Powered by WP Bannerize

Saúde

É diabético? Saiba como cuidar dos seus dentes e gengivas


Publicado em: 22/02/2018
 

Muita glicose no sangue por um longo período de tempo pode causar problemas em várias partes do corpo, como o coração, os vasos sanguíneos e os rins. Utilize esta página para saber mais sobre problemas dentários e na gengiva causados pela diabetes. Você aprenderá coisas que pode fazer todos os dias e assim evitar outras complicações.

 

 

O que devo fazer no dia a dia para me manter saudável sendo diabético?

•Siga o plano de alimentação que você, com seu médico ou nutricionista traçaram. Faça suas refeições e lanches por volta dos mesmos horários todos os dias;

 

•pratique pelo menos 30 minutos de exercícios todos os dias. Pergunte ao seu médico quais exercícios são indicados para você;

 

•tome a medicação da diabetes nos mesmos horários todos os dias;

 

•verifique a taxa de glicose diariamente. Cada vez que verificar a taxa de glicose no sangue, registre-a em um caderno de anotações. Ligue para seu médico se a taxa estiver muito alta ou muito baixa por dois ou três dias;

 

•verifique todos os dias se há cortes, bolhas, lesões, inchaço, vermelhidão ou unhas doloridas nos pés;

 

•escove os dentes e a gengiva e use o fio dental diariamente;

 

•não fume.

 

Como a diabetes pode afetar meus dentes e gengiva?

Os problemas dentários e gengivais podem acontecer com qualquer um. Uma película pegajosa cheia de germes (também conhecida como biofilme dental) se acumula em seus dentes. A glicose alta no sangue facilita o crescimento de bactérias. Com isso, sua gengiva pode ficar vermelha, dolorida e inchada e pode sangrar quando você escova os dentes. Pessoas com diabetes podem desenvolver problemas dentários e gengivais se a glicose no sangue permanecer alta. A glicose alta no sangue pode piorar os problemas dentários e de gengiva. Você pode até perder seus dentes.

 

Fumar pode aumentar a possibilidade de uma doença mais grave na gengiva, principalmente se você tiver diabetes com 45 anos ou mais. Gengiva vermelha, dolorida e com sangramento são os primeiros sinais de gengivite. Isto pode ocasionar periodontite, uma infecção na gengiva e no osso que dá sustentação aos dentes. Se a infecção piorar, sua gengiva pode retrair, expondo assim a raiz do dente.

 

Como saber se tenho complicações dentárias ou na gengiva?

Se você tiver um ou mais destes problemas você pode ter complicações dentárias ou na gengiva decorrentes da diabetes:

 

•Gengiva vermelha, dolorida ou inchadas;

 

•gengiva com sangramento;

 

•gengiva retraída de forma que seus dentes pareçam longos;

 

•dentes sensíveis ou moles;

 

•mau hálito;

 

•próteses dentárias que não se encaixam bem.

Como manter meus dentes e gengiva saudáveis?

•Mantenha o nível de glicose no sangue o mais normal possível;

 

•use fio dental pelo menos uma vez por dia. Passar o fio ajuda a prevenir o acúmulo da placa entre seus dentes. O biofilme dental pode endurecer, e causar problemas. Fazendo o movimento de serra, cuidadosamente insira o fio entre os dentes, passando de baixo para cima várias vezes;

 

•escove os dentes após cada refeição diariamente. Use uma escova de dente macia. Passe as cerdas da escova na margem da gengiva, escovando delicadamente. Faça pequenos movimentos circulares. Escove a frente, a parte de trás e a parte superior de cada dente;

 

•se usar prótese dentária, mantenha-a limpa;

 

•peça ao seu dentista para ensiná-lo a melhor forma de escovar os dentes e a gengiva e usar o fio dental. Pergunte também sobre a escova de dente e o creme dental mais indicado para você;

 

•ligue imediatamente para seu dentista se tiver qualquer problema bucal;

 

•avise seu dentista se sua gengiva estiver vermelha, dolorida, com sangramento ou retraída; se sentir dor em um dente que possa estar infeccionado; ou dor com o uso da prótese dentária;

 

•vá ao dentista para fazer a limpeza dos dentes e gengiva e um checkup pelo menos duas vezes ao ano;

 

•informe seu dentista se você for diabético;

 

•se for fumante, fale com seu médico sobre formas de parar de fumar.

 

Planeje-se com antecedência. Você pode estar fazendo uso de um medicamento para diabetes que faça com que a taxa de glicose em seu sangue fique muito baixa. A taxa muito baixa de glicose no sangue é chamada de hipoglicemia. Se for o caso, fale com seu médico e dentista antes da consulta para normalizar a taxa de glicose no sangue durante o tratamento dentário. Você poderá ter que levar consigo a medicação para a diabetes e algum alimento para o consultório do dentista.

