Powered by WP Bannerize

Saúde

Melão engorda, aumenta diabetes e dá candidíase em mulheres, diz médica


Publicado em: 10/05/2016
 

Apesar de ter poder hidratante, frutinha que parece inofensiva pode trazer muitos problemas se consumida de forma errada.

 

Um melão docinho parece só trazer benefícios para o corpo, já que tem muita água em sua composição. De fato, ele tem um alto poder hidratante. Contudo, não é essa maravilha toda: ele pode engordar, aumentar os níveis de insulina no sangue, piorando a diabetes, e ainda – surpreendentemente – estimular a candidíase em mulheres.

 

vvvUm melão docinho parece só trazer benefícios para o corpo, já que tem muita água em sua composição. De fato, ele tem um alto poder hidratante. Contudo, não é essa maravilha toda: ele pode engordar, aumentar os níveis de insulina no sangue, piorando a diabetes, e ainda – surpreendentemente – estimular a candidíase em mulheres. Um melão docinho parece só trazer benefícios para o corpo, já que tem muita água em sua composição. De fato, ele tem um alto poder hidratante. Contudo, não é essa maravilha toda: ele pode engordar, aumentar os níveis de insulina no sangue, piorando a diabetes, e ainda – surpreendentemente – estimular a candidíase em mulheres.

Quem afirma é a nutricionista Flávia Cyfer. “Ele é digerido muito rápido e isso faz com que a glicose entre muito rápido no sangue, gerando um pico de glicemia. Esse processo também vai exigir altas quantidades de insulina para colocar essa glicose na célula e isso vai engordar”, garante. Ainda de acordo com a especialista, a candidíase pode aumentar graças aos fungos presentes na fruta. “Ele tem muito fungo – é aquela partezinha mais branca que fica por cima das sementes – e uma mulher que já sofra com a doença pode ter o problema aumentado”.

Ele pode ser bom em um ponto: é muito alcalinizante. Isso significa que vai ajudar as células das pessoas que comem de maneira pouco saudável (com muito conservante e fritura) a limpar o organismo desse PH ácido, a fim de iniciar uma nova rotina de alimentação.

Dicas de consumo

Nunca na sobremesa – Como ele é digerido muito rápido, se for consumido após a refeição, a comida que tem digestão mais lenta vai deixá-lo preso no estômago. Nessa condição, ele pode fermentar e gerar gases. Sempre coma o melão sozinho.

Óleo de coco ou castanha – Para resolver o problema de chegar ao sangue muito rápido, a nutricionista indica colocar uma colher de óleo de coco em cima ou comer com duas castanhas junto, para não ter pico de glicemia.

Opte pelo mais verde – Quanto mais maduro, mais doce, mais glicose. Se estiver mais verde, vai ter menos glicose.

Ao contrário do melão, alguns alimentos podem ajudar a queimar as gordurinhas. Confira no vídeo quais são eles e potencialize sua dieta!

 



Benefícios do abacate


Publicado em: 02/05/2016
 

Os benefícios do abacate para a saúde incluem ajudar a hidratar a pele e os cabelos e melhorar a circulação sanguínea por conter gorduras saudáveis como o ômega 3, que atua como antioxidante e melhora o controle do colesterol.

Além disso, o abacate também ajuda a melhorar o rendimento do treino por ser rico em energia e a prevenir doenças cardíacas e câncer, por ser rico em vitaminas e antioxidantes que fortalecem o sistema imunológico e previnem a formação de aterosclerose.

1. Para a pele

Os benefícios do abacate para a pele são principalmente combater estrias, rugas e celulite por ser rico em vitamina C, que ajuda na metabolização do colágeno, substância que dá firmeza à pele.

Além disso, essa fruta também tem antioxidantes que ajudam a proteger e a evitar o envelhecimento das células da pele, conferindo maior elasticidade e deixando a aparência mais bonita e saudável. Veja uma boa receita de vitamina de abacate em: Vitamina de abacate para ter a pele macia.

2. Na musculação

Quando consumido antes da atividade física, o abacate ajuda na hipertrofia muscular, pois fornece energia para o treino e contém proteínas que ajudam na recuperação do músculo.

Além disso, essa fruta também evita a fadiga muscular porque combate os radicais livres que surgem devido ao exercício intenso, provocando o envelhecimento das células e facilitando o aparecimento da dor.

