Notícias

Oncologia – Prefeito recebe diretores da Santa Casa e do Hospital do Câncer


Publicado em: 07/12/2017
 

Dando sequencia ás conversas iniciadas no início desse ano,  quando a Prefeitura, a Santa Casa e o Hospital do Câncer Dr. José Figueiredo buscaram em conjunto soluções para a manutenção e melhoria do tratamento oncológico em Patrocínio, aconteceu nesta quarta-feira (6) na sala de reuniões do gabinete, uma nova reunião onde novas definições foram alcançadas.

 

O Presidente do Hospital do Câncer, Thiago Miranda, explicou que em que pese a grande solidariedade e humanidade dos patrocinenses que ajudam de todas as maneiras o hospital, o quadro financeiro da instituição não vive seus melhores dias. Isto porque o hospital, que realiza diversos tipos de tratamentos e cirurgias, funciona de forma conveniada ao Centro Oncológico Az do Noroeste de Patos de Minas e em virtude do grande número de atendimentos este convênio já está extrapolando inclusive o extra-teto de recursos financeiros disponíveis.

 

Diante da problemática, a diretoria do HC Dr. José Figueiredo apresentou uma alternativa que remete a uma verba remanescente da pactuação 2017, que pode ajudar a reverter em curto prazo à questão financeira do hospital. Deiró imediatamente acionou o Secretário de Saúde Humberto Donizete Ferreira, para levantar as possibilidades de reversão desta verba ao Hospital do Câncer de Patrocínio, se prontificando a buscar inclusive em Belo Horizonte e Brasília o apoio necessário para tanto.

 

Bebé ainda endossou o empenho do Prefeito, buscando adequações orçamentárias para possibilitar o aumento no número de exames cedidos ao Hospital do Câncer pela Prefeitura, buscando transformar nosso Hospital em um centro de referência de prevenção contra o câncer.

Prefeitura Municipal de Patrocínio



Corpo de homem de 30 anos desaparecido em Monte Carmelo é encontrado em porta malas na área rural


Publicado em: 06/12/2017
 

MONTE CARMELO (MG) – Estava desaparecido de sua residência em Monte Carmelo, há 09 dias,  Kelarquian Marques, o Kian,  de 30 anos. Ele foi visto pela última vez no domingo, 26 de novembro, no Bairro Costa do Sul. Depois de horas do desaparecimento, familiares fizeram o registro policial.

 

Infelizmente ele foi encontrado morto no porta malas de seu veículo VW Gol placas JGZ-0061 de Monte Carmelo, no final da tarde dessa terça-feira, dia 05/12.

 

Foi usado um drone nas buscas que ajudou a localizar o veículo que estava escondido no matagal na área rural daquela cidade, próximo a um cafezal na Fazenda Araras, onde o proprietário relatou aos militares que recebeu informações de que havia um veículo abandonado em meio a plantação do local e usou o drone nas buscas.

O mais provável, segundo os primeiros levantamentos, é que ele tenha sido assassinado e deixado no local.

Foi realizado contato com a perícia técnica científica, que compareceu ao local e realizou seus trabalhos de praxe. Segundo informações dos peritos, em primeiro momento, não foi possível averiguar se há sinais de violência na vítima, devido ao avançado estado de decomposição. O corpo humano encontrado foi reconhecido por familiares que compareceram ao local, como sendo a vítima Kalarquian, ora desaparecido.

 

Segundo relatos de parentes de Kalarquian, o tampão traseiro e os autofalantes do veículo foram subtraídos.

 

 



Delegado morre durante curso de operações especiais da Polícia Civil


Publicado em: 06/12/2017
 

Corporação ainda não informou qual exercício ele fazia no momento da morte e se ele foi vítima de um ataque cardíaco

 

O delegado da Polícia Civil Fernando Marins Pinheiro, de 37 anos, morreu nesta terça-feira (5) durante um teste físico para participar do Curso de Operações Especiais, promovido pela Academia de Polícia Civil (Acadepol) de Belo Horizonte.