 

Se sua boca estiver machucada após o tratamento dentário, talvez você não possa ingerir alimentos ou mastigar por algumas horas ou dias. Para obter orientação sobre como ajustar a sua rotina normal, enquanto sua boca está cicatrizando, pergunte ao seu médico:

 

•Que alimentos e bebidas você deve ingerir;

•como alterar sua medicação da diabetes;

•com que frequência você deve verificar a taxa de glicose no sangue.

(msn)



Anvisa proíbe palmito clandestino


Publicado em: 21/02/2018
 

A Anvisa proibiu a fabricação, distribuição e comercialização do produto palmito pupunha da marca Serramar. Com a decisão, todos os lotes do produto fabricado pela empresa Verde Vale Industria e Comercio de Conversas LTDA (CNPJ 76.352.657/0001- 80), estão proibidos em todo o território nacional.

 

A medida, publicada no DOU de 16 de fevereiro, foi adotada considerando que a empresa fabricante não foi localizada no endereço cadastrado na Receita Federal do Brasil e declarado na rotulagem do produto (Rua Ervino Hanemann, 520, Guaramirim/SC), e não está licenciada pela autoridade sanitária local competente. Com informações do Portal Anvisa.

(msn)



Varizes estão ligadas à herança genética, hormônios e obesidade


Publicado em: 16/02/2018
 

Se não tratadas, podem deixar sequelas, algumas graves e fatais

 

É mito, as varizes não são decorrência de uso de saltos altos, nem por cruzar as pernas por longos períodos, muito menos por subir ou descer escadas. Quem garante é o diretor da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV), Daniel Mendes Pinto. Em contrapartida, ele esclarece que essa doença está relacionada à herança genética, que é a principal causa da enfermidade, ao uso de hormônios, em especial anticoncepcional, e à obesidade.

Prevenir e atenuar o surgimento de varizes tem a ver com o uso de meias elásticas e a prática de atividade física. Nesse último caso, o médico recomenda exercícios que priorizam a força muscular na região da panturrilha (vulgo ‘batata da perna’). Daniel destaca que ginásticas desse tipo na água são as mais eficazes, seguidas de musculação, caminhada e corrida. Dependendo, é claro, de avaliação caso a caso.

 

Essas recomendações e esclarecimentos não se trata de alarde. Ao contrário, destaca o médico, tendo em vista que o percentual mundial da doença gira, em média, na casa dos 20% da população adulta. Também de acordo com o especialista, esse índice fica entre 20% e 25% das mulheres. No caso dos homens, entre 15% e 20%.

Daniel explicou ainda que “varizes não matam”, porém deixam sequelas e são janela para outras enfermidades. Ele lista flebite (inflamação venosa), tromboses – que, dependendo da gravidade, podem levar a uma embolia pulmonar e pode ser fatal – e a úlceras (feridas). Isso sem falar no incômodo do inchaço e da dor nas pernas.

As varizes podem causar ardência, dores, sensação de peso e inchaço nas pernas. Em alguns pacientes pode haver mudanças na tonalidade da pele.

GRÁVIDAS

No caso das mulheres gestantes, as varizes podem ser uma ameça se estiver presente a questão genética associada ao excesso de peso. Esse último fator aumenta consideravelmente a compressão do útero sobre a região pélvica. O médico reforça a recomendação de controle do peso, atividade física e uso de meias, que, conforme ele, as mais indicadas para todos os pacientes, não só gestantes, são as que vão até os joelhos.

 

Arquivo Pessoal

A novidade dos últimos três anos, segundo o especialista, são os remédios livres do efeito colateral da gastrite. “Também estão mais eficazes”, assevera Daniel. De acordo com o médico, o tratamento indicado vai depender dos sintomas. No caso de veias pequenas, as escleroterapias são as mais indicadas. Veias grandes, a prescrição é a cirurgia.

No caso da escleroterapia, há desde aplicação de remédios para redução do calibre das veias, passando por laser, radiofrequência, para secar os vasos, resultado que também pode ser obtido no tratamento com espumas, que é um tipo de medicamento assim denominado.

Daniel alerta que os pacientes de varizes não devem adiar o tratamento. Ele lembra que dores crônicas podem levar a quadro de depressão e outras alterações de humor, que, por sua vez, levam à baixa produtividade e/ou pouca ou nenhuma sociabilidade dos enfermos.

CIRURGIA NO SUS

Apesar disso, levantamento realizado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) aponta que a fila para cirurgia de varizes no SUS é a maior entre as cirurgias eletivas em três estados dos 16 que encaminharam a demanda para o Sistema Único de Saúde (SUS). Minas Gerais lidera a estatística, seguido por Mato Grosso do Sul e Paraná. Em Minas, são 31.440 pacientes aguardando; no Mato Grosso, 4.787; e no Paraná, 1.359.

