Powered by WP Bannerize

Notícias

Travesti é baleado em Patos de Minas


Publicado em: 08/10/2018
 

Uma travesti de 21 anos foi vítima de um disparo de arma de fogo na noite deste sábado (06-10). O crime aconteceu na orla da lagoinha e o suspeito de ser o autor do disparo, um menor de 15 anos, foi apreendido pela Polícia Militar. Na casa do suspeito, os militares localizaram um revólver, munições, balança de precisão e droga.

 

A Polícia Militar recebeu a informação que uma pessoa havia levado um tiro na mão e que a mesma já tinha sido socorrida para o Hospital Regional. No local, os militares constataram que a vítima seria uma travesti de nome “ Andressa “ e que o autor do disparo foi um menor de 15 anos que mora na Rua João Pessoa no Bairro Lagoinha.

 

Imediatamente, os militares foram na casa e abordaram o menor. Os militares fizeram uma varredura e encontraram na casa um revólver calibre 22, nove munições, uma balança de precisão e cerca de 200 gramas de maconha.

 

Em conversa com os militares, a vítima e o autor apresentaram versões diferentes dos fatos. O menor confessou o crime e disse que ao encontrar com o travesti houve uma discussão a qual o travesti queria manter relação sexual com ele. Durante o desentendimento, o menor sacou a arma e efetuou um disparo, vindo a atingir o pulso da mão direita da vítima.

 

Já o travesti disse que eles combinaram de se encontrarem na orla da lagoa e que sem motivo, começaram uma discussão e houve o disparo por parte do menor. Diante dos fatos, o menor foi detido e acompanhado da mãe, foi levado para a delegacia de Polícia Civil e os materiais localizados apreendidos.

(POnoticias)



Com 64.910 votos, Dr. Hely é único candidato eleito de Patos de Minas e irá para o 7° mandato


Publicado em: 08/10/2018
 

Dos cinco candidatos que disputaram as eleições, apenas um conseguiu sair vitorioso.

 

Patos de Minas vai continuar tendo um único representante na Assembleia Legislativa. Dos cinco candidatos que disputaram as eleições, apenas um conseguiu sair vitorioso. Candidato pelo PV, Dr. Hely teve 64.910 votos e foi reeleito para o 7° mandato como deputado estadual.

Doutor Hely acompanhou a apuração dos votos de seu comitê na rua Doutor Marcolino. Feliz e aliviado com mais uma vitória, ele agradeceu o apoio da população e prometeu continuar trabalhando pelos menos favorecidos.

 

Na disputa para o cargo de deputado federal, o resultado das urnas foi ainda mais frustrante. Nenhum dos quatro candidatos da cidade conseguiu votos suficientes para ocupar uma cadeira na Câmara dos Deputados.

 

 

VEJA TAMBÉM



Greyce Elias é eleita deputada federal; confira a votação dos candidatos de Patrocínio


Publicado em: 08/10/2018
 

Greyce Elias teve 37,620 votos, 0,37% válidos, foi a terceira mais votada do Avante e foi ELEITA. Será a única a representar Patrocínio, na Câmara Federal.

 

Greyce Elias é advogada, foi vereadora, e na última eleição municipal, candidata a Prefeita, obteve um bom desempenho, com33.03% dos votos válidos, total de 15,527 votos, ficando na segunda colocação.

 

É filha de Marta Elias (ex-vereadora) e de Elias Abrão, tem os irmãos Hilda, Fred e Nicholas.

 

Silas Brasileiro, teve 27.326 votos, 0,25%, foi o nono do MDB e NÃO foi eleito, deputado federal.

 

Escritor Wilson Mello, teve 1.855 votos, 0,02% dos votos válidos, o 13 dos Patriotas e NÃO foi eleito.

 

CANDIDATOS A DEPUTADOS ESTADUAIS

Gustavo Brasileiro com 28.997, 0,29% votos válidos, o terceiro mais votado dos Patriotas, NÃO foi eleito.