 

Em nota, a corporação lamentou a morte de Pinheiro e disse que o delegado apresentou atestado médico e exames que o autorizavam a ser submetido ao esforço físico proposto no teste e durante o curso. A Polícia Civil não informou, no entanto, qual exercício ele fazia no momento da morte e se ele sofreu um ataque cardíaco.

 

“A Chefia da Polícia Civil e todos os seus servidores estão extremamente consternados com essa fatalidade e aproveita a oportunidade para solidarizar-se com a família. A instituição perdeu um excelente profissional, mas seus servidores perderam não só um grande colega de trabalho, mas, também, um amigo”, diz o comunicado.

 

Pinheiro trabalhava na Delegacia Especializada de Investigação a Furtos e Roubos de Veículos Automotores (DEIFVRA) do Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran-MG), no Barro Preto, na região Centro-Sul de Belo Horizonte.

 

Sobrecarga de trabalho

Segundo o presidente do Sindicato dos Servidores da Polícia Civil de Minas Gerais (Sindpol-MG), Denilson Aparecido Martins, a associação vai acompanhar as investigações sobre o que causou a morte do delegado. Ele adianta, contudo, que Pinheiro, assim como outros servidores da corporação no Estado, estava com uma sobrecarga de trabalho.

 

“Vamos acompanhar o desenrolar das apurações, esperar os laudos médicos. A saúde do trabalhador é uma das premissas que o sindicato defende”, ressalta Martins. “O que já posso dizer é que de fato existe uma sobrecarga de trabalho. A profissão exige uma concentração permanente, em tempo integral, e o delegado Fernando Marins Pinheiro trabalhava em uma das delegacias de ponta de Belo Horizonte, onde são realizadas diversas operações contra o crime organizado, haja vista a quantidade de furtos e roubos de carros em todo o Estado”, completa.

 

O presidente do sindicato ainda explicou que Pinheiro faria parte de um grupo batizado de Core (Coordenadoria de Recursos Especiais), criado para investigar grandes esquemas relacionados a roubos e furtos de veículos. “Sem dúvida ele estava fazendo uma preparação para um curso muito puxado. Mas posso assegurar que a Polícia Civil submete todos os servidores a uma bateria de exames para diagnosticar a saúde física e mental”, encerrou.

(O Tempo)

 



Cármen Lúcia dá 48 horas para tribunais informarem salários


Publicado em: 06/12/2017
 

SÃO PAULO. A ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), cobrou dos presidentes dos Tribunais de Justiça (TJs) o cumprimento da determinação para o envio ao CNJ dos dados referentes à remuneração dos magistrados de todo o país. O ultimato, com um prazo de 48 horas, foi dado em reunião na última segunda-feira e vence nesta quarta-feira (6). Nessa terça-feira (5), após a pressão, mais Cortes encaminharam suas planilhas. Ao todo, 24 dos 90 tribunais brasileiros – entre TJs e Tribunais Federais, Eleitorais, Militares e do Trabalho – entregaram os holerites de seus magistrados.

“Eu entreguei a todos uma planilha no dia 20 de outubro. Até hoje, não recebi as informações de novembro e dezembro”, queixou-se a ministra, durante a reunião na sede do Supremo. “Espero que em 48 horas se cumpra essa determinação do CNJ para que eu não tenha que acioná-los oficialmente”, completou.

Segundo a ministra, a demora na entrega das informações pode passar para a sociedade a impressão de que os tribunais estão agindo de “má-vontade”. “Quero terminar o ano mostrando para a sociedade que não temos nada para esconder”, afirmou.

A ministra disse que testou pessoalmente algumas páginas eletrônicas dos tribunais para verificar o nível de transparência das informações e que ficou “horrorizada” quando teve que passar por 18 cliques em um dos sites. “Tem tribunal dificultando, e isso não pode acontecer”, advertiu.

