seu gato.

VACINAÇÃO

É, sem dúvida, o cuidado mais importante tanto para o filhote como para o gato adulto. Os animais devem ser imunizados antes de começarem a ter contato com outros felinos. Existem muitas doenças virais que podem acometer os gatos e são causadoras de grande número de mortes, principalmente nos filhotes.

As vacinas que seu gato deve receber e intervalos entre as doses devem ficar a critério do veterinário que irá cuidar de seu animal. As vacinas múltipla (tríplice, quádrupla ou quíntupla) e anti-rábica são obrigatórias em qualquer esquema de vacinação. Abaixo, um calendário para a vacinação de filhotes, com as vacinas existentes no mercado:

GATOS:
vacinas – múltipla (tríplice, quádrupla ou quíntupla) e anti-rábica
– 45 a 60 dias: 1a. dose vacina múltipla*
– 21 dias após a 1a. dose: 2a. dose vacina múltipla
a partir de 4 meses de idade: anti-rábica

Este quadro mostra todas as vacinas disponíveis no mercado. Cabe ao veterinário decidir o melhor esquema para cada animal.

Fonte: http://www.webanimal.com.br/


Passeio com caes – OS BENEFÍCIOS DE UM PASSEIO DIÁRIO


Publicado em: 18/01/2015
 

– Exercícios regulares melhoram a saúde emocional e física do seu cão;

– Sair para passear sob sol ameno, melhora as imunidades dos animais;

– Brincar e correr desestressa o cão, ficando mais calmo e se comportanto melhor;

– O exercício melhora o tônus muscular do cão e auxilia na manutenção do peso, evitando a obesidade;

– O contato com outros cães e outras pessoas, proporciona a socialização do animal;

– Filhotes criados em ambientes pequenos, se tornam hiperativos e pouco sociais, tornando-se estressados e mais agressivos.

– O seu cãozinho será observado regularmente, assim será mais fácil perceber qq alteração que venha a apresentar;

– Não ter mais pq se sentir culpado em trabalhar mto, se ausentar e seu cão estar sozinho ou trancado em casa;

– Qndo vc chegar em casa o seu cão estará feliz e calmo, podendo assim descansar com vc;

– Os prejuízos com mobílias e objetos roídos irão diminuir mto;

– A reclamação dos vizinhos pelos latidos em excesso tb irão diminuir;

– Vc terá a tranquilidade de saber que um membro da sua família estará sendo cuidado com todo carinho, atenção e amor;

Precisamos deixar claro que é mto importante que vc dono de um animalzinho de estimação, seja consciente e que se preocupe com a saúde e o equilíbrio de seu cão. É direito dele poder correr, brincar, latir, fazer amigos e acima de tdo, ser feliz! Tdo isso sem abrir mão da segurança e da qualidade que podemos oferecer



Benefícios do passeio a cavalo


Publicado em: 18/01/2015
 

Nem é preciso dizer que é uma delícia cavalgar. Basta ver nas novelas, filmes e outros a satisfação que as pessoas têm quando estão em contato com a natureza. Então já temos uma primeira vantagem, que é o benefício psicológico de você estar se desligando de todos os problemas que enfrenta durante seu dia, seja no trabalho, seja em casa e experimentando uma liberdade sem igual.

Já imaginou se divertindo e se exercitando ao mesmo tempo? Durante a cavalgada você trabalha inúmeros grupos de músculos diferentes e suas articulações! É uma atividade aeróbica espetacular e que você consegue sentir o resultado.

Não dá para quantificar todos. Só de você estar jogando todo seu estresse, ansiedade e depressão fora e poder estar em contato com a natureza não tem preço e é uma terapia. É isso que nós aqui no rancho Bom Jesus estamos dipostos a lhe oferecer, isso tudo aliado ao profissionalismo e segurança, com nossos cavalos treinados e mansos.

Dicas para o Passeio à Cavalo

  • Utilize sempre calça comprida jeans ou tecidos similares;
  • Utilize sempre calçados confortáveis e fechados para sua segurança;
  • Proteja-se do sol utilizando protetor solar e boné ou chapéu;
  • Para dias de sol intenso, óculos de sol irão lhe proporcionar mais conforto;
  • Hidratação é essencial! Beba bastante água;
  • Faça uma alimentação leve e saudável.


os benefícios do passeio de bicicletas


Publicado em: 18/01/2015
 

Gosta de andar de bicicleta? Esse é um passeio divertido, saudável, econômico e que serve para toda a família.

Andar de bicicleta é um exercício aeróbico, muito agradável e benéfico à saúde. O ato de pedalar trabalha a região pélvica e, principalmente, os membros inferiores. Os músculos das coxas e pernas se esforçam para criar o movimento de propulsão da bicicleta.

Quem se preocupa com o corpo e em prevenir doenças cardíacas ou no sistema circulatório pode aproveitar. Com orientação de profissionais, você pode encontrar na bicicleta uma aliada.

É importante respeitar o ritmo do seu corpo. Comece devagar e vá aumentando o tempo e a velocidade aos poucos. Tenha sempre água ou sucos à disposição, se manter hidratado é fundamental. Não se esqueça de usar protetor solar e roupas que te ajudem a se proteger dos raios solares. Queimaduras e lesões na pela devem sempre ser evitadas.

Assim como os motoristas, os ciclistas também devem respeitar as sinalizações de trânsito e os pedestres que possam estar circulando no local. Evite que algum imprevisto possa estragar o passeio. Use aparelhos de segurança, como capacete, cotoveleiras e luvas. Lembre-se: crianças merecem cuidados redobrados.