 

Marcilene Jacinto teve 13,990 votos, 0,14 % dos votos válidos e a 11 mais votada do PHS e NÃO foi eleita.

 

Ana Paula Dornelas, teve 1.051, 0,01 % dos válidos votos válidos e NÃO foi eleita.

 

Agente Penitenciário Macedo do PPL, teve 1.106 votos, 0,01% dos votos válidos e NÃO foi eleito.

 

Rosymeire Malagoli do PC do B, teve 410 votos, e NÃO foi eleita.

 



Eleiçoes 2018 – Tudo o que você precisa saber para o dia da votação


Publicado em: 06/10/2018
 

Quais documentos levar? Qual a ordem dos candidatos? Vai ter Lei Seca? Confira as respostas para estas e outras dúvidas

 

 

Quem é obrigado a votar?

O voto é obrigatório para todas as pessoas entre 18 e 70 anos. O voto não é obrigatório para pessoas entre 16 e 18 anos e a partir dos 70 anos, eleitores que não estiverem no seu domicílio eleitoral no dia da eleição, pessoas que não sabem ler e escrever, eleitores doentes, servidores públicos que estejam trabalhando no dia da eleição.

 

 

 

 

 

Saiba onde você vai votar

O TRE-MG mudou algumas zonas eleitorais. Foram extintas 45 zonas em Minas, de um total de 351. Em Belo Horizonte, foram alterados 24 locais de votação das zonas eleitorais 26ª, 27ª, 29ª, 30ª, 32ª, 33ª, 37ª, 38ª e 333ª, o que afeta cerca de 95 mil eleitores. As regiões que tiveram mais alterações foram a Noroeste e a Leste.

 

 

 

 

Confira aqui para conferir o endereço de onde você deve votar. Outra opção é ligar para o Disque-Eleitor (148) ou baixar o aplicativo e-Título. Veja como usá-lo no vídeo abaixo.

 

 

 

 

 

 

Qual a ordem de votação?

O primeiro cargo a aparecer na tela da urna é o de deputado federal. Em seguida vêm deputado estadual, senador (duas vezes), governador e, por último, presidente.

 

 

 

 

Como é o voto para senador?

Este ano, os eleitores deverão votar em dois candidatos para o cargo de senador em 2018, seguindo a regra prevista na Constituição da República de renovação do Senado de quatro em quatro anos por um e dois terços alternadamente. Isso significa que em 2014 foi eleito um senador, este ano serão eleitos dois, em 2022 será eleito um, e assim sucessivamente. Os dois mais bem votados serão os eleitos.

 

 

 

É possível votar só com o RG (carteira de identidade)?

Sim. Se o eleitor não estiver com o seu título em mãos e não tiver nenhuma pendência com a Justiça Eleitoral, é permitido votar só com o RG. Mas, para votar sem o título, é preciso saber qual é a sua zona eleitoral e a sua seção eleitoral. Também é possível votar com passaporte, carteira de trabalho, carteira de motorista, carteira de categoria profissional e certificado de reservista.

 

 

 

 

O que PODE na hora de votar?

Demonstrar a sua preferência por um candidato ou partido com o uso de bandeiras, broches, bótons ou adesivos. Mas a manifestação deve ser silenciosa e individual.

 

 

 

No caso das camisas dos candidatos, a Corregedoria do TRE-MG orientou os juízes eleitorais do estado sobre a aplicação do artigo 39-A, da Lei 9.504/97, esclarecendo que é permitido, no dia da votação, manifestação do eleitor pelo candidato de sua preferência por meio de vestuário, desde que a conduta seja espontânea, individual e silenciosa.

 

 

 

No dia da eleição, o eleitor pode votar de bermuda e chinelo. Também é permitido votar descalço.

 

 

 

 

 

Levar para a urna de votação um papel com os números dos candidatos anotados. O eleitor terá de digitar 19 algarismos este ano, além da tecla Confirma. Por isso, a Justiça Eleitoral recomenda que o eleitor leve os números anotados.