3. Na gravidez

Por ser rico em ácido fólico, o abacate na gravidez é importante para prevenir doenças congênitas como problemas no sisterma nervoso e espinha bífida, que é o mau fechamento da coluna vertebral do feto. Para obter esse benefício, esta fruta deve ser consumida principalmente antes de engravidar e durante o primeiro trimestre de gestação.

4. Para o cabelo

Quando utilizado em máscaras para o cabelo, o abacate aumenta a hidratação dos fios por ser rico em gorduras e vitaminas, tornando os cabelos mais brilhantes e macios. Veja um exemplo de receita em Creme de abacate para hidratar o cabelo.

5. Para emagrecer

Por ser rico em fibras, o abacate ajuda a dar a sensação de estômago cheio e diminuir o apetite, controlando a fome e o consumo excessivo de alimentos. Porém, por ser uma fruta muito calórica e que tem muita gordura, só pode ser consumida em pequenas quantidades nas dietas de emagrecimento.

6. Para o cérebro

O principal benefício do abacate para o cérebro é melhorar a capacidade de memória, pois o omega 3 melhora o funcionamento do cérebro por estimular a circulação sanguínea e aumentar a capacidade de concentração.

Informação nutricional do abacate

O abacate é rico em gordura boa do tipo monoinsaturada como o omega 3, fibras, antioxidantes, magnésio e ácido fólico.

Componentes Quantidade por 100 g de abacate
Energia 108 calorias
Proteínas 1,1 g
Gordura Total 10,5 g
Gordura monoinsaturada 6,5 g
Carboidratos 2,3 g
Fibras 3 g
Vitamina C 3 mg
Vitamina A/caroteno 32 mcg
Vitamina E 2,1 mg
Ácido Fólico/Folato 11 mcg
Potássio 326 mg
Fósforo 36 mg

O abacate engorda se consumido em excesso porque é uma das frutas mais ricas em gordura, que mesmo sendo de boa qualidade, tem muitas calorias.

Receita de Guacamole

Ingredientes

  • 1 abacate médio maduro
  • 2 tomates sem pele e sem sementes picados
  • 1 cebola média picada
  • 1 dente de alho picado ou amassado
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • Pimenta do reino, limão, sal e cheiro-verde a gosto

Modo de preparo

Retirar e amassar a polpa do abacate e guardá-la na geladeira. Refogar o tomate, a cebola e o alho no azeite e na pimenta, adicionando 1 colher de sopa de água. Deixar cozinhar por dois minutos. Depois de esfriar, juntar com o abacate e misturar até formar uma pasta, temperando em seguida com sal, limão e cheiro verde.

Abacate hidrata a pele e melhora o treino

Receita de Mousse de Abacate

Ingredientes

  • 1 abacate maduro
  • 1/2 lata de leite condensado light
  • Suco de meio limão
  • 3 folhas de hortelã

Modo de preparo

Bater todos os ingredientes no liquidificador até ficar uma mistura homogênea e deixar na geladeira para ficar com uma consistência firme. Servir gelado.

Receita de Salada de Legumes com Abacate

Ingredientes

  • 1 tomate cortado em cubos
  • 1/2 cebola picada
  • 1 pepino em cubos
  • 1 abobrinha em cubos
  • 1 abacate maduro em cubos
  • Salsinha picada, sal, azeite e limão a gosto

Modo de preparo

Misturar tudo com cuidado para que o abacate não se desfaça, temperar com salsinha, sal, azeite e limão e servir gelado.

fonte: http://www.tuasaude.com/beneficios-do-abacate/



O que acontece com o corpo quando você deixa de beber água?


Publicado em: 25/04/2016
 

Muitos especialistas já afirmaram que grande parte do corpo humano é água.

Na verdade o corpo é feito por cerca de 60% de água.

Mas nem toda esta água permanece em nosso corpo. Parte dela é eliminada na urina, no suor e até quando respiramos.

Por isso beber água suficiente para cobrir estas perdas é fundamental.

Mas o que acontece quando não bebemos o suficiente?

‘Centro da sede’

“A água, sendo um solvente universal, fornece nutrientes ao corpo, regula a temperatura corporal e lubrifica os olhos e articulações”, disseram Mitchell Moffit e Greggory Brown, do AsapScience, um canal no YouTube especializado em ciência.