De acordo com Daniel Botelho, dependendo da doença, o paciente corre risco de agravamento do quadro, o que aumenta o potencial de complicações quando a cirurgia for realizada. “No caso específico das varizes dos membros inferiores, principalmente nas fases mais avançadas da doença, a população permanece com queda da qualidade de vida determinada pela doença, com elevado índice de afastamento do trabalho e riscos determinados pelo agravamento progressivo do quadro clínico”, afirma.

 



Caminhar emagrece, reduz desejo por doce, combate depressão e mais: veja benefícios


Publicado em: 12/02/2018
 

Simples de realizar, de impacto quase zero e sem custos, a caminhada é uma das melhores atividades para garantir proteção contra doenças e até mesmo perder peso. Conheça os benefícios para a saúde física e mental que você pode conquistar se caminhar regularmente:

 

Benefícios da caminhada para a saúde

caminhada dedos sapatos 0817 400x800 © Piti Tangchawalit/shutterstock caminhada dedos sapatos 0817 400×800

 

 

1. De acordo com um estudo feito com 33 mil pessoas e publicado pela revista Stroke, mulheres que caminharam mais de três horas por semana apresentaram 43% menos riscos de ter um derrame em comparação com aquelas que não praticavam nenhuma atividade.

 

2. Uma pesquisa realizada pela Universidade da Califórnia, EUA, com 6 mil voluntários, descobriu que uma simples caminhada já pode reduzir substancialmente o risco de Alzheimer, já que atividade física tem sido associada a uma melhor capacidade mental em pessoas mais velhas.

 

3. A prática regular da caminhada pode funcionar até mesmo como um remédio natural contra os sintomas de depressão, uma vez que, durante a atividade, ocorre liberação de endorfina, hormônio responsável pela sensação de bem-estar e relaxamento.

 

caminhada corrida jovem © Yeko Photo Studio/shutterstock caminhada corrida jovem

 

4. Caminhar pode ainda ajudar a controlar diabetes, pois a insulina (substância responsável pela absorção de glicose) é produzida em quantidade maior durante a prática. Isso ocorre porque o esforço físico estimula a circulação sanguínea e a atividade do pâncreas e do fígado.

 

5. Ao contrário do que muita gente imagina, quem sofre de osteoporose só não pode como deve praticar caminhada. A movimentação do corpo e o impacto dos pés no solo promovem estímulos elétricos que aumentam a absorção de cálcio e, consequentemente, fortalecem os ossos. Neste caso, no entanto, a atividade deve ser orientada por um profissional.

 

6. Segundo um trabalho científico da Universidade de Exeter, Inglaterra, caminhar por apenas 15 minutos por dia diminui drasticamente a vontade de comer chocolates e controlar a compulsão alimentar. Isso porque a atividade provoca sensação de bem-estar parecida com a que o doce libera no organismo.

 

caminhada corrida emagrecer 117 400x800 © solar22/Shutterstock caminhada corrida emagrecer 117 400×800

 

7. Além de melhorar a capacidade respiratória, reduzir problemas cardiovasculares e combater compulsão por doces, andar ainda pode ajudar a emagrecer. Porém, a caminhada só contribui para a perda de peso quando respeitadas regras relacionadas a velocidade, tempo e regularidade.

 

8. A caminhada ainda pode ajudar a parar de fumar. Segundo um estudo feito pela Universidade de Exeter com 140 pessoas viciadas em cigarro, um curto período de atividade física de intensidade moderada, como caminhar, reduz os sintomas de abstinência, fator que mais dificulta o abandono do tabagismo.

 

(msn)



Mirtilo: o que é e quais são seus benefícios


Publicado em: 09/02/2018
 

O mirtilo ou blueberry é uma fruta capaz de melhorar os níveis de colesterol, açúcar no sangue, inflamação e muito mais!

O mirtilo, fruta cujo nome científico é Vaccinium myrtillus L., é uma das fontes naturais mais ricas de antocianinas. Esses componentes são os responsáveis pela cor azul do mirtilo, o que confere alta quantidade de antioxidantes à fruta. Acredita-se que as antocianinas sejam os principais bioativos responsáveis ??pelos benefícios do mirtilo para a saúde. Embora seja mais conhecido por melhorar a visão, tem havido relatos de que o mirtilo ajuda a abaixar o nível de açúcar no sangue, tem efeitos anti-inflamatórios, ajuda a controlar o colesterol ruim e reduz o estresse oxidativo. Portanto, o mirtilo é uma ótima opção para o tratamentos alternativos e prevenção de condições associadas à inflamação, problemas com o colesterol, excesso de açúcar no sangue, aumento do estresse oxidativo, doenças cardiovasculares (DCV), câncer, diabetes, demência, entre outras doenças relacionadas à idade. Há também relatos de que o mirtilo possui atividade antimicrobiana. Isso tudo de acordo com um estudo publicado pela plataforma National Center for Biotechnology Information.