 

 

 

É permitida a fiscalização do partido ou da coligação durante a votação na seção eleitoral.

 

 

 

 

É permitido consumo de bebida alcoólica no dia das eleições?

Das 6h às 18h do domingo (7 de outubro), bares e restaurantes estão proibidos de vender ou distribuir bebidas alcoólicas em Minas Gerais. A chamada Lei Seca consta em resolução conjunta da Secretaria de Estado de Segurança Pública. Se houver segundo turno, a norma vai vigorar também no mesmo horário em 28 de outubro.

 

 

 

 

O que NÃO pode fazer no dia da eleição?

Concentração de pessoas, até o fim da votação, com camisas padronizadas, bandeiras, broches, bótons e adesivos de candidatos ou de partidos.

 

 

 

Utilização de alto-falantes ou amplificadores de som.

 

 

 

É proibido votar sem camiseta ou usando traje de banho, como sunga, biquíni ou maiô.

 

 

 

Realização de comícios ou carreatas.

 

 

 

Oferecer alimentos ou transporte a eleitores. Tentar convencer o eleitor a votar em um candidato ou a não votar. A pena é de reclusão de até 4 anos e pagamento de multa, além da cassação do registro de candidatura ou diploma de eleito, se for candidato.

 

 

 

Distribuir qualquer tipo de propaganda eleitoral, como santinhos ou panfletos. Fazer boca de urna ou propaganda. Pena de detenção de seis meses a um ano e pagamento de multa.

 

 

 

Impedir que um eleitor vote. Pena de reclusão de 4 a 6 anos e pagamento de multa.

 

 

 

Usar celular, máquina fotográficas, filmadoras ou outro dispositivo que prejudique o sigilo do voto.

 

 

Realização de debates na TV e no rádio ou transmissão de propaganda eleitoral.

 

 

 

Venda de bebidas alcoólicas das 6h às 18h.

 

 

 

Como justificar a ausência do voto?

Há duas formas de justificar a ausência:

No dia da votação: preenchendo o formulário de justificativa e entregando a qualquer mesário de uma seção eleitoral.

Depois da eleição: preenchendo o formulário de justificativa em qualquer cartório eleitoral ou posto de atendimento ao eleitor em até 60 dias após a votação. Para ficar em dia com a Justiça Eleitoral, vá ao cartório eleitoral em que estiver inscrito e pague a multa pelas ausências não justificadas. O valor da multa é de cerca de R$ 3,51 por turno.

 

 

 

 

 

Quem não votou na última eleição pode votar?

O eleitor pode votar caso não tenha votado, no máximo, duas vezes, contando cada turno como uma vez. Essa regra é válida para quem não votou e também não justificou a ausência. Se o eleitor não votou, mas justificou a ausência, poderá votar normalmente. É importante saber que o eleitor que não vota e não justifica a ausência em três turnos seguidos corre o risco de ter o título de eleitor cancelado.

 

 

 

O eleitor deficiente é obrigado a votar?

Sim. Em regra, os eleitores que têm alguma deficiência devem votar normalmente. Em alguns casos, o eleitor pode ser dispensado de votar, especialmente se o deslocamento até a seção eleitoral não for possível ou for muito difícil. Para ser liberado da obrigação, é preciso fazer um pedido ao juiz eleitoral e comprovar o motivo com a apresentação de documentos. O eleitor com deficiência também tem direito a pedir a transferência para uma seção eleitoral de fácil acesso ou pedir atendimento da sua necessidade especial. Esses pedidos precisam ser feitos por escrito no cartório eleitoral.

 

 

 

O eleitor pode faltar ao trabalho para votar?

Sim. O Código Eleitoral define que o direito de voto deve ser garantido a todos os cidadãos e que impedir um eleitor de votar é crime eleitoral. Por isso, os chefes devem organizar a escala de trabalho de todos os funcionários que trabalham no dia das eleições para garantir que todos tenham tempo para ir votar.