Sem água perdemos energia, a pele fica seca e até o humor é afetado.

Thinkstock: Quando estamos desidratados o cérebro envia um sinal para conseguir reter a água em nosso corpo por mais tempo © Copyright British Broadcasting Corporation Quando estamos desidratados o cérebro envia um sinal para conseguir reter a água em nosso corpo por mais tempo

A educadora Mia Nacamulli explica em uma animação divulgada em uma conferência TED-Ed, voltada para a educação, que quando o corpo se desidrata as terminações nervosas do hipotálamo do cérebro – que estão no que os cientistas chamam de “centro da sede” (OCPTL) – enviam sinais para a liberação de um hormônio antidiurético.

Este hormônio chega até os rins e estimula as aquaporinas, proteínas das membranas das células que podem transportar moléculas de água, permitindo que o sangue retenha mais água no corpo.

Quando isto acontece, a urina fica mais escura e com um cheiro mais forte.

Durante este processo de desidratação também sentiremos menos vontade de urinar e teremos menos saliva.

Também há a possibilidade de sentirmos tonturas porque o cérebro está tentando se adaptar à falta do líquido.

Adaptação

Um cérebro desidratado se contrai devido à falta de água e deve trabalhar mais para conseguir o mesmo resultado que um cérebro bem hidratado.

Além disso, ele também ativa uma série de mecanismos de adaptação para conserguir manter sua atividade apesar da falta do líquido.

Thinkstock: A falta de água no organismo pode levar à diabetes, colesterol alto, problemas digestidos e fadiga entre outros © Copyright British Broadcasting Corporation A falta de água no organismo pode levar à diabetes, colesterol alto, problemas digestidos e fadiga entre outros

No entando este processo pode continuar durante apenas alguns dias: se você interromper totalmente a ingestão de água, o corpo começará a sofrer com os efeitos mais graves e, no final, vai parar de funcionar.

Deixar de beber água durante dias (desidratação crônica) pode abrir caminho para outros problemas como diabetes, colesterol alto, problemas de pele e digestivos, fadiga e prisão de ventre.

O tempo de sobrevivência sem beber água varia entre três e cinco dias, de acordo com cada pessoa. Mas já foram registrados casos de pessoas que conseguiram sobreviver mais tempo.

Quanto por dia?

A quantidade de água que devemos beber depende do organismo de cada um e do ambiente em que a pessoa vive.

Mas, de acordo com a educadora Mia Nacamulli, o mais recomendável é que os homens bebam entre 2,5 e 3,7 litros por dia e as mulheres, de 2 a 2,7 litros.

Porém também é importante não ultrapassar a quantidade necessária: beber água em excesso pode trazer riscos à saúde segundo os especialistas.

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, revelaram em 2015 que a quantidade recomendável de água varia entre quatro e seis copos por dia. Anteriormente era divulgado que eram necessários oito copos de água por dia.

Thinkstock: Especialistas recomendam que, quem não gosta de beber água, tente colocar uma rodela de lima ou de limão, mas não substitua o líquido por refrigerantes © Copyright British Broadcasting Corporation Especialistas recomendam que, quem não gosta de beber água, tente colocar uma rodela de lima ou de limão, mas não substitua o líquido por refrigerantes

De acordo com os cientistas de Harvard é impossível fazer uma recomendação que sirva para todos: a necessidade de consumo de água depende da dieta, do clima e do nível de atividade física praticada pela pessoa.

As mulheres grávidas ou mães que estão amamentando, as pessoas que fazem mais atividades físicas, as que vivem em um clima quente ou aquelas que estão doentes deveriam, de acordo com o relatório americano, beber mais água.

E, se você for do tipo que não gosta de água, pode consumir líquidos de outra forma: frutas e verduras como o melão ou o pepino têm grandes quantidades de ádgua.

Mas os médicos advertem: não se pode substituir água por refrigerante, “escolha tomar água ao invés de bebidas açucaradas”.

Por isso, uma opção apresentada pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças americano (CDC), é adicionar uma rodela de lima ou limão para dar mais gosto à água.

FONTE: http://www.msn.com



Mel: o alimento aliado do intestino


Publicado em: 23/04/2016
 

Este adoçante natural também ajuda a aliviar dor de garganta e melhora a qualidade do sono.