O CNJ colocou à disposição dos Tribunais de Justiça uma planilha para uniformizar as informações. Nela os tribunais devem especificar os valores relativos a subsídio e eventuais verbas especiais de qualquer natureza, para divulgação ampla. “Eu preciso desses dados para mostrar que nem todo extrateto é uma ilegalidade. Não compactuamos com ilegalidades. Sem isso, fica difícil defender”, disse Cármen Lúcia.

A ministra explicou que existem extratetos (valor que ultrapassa o teto) que são permitidos, como o pagamento de uma diária, de uma verba em atraso ou de uma ajuda de custo, e que essa informação deve ser de conhecimento público. “E não adianta não mandar porque ou se cumpre a lei e não se corre nenhum risco, ou isso vai estourar de forma cada vez pior”, completou.

Caso os 66 tribunais restantes não cumpram a determinação de Cármen Lúcia até esta quarta-feira (6), eles podem ser punidos por não fornecerem dados de pagamentos a juízes e desembargadores. Segundo o jornal “O Globo”, o CNJ ainda encontra dificuldade para obter essas informações – mesmo quatro meses depois de uma portaria obrigar os tribunais a enviá-las com mais transparência.

De acordo com a resolução, o tribunal que não cumprir a determinação será alvo de investigação a partir de um procedimento de “correição especial”, ou seja, uma quebra de sigilo. A determinação é que os tribunais informem no mês corrente os pagamentos referentes ao mês anterior.

Balanço. Na Justiça Estadual, dos 27 TJs, já encaminharam: Amazonas, Espírito Santo, Minas Gerais, Roraima, Pará, Paraná, Rio Grande do Norte e Pernambuco. Na Justiça Federal, apenas o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (São Paulo e Mato Grosso do Sul) mandou informações.

Na Justiça Eleitoral, foram encaminhados ao CNJ os dados de: Alagoas, Piauí, Amapá, Santa Catarina, São Paulo, Rio Grande do Norte e Pará. Em relação à Justiça do Trabalho, os tribunais de sete regiões – de um total de 24 – encaminharam os dados solicitados. O Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo foi o único do segmento militar a enviar suas informações ao CNJ até essa terça-feira (5).

(O Tempo)



Após troca de tiros homem um homem morre e outro fica ferido em Matutina


Publicado em: 06/12/2017
 

No final da tarde desta terça-feira (05/12) em Matutina, um homem de 58 anos faleceu, após ser baleado em frente a sua residência. O crime ocorreu por volta das 17h35. A vítima Joaquim Luiz de Souza chegou a ser socorrida, porem não resistiu e morreu no Hospital Municipal de Matutina. Os autores responsáveis pelos disparos foram encontrados e presos pela PM próximos à cidade de São Gotardo.  Uma arma de fogo também foi apreendida.

 

Segundo informações da Polícia Militar de Matutina e São Gotardo, a vítima estava em sua residência, quando foi surpreendida por dois homens, sendo que um deles portava um revólver calibre 38 e efetuou vários disparos contra a vítima. Ainda de acordo com a PM, a vítima teria reagido ao crime, alvejando um dos autores. Em seguida os homens teriam evadido sentido à São Gotardo. Joaquim chegou a ser socorrido e encaminhado para o Hospital Municipal de Matutina, mas não resistiu aos vários ferimentos e faleceu.

 

Durante rastreamento, os militares localizaram um veículo com os autores do crime e uma arma de fogo. Eles estavam próximos ao perímetro urbano da cidade. Um dos suspeitos estava ferido por dois disparos de arma de fogo, feitos pela vítima durante o tiroteio. O autor do crime foi encaminhado para o Pronto Socorro Municipal de São Gotardo e transferido para o Hospital Regional em Patos de Minas. A arma de fogo que estava em posse dos homens também foi apreendida.

 

O outro suspeito do crime foi encaminhado para a delegacia de plantão de Patos de Minas.

(Diego Oliveira – sgagora)