 

Mirtilo

O mirtilo nasce em arbustos de baixo crescimento, originários do norte da Europa, mas atualmente pode ser encontrado em partes da América do Norte e da Ásia. Conhecido também como mirtilos ou blueberry (em inglês), o mirtilo costuma crescer em florestas de coníferas úmidas, e seu desenvolvimento é favorecido por solos moderadamente úmidos. O mirtilo é uma fruta pequena (5-9 mm de diâmetro), de cor preta azulada, com muitas sementes e pode ser consumido com segurança quando usado adequadamente. O consumo diário indicado varia de 20 a 60 gramas por dia de frutos secos e de 160 a 480 miligramas de extrato em pó.

 

Propriedades

Efeitos antioxidantes

As antocianinas presentes no mirtilo conferem ao fruto poderosas propriedades antioxidantes. Entretanto, embora as antocianinas sejam potentes antioxidantes em estudo feitos in vitro (e o mirtilo fresco é uma fonte rica de antocianinas) não se pode presumir que todos os produtos comerciais de mirtilo contêm quantidades significativas de antocianinas ou que as antocianinas absorvidas agem diretamente como antioxidantes in vivo.

 

Efeitos contra o câncer

Estudos feitos in vitro demonstraram que as antocianinas do mirtiloprevinem o câncer por meio da atividade antioxidante, que pode ajudar a proteger o DNA contra danos oxidativos. No entanto, os estudos observaram que as doses utilizadas para estudos in vitro são muito superiores aos valores que podem ser alcançados no interior das células por meio da ingestão normal.

 

Efeitos cardio-protetivos

Estudos realizados com mirtilo mostraram que o consumo da fruta tem potencial de melhorar os níveis colesterol ruim. Além disso, foram observados efeitos potencialmente antitrombóticos e anti-hipertensivos, que se caracterizam como efeitos cardioprotetores.

 

Efeitos anti-inflamatórios

A inflamação é um mecanismo de proteção, mas a inflamação crônica aumenta o estresse oxidativo e está associada a muitas doenças relacionadas à idade, incluindo doenças cardiovasculares e câncer. Muitos estudos sugerem que as antocianinas, os compostos fenólicos predominantes encontrados no mirtilo, têm efeitos anti-inflamatórios. Um estudo mostrou diminuição dos níveis inflamatórios de 31 indivíduos que tomaram 330 mL/dia de suco de mirtilo por 4 semanas.

 

Efeitos hipoglicêmicos

Devidos à sua capacidade hipoglicêmica (capacidade de reduzir o nível açúcar no sangue), o mirtilo é utilizado para reduzir os sintomas da diabetes. Em uma pesquisa feita com 685 italianos, o mirtilo ficou em quarto lugar na lista de remédios herbais recomendados para a melhoria do controle glicêmico, o que significa que a fruta contribui para prevenção e controle da diabetes tipo 2, que é uma doença associada ao aumento do estresse oxidativo, inflamação, dislipidemia (distúrbio nos níveis de lipídios e/ou lipoproteínas no sangue), doenças cardiovasculares, câncer e perda de visão por catarata e retinopatia (doença na retina).

 

Efeitos oculares

O mirtilo é bastante conhecido por tratar distúrbios oculares. Estudos mostram que a fruta proporciona efeitos benéficos para condições oculares como a catarata, a retinopatia, a degeneração macular (perda de visão no centro do campo visual, devido a danos na retina) e visão noturna.

 

A perda de visão relacionada à idade, principalmente devido à catarata senil e à degeneração macular, afeta a qualidade de vida de praticamente todas as pessoas idosas. A retinopatia diabética é altamente prevalente naqueles que tiveram diabetes por 10 ou mais anos e é uma das principais causas de cegueira nos países desenvolvidos. Há evidências suficientes de estudos realizados com animais e pequenos ensaios em humanos que garantem que o mirtilo pode ajudar a resolver problemas clínicos relacionados à idade avançada e perda de visão relacionada ao diabetes.

 

Efeitos neuroprotetivos

O fenômeno das doenças degenerativas relacionadas à idade que conduzem ao declínio cognitivo é muito comum. O acidente vascular cerebral, desencadeado principalmente por hipertensão ou trombose, é uma das principais causas de morte e incapacidades. Os efeitos vasodilatadores e anti-inflamatórios do mirtilo podem ter efeitos significativos em relação à preservação da cognição e função neuromotora, pois diminui o risco de acidente vascular cerebral hemorrágico e trombótico.