 

O mel é um produto natural obtido a partir do néctar das flores e de excreções da abelha. Além de ser um ótimo adoçante natural, este alimento é cheio de benefícios porque conta com ação antimicrobiana, capaz de impedir o crescimento ou destruir micro-organismos e assim proteger contra doenças.

O mel também conta com ação antioxidante e prebiótica, esta última modifica o balanço da microbiana intestinal, estimulando o crescimento e/ou atividade de micro-organismos benéficos. Por ser rico em carboidratos e açúcar o mel é ótima fonte de energia.

O mel também conta com ação antioxidante e prebiótica, esta última modifica o balanço da microbiana intestinal, estimulando o crescimento e/ou atividade de micro-organismos benéficos. Por ser rico em carboidratos e açúcar o mel é ótima fonte de energia.

O alimento também conta com potássio, magnésio, sódio, cálcio, fósforo, ferro, manganês, cobalto, cobre e alguns outros minerais. Entre estes nutrientes, o potássio é o que está mais presente no mel e é interessante para o equilíbrio da pressão arterial.

Os tipos de mel
O sabor, aroma e cor do mel irão variar de acordo com as floradas, definidas a partir do tipo de flor que a abelha coleta o néctar para produzir este doce. Alguns benefícios do mel podem ser mais fortes em determinados tipos do que em outros. Confira os principais tipos de mel consumidos no Brasil:

Mel silvestre: Este é o mais ingerido no Brasil e é proveniente de diversas flores. É considerado interessante para a pele, vias respiratórias, tem efeito antioxidante e propriedades calmantes.

Mel de flor de eucalipto: Possui um sabor mais forte e coloração escura. É interessante para o tratamento auxiliar e alivio de infecções intestinais, vias urinárias e doenças respiratórias.

Mel de assa-peixe: Possui aroma e sabor agradáveis e possui efeito calmante e expectorante.

Mel de flor de laranjeira: Conta com sabor suave e regula a função intestinal e tem efeito calmante.

Mel de cipó-uva: possui ação antioxidante, especialmente no fígado, por isso pode ajudar a diminuir os efeitos do álcool.

Principais nutrientes do mel

O mel conta com boas quantidades de açúcar e carboidratos e por isso ele é uma ótima fonte rápida de energia. Ele também possui alguns ácidos orgânicos, sendo que um deles, o ácido glucônico, contribui para a formação do peróxido de hidrogênio, um poderoso antibactericida. O ferro e o cobre presentes no mel contribuem para a ação antimicrobiana.

O ácido glucônico também tem forte ação antioxidante. O mel ainda conta com grande número de compostos que proporcionam este mesmo benefício. Os ácidos fenólicos, os flavonoides, certas enzimas, como a glicose oxidase, catalase e peroxidase, ácido ascórbico, hidroximetilfurfuraldeído e carotenoides. Todas as substâncias contribuem para combater os danos causados por agentes oxidantes, presentes nos alimentos e no corpo humano, e assim prevenir o envelhecimento e doenças como o Alzheimer, cardiovasculares, entre outras.

O mel conta com carboidratos não digeríveis e oligossacarídeos que são prebióticos. Isto significa que eles contribuem para a manutenção da microbiota intestinal e assim estimulam o trânsito intestinal, cooperam com a consistência normal das fezes, previnem diarreia e constipação.

Este adoçante natural possui potássio, interessante para o equilíbrio da pressão arterial, cálcio, importante para a saúde dos ossos, ferro, necessário para a prevenção da anemia, e outros minerais.

Nutrientes Mel – 25 gramas
Calorias 77.25 kcal
Carboidratos 21 g
Cálcio 2.5 mg
Magnésio 1.5 mg
Ferro 0.075 mg
Potássio 24.75 mg
Fósforo 1 mg

Fonte: Tabela Brasileira de Composição dos Alimentos / Taco – versão 2, UNICAMP

Confira qual a porcentagem do Valor Diário* de alguns nutrientes que a porção recomendada, 25 gramas (uma colher de sopa), de mel carrega:

  • 7% de carboidratos
  • 0,5% de ferro
  • 0,25% de cálcio.

Benefícios do mel

Bom para dor de garganta: Sua avó estava certa! Como o mel possui ação antimicrobiana, capaz de impedir o crescimento ou destruir micro-organismos, ele é interessante para aliviar a dor de garganta momentaneamente. Mas é importante ressaltar que não há nenhum estudo científico comprovando que o mel trate as causas desse sintoma, como uma faringite por exemplo, e nem a evolução da doença relacionada a uma dor de garganta.

As característica do mel que fazem com que ele tenha esta ação antibiótica são: o baixo ph, proporcionando um ambiente ácido que pode inibir o desenvolvimento de muito micro-organismos, pouca quantidade de água, que não proporciona condições favoráveis para o crescimento das bactérias. Além disso, o mel possui o ácido glucônico que contribui para a formação do peróxido de hidrogênio, um poderoso antibactericida.

Bom para problemas respiratórios: Pesquisas mostraram que bactérias causadoras de algumas doenças são sensíveis a ação antibacteriana do mel. Entre esses micro-organismos estão a Haemophilus influenzae, responsável por infecções respiratória e sinusites, Mycobacterium tuberculosis, que leva a tuberculose, Klebsiella pneumoniae e Streptococcus pneumoniae, que causa a pneumonia. Nesse caso, vale a mesma ressalva em relação à dor de garganta. O mel pode ajudar aliviando os sintomas e o desconforto, mas não promove a cura da doença em si. O tratamento dessas doenças, portanto, deve ser indicado por um especialista.

Bom para o intestino: O mel pode ser um importante aliado na manutenção da microbiota intestinal (conhecida como flora intestinal), que são bactérias benéficas que carregamos ali. Contribuindo assim para um melhor trânsito intestinal, a consistência normal das fezes, prevenção de diarreia e constipação.

Com a microbiota boa, quando a pessoa consumir fibras as bactérias do bem transformam as fibras em ácidos graxos de cadeia curta, que impedem que os micro-organismos ruins do intestino invadam a corrente sanguínea e se espalhem pelo nosso corpo, criando uma defesa indireta.

Todos estes benefícios ocorrem porque o mel possui carboidratos não digeríveis e oligossacarídeos que são prebióticos, ou seja, contribuem para a manutenção da microbiota intestinal. Além disso, pesquisas mostraram que bactérias causadoras de algumas doenças são sensíveis a ação antibacteriana do mel. Entre esses microrganismos estão: Escherichia coli, causadora de diarreia e infecções urinárias e Salmonella species, que pode levar a diarreia.

Bom para pele: O mel é rico em antioxidantes, como ácidos fenólicos, os flavonoides e os carotenoides. Por isso, o alimento contribui para a diminuição dos radicais livres e assim previne o envelhecimento precoce e contribui para a pele mais bonita e saudável. O mel pode ser ingerido ou utilizado em cosméticos como sabonetes e cremes.

Ao ser passado na pele algumas pesquisas, entre elas uma da Universidade de Ouagadougou de Burkina Faso, observaram que o mel pode agir como cicatrizante de feridas e em casos de úlceras, queimaduras e abscessos na pele. Os micro-organismo staphylococcus aureus e salmonela typhimurium, ambos causadores de infecções em ferimentos, são sensíveis a ação antibacteriana do mel.

Ação antioxidante: Isto faz com que o mel ajude a diminuir os radicais livres e assim contribua para evitar o envelhecimento celular, proporcionando uma pele mais bonita e saudável e prevenindo doenças como o Alzheimer, cardiovasculares, entres outras.

As substâncias presentes no alimento que proporcionam este benefício são: ácido glucônico, os ácidos fenólicos, os flavonoides, certas enzimas, como a glicose oxidase, catalase e peroxidase, ácido ascórbico, hidroximetilfurfuraldeído e carotenoides.

Diminui os riscos de infecção urinária: Alguns estudos apontaram que bactérias causadoras de certas doenças são sensíveis a ação antibacteriana do mel. Entre esses microrganismos estão a streptococcus faecalis, proteus species e pseudomonas aeruginosa, todas elas podem causar a infecção urinária.

Melhora o sono e ajuda a relaxar: O mel estimula a produção de serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de prazer e bem-estar. O alimento é um carboidrato fonte de triptofano, um aminoácido precursor da serotonina, que é o hormônio responsável por baixar os níveis de estresse do organismo, melhorando o bem-estar. O mel tem uma função importante como regenerador da microbiota intestinal, quando combinado aos lactobacilos presentes no intestino. Sabe-se que mais de 90% da serotonina é produzida no intestino, portanto o mel ajuda a manter a integridade intestinal colaborando com uma melhor regulação neuro-endócrina, com mais serotonina e mais disposição e sensação de prazer.

Quantidade recomendada de mel

O quanto consumir de mel por dia pode variar entre uma colher de chá, cerca de 10 gramas, a uma colher de sopa, aproximadamente 25 gramas. É importante ressaltar que este alimento deve ser inserido em uma dieta saudável.

Como consumir o mel

O mel pode ser utilizado como uma substituição saudável ao açúcar refinado na preparação de bolos, tortas, biscoitos, entre outros doces. Também é interessante consumi-lo com torradas, frutas, iogurtes, sucos e até mesmo na receita de carnes.

Evite o aquecimento em excesso do mel, pois isto pode reduzir a acidez e a umidade do alimento e causar a perda de algumas enzimas, fazendo com que o alimento deixe de ter parte de suas propriedades benéficas. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária orienta aquecer o alimento até no máximo 70 graus.

Mel cristalizado: Por ser uma solução rica em açúcar, quando armazenado em temperaturas abaixo da média da colmeia, que é entre 34 e 35 graus, o mel pode cristalizar. Para que ele volte ao estado líquido sem perder as propriedades nutricionais a orientação é colocar a quantidade a ser utilizada de mel em um pote em banho-maria a 45 graus durante cinco minutos. Deixe a água esfriar com o pote dentro.

Cuidados com a origem do mel: É importante ficar atento para a procedência do mel. Opte sempre pelo produto que tem as informações do fabricante e o selo do Serviço de Inspeção Federal (S.I.F). O S.I.F pertence ao Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal que tem por objetivo normatizar e autorizar a produção e comercialização de todos os alimentos de origem animal no Brasil.

Comparando o mel com outros alimentos

Nutrientes Mel – 25 gramas Melado – 25 gramas Açúcar refinado – 50 gramas Açúcar mascavo – 50 gramas
Calorias 77.25 kcal 74 kcal 193.5 kcal 184.5 kcal
Carboidratos 21 g 19.15 g 49.75 g 47.25 g
Cálcio 2.5 mg 25.5 mg 2 mg 63.5 mg
Magnésio 1.5 mg 28.75 mg 0.5 mg 40 mg
Ferro 0.075 mg 1.35 mg 0.05 mg 4.15 mg
Potássio 24.75 mg 98.75 mg 3 mg 261 mg
Fósforo 1 mg 18.5 mg 0 mg 19 mg

Fonte: Tabela Brasileira de Composição dos Alimentos / Taco – versão 2, UNICAMP.
*Comparação baseada nas quantidades diárias recomendadas de cada alimento. Valores Diários de referência para adultos com base em uma dieta de 2.000 kcal ou 8.400 kj. Seu valores diários podem ser maiores ou menores dependendo de suas necessidades energéticas.

O mel é muito mais saudável para a alimentação do que o açúcar refinado. Enquanto o primeiro possui uma série de substâncias que proporcionam benefícios para o organismo, o segundo é somente fonte de calorias, sem outros nutrientes interessante.

Já o açúcar mascavo não passa pelo processo de refinamento e por isso preserva nutrientes em sua composição. Ele conta com boas quantidades de ferro, importante para evitar a anemia, e potássio, nutriente que participa do processo de equilíbrio da pressão arterial. Além disso, o alimento possui magnésio, fósforo e cálcio. Porém, o alimento não possui as propriedades antioxidantes, antibacterianas e prebióticas do mel.

O melado, que assim como o açúcar refinado e mascavo é derivado da cana de açúcar, é uma outra opção para adoçar, pois não passa pelo refinamento. Assim, ele possui boas quantidades de nutrientes semelhantes aos do mascavo, como o ferro e o potássio. Alguns estudos apontam que o melado é interessante para a prisão de ventre. Contudo, ele também não possui as propriedades antioxidantes, antibacterianas e prebióticas do mel.

Combinando o mel

Mel + cereais: O mel possui ação prebiótica que melhora a microbiota intestinal e os cereais, como aveia, são ricos em fibras. Com a microbiota boa, quando a pessoa consumir fibras as bactérias do bem transformam as fibras em ácidos graxos de cadeia curta, que impedem que os micro-organismos ruins do intestino invadam a corrente sanguínea e se espalhem pelo nosso corpo, criando uma defesa indireta.

Mel com leite é uma ótima combinação para o sono - Foto: Getty Images
Mel com leite é uma ótima combinação para o sono

Mel + leite: A combinação pode ser ótima para melhorar a qualidade do sono, principalmente para quem tem mais dificuldade de desligar o cérebro antes de dormir. A temperatura morna do leite é reconfortante, ajudando o corpo a relaxar. Além disso, o alimento é fonte de triptofano, aminoácido que melhora o bem-estar e prepara para o sono. Já o mel, além de também ser fonte de triptofano, é uma fonte de carboidrato simples, que também ajuda no sono, pois facilita a absorção do triptofano.

Contraindicações

O mel não deve ser consumido por crianças menores de um ano. Isto porque o alimento pode ter clostridium botulunum, bactéria causadora do botulismo. A doença pode causar problemas de saúde sérios como visão dupla e embaçada, fotofobia, tonturas, boca seca, constipação, comprometimento do sistema nervoso (dificuldades para engolir, falar, se mover) e comprometimento dos músculos respiratórios. Esta quantidade de bactéria presente no mel pode ser prejudicial para crianças com menos de um ano porque elas não possuem a microbiota completamente formada. Para os adultos saudáveis esta quantidade de clostridium botulunum não é prejudicial.

Além disso, o mel não é recomendado para pessoas que possuem diabetes. Isto porque este alimento rico em açúcar pode levar a picos de glicemia no organismo. Grávidas também devem ficar atentas ao mel e procurar incluí-lo em uma dieta saudável, a fim de evitar o risco de diabetes gestacional.

Riscos do consumo excessivo

Como o mel é muito calórico e rico em açúcar o consumo em excesso pode causar o ganho de peso. Além disso, grandes quantidades de mel, assim como o açúcar, podem elevar os níveis de glicose no sangue rapidamente, fazendo com que os níveis de insulina aumentem e consequentemente a longo prazo isso pode levar a resistência à insulina que favorece o diabetes tipo 2.

Receitas com mel

Aprenda a fazer bolo de cenoura com mel - Foto: Getty Images
Aprenda a fazer bolo de cenoura com mel

Confira deliciosas receitas que podem ser elaboradas com o mel.
Sanduíche de peru com mel
Bolo integral de cenoura e mel
Suco cítrico de agrião e mel

Fontes consultadas:
Nutrólogo Roberto Navarro (CRM SP 78.392)
Nutricionista Karina Valentim da PB Consultoria em Nutrição

fonte: http://www.minhavida.com.br



Benefícios da Batata Doce


Publicado em: 23/04/2016
 

A batata-doce tem uma excelente capacidade para fornecer energia com carboidratos saudáveis sem elevar muito o açúcar no sangue, sendo, por isso uma excelente opção para quem malha. Além disso, em pequenas quantidades, também pode ser usado por quem está fazendo dieta porque ajuda a diminuir rapidamente a fome.

Veja como fazer a dieta da batata doce para ganhar músculos e emagrecer clicando aqui.

Os principais benefícios da batata doce para a saúde incluem:

  1. Facilitar o aumento de massa muscular porque dá energia para o treino;
  2. Ajudar a controlar a diabetes porque tem baixo índice glicêmico;
  3. Emagrecer pois diminuir o apetite e é rica em fibra;
  4. Fortalecer o sistema imunológico porque tem boa quantidade de vitamina A.
Benefícios da Batata Doce

A melhor maneira de obter todos os benefícios da batata doce na dieta é de forma cozida e com casca. É necessário cuidado com a preparação devendo se evitar fritar pois a fritura vai aumentar a gordura na batata doce prejudicando a saúde.

Batata doce cozida Batata doce assada Batata doce frita
Energia 125,1 calorias 143,4 calorias 368 calorias
Proteínas 1,8 g 1,13 g 2,7 g
Gorduras 0,70 g 0,12 g 14,60 g
Carboidratos 27,90 g 34,47 g 60,10 g
Cálcio 30 mg 28 mg 45 mg
Ferro 0,7 mg 1,38 mg 1,6 mg

Estas quantidades são por 100 g de batata-doce e a batata assada foi enrolada num papel alumínio para assar no forno e por isso não foi adicionada gordura.

A batata-doce tem uma aparência semelhante mas não é batata yacon. Saiba mais sobre batata yacon em: Batata yacon.

fonte: http://www.tuasaude.com