 

 

 

Na fila, quem tem prioridade?

Terão preferência para votar os candidatos, os juízes eleitorais, seus auxiliares, os servidores da Justiça Eleitoral, os promotores eleitorais, os policiais militares em serviço, os eleitores maiores de 60 anos, os enfermos, os eleitores com deficiência ou com mobilidade reduzida, as mulheres grávidas, as lactantes, aqueles acompanhados de criança de colo e obesos.

 

 

 

Entre as pessoas que terão prioridade para votar, será considerada a ordem de chegada à fila de votação, com exceção dos idosos com mais de 80 anos, que terão preferência sobre os demais eleitores independentemente do momento de sua chegada.

 

 

 

Como é o voto com biometria?

O eleitor que cadastrou os seus dados biométricos na Justiça Eleitoral apresentará ao mesário um documento de identificação e, em seguida, terá sua identidade confirmada por meio de suas impressões digitais dos dedos polegar e indicador. O procedimento poderá ser repetido até quatro vezes.

 

 

 

 

Em Minas, eleitores de Betim, Contagem, Uberaba e Uberlândia que não fizeram o cadastro biométrico até 9 de maio e tiveram os títulos cancelados não poderão votar este ano.

 

 

 

O calendário eleitoral

 

6 de outubro (sábado)

Último dia para carreata, passeata, uso carro de som e distribuição de material de campanha

 

7 de outubro (domingo)

Votação em 1º turno, das 8h às 17h

 

12 outubro (sexta-feira)

Início da propaganda eleitoral para o 2º turno

 

26 outubro (sexta-feira)

Fim do horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão para o segundo turno

 

27 outubro (sábado)

Fim do horário eleitoral para carreata, passeata, uso carro de som e distribuição de material de campanha

 

28 de outubro (domingo)

Votação em 2º turno, das 8h às 17h

 

(estado de Minas)



Temporada de chuvas começa agora: seu para-raios está funcionando?


Publicado em: 06/10/2018
 

Brasil é campeão mundial em descargas atmosféricas. Na chegada do período chuvoso, fique atento aos sistemas de proteção para evitar acidentes e mortes.

 

A temporada de chuvas começa este mês e se prolonga até março. Nesse período, ocorrem fortes tempestades, acompanhadas de rajadas de vento, trovoadas, granizo e raios. Por sua localização geográfica, o Brasil é o campeão mundial em descargas atmosféricas. De acordo com dados do Grupo de Eletricidade Atmosférica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o Brasil registrou nos últimos seis anos média de 77,8 milhões de raios por ano. Eles trazem uma série de riscos para pessoas, animais, equipamentos, estruturas e instalações, podendo causar prejuízos e até matar. O país contabiliza em média 130 mortes e mais de 200 feridos por ano.

 

Os síndicos e moradores de edifícios devem ficar atentos ao funcionamento do SPDA (Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas) ou para-raios, para evitar acidentes. E em muitos casos esses problemas acabam acontecendo em edificações onde se acreditavam estarem protegidas, devido à má instalação do equipamento, à falta de vistoria ou de manutenção periódica.

 

Conselheiro do Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia (Ibape-MG), o perito de engenharia Frederico Correia Lima Coelho conta que a Norma 5.419/2015 sugere a inspeção visual do equipamento feita anualmente por um engenheiro eletricista. Por meio dessa norma se estabelecem regras importantes para a implementação do para-raio, definidas por meio de cálculos e pesquisas. Entretanto, o especialista orienta que essa inspeção também seja feita no momento em que ocorra a vistoria predial e que o morador peça ao profissional que vistorie também o SPDA, não de forma visual, mas técnica. “Essa vistoria é importante, pois com o tempo a resistência de terra pode mudar, por exemplo”, orienta Coelho.

 

De acordo com o diretor do Ibape-MG, Dilvar Oliva Salles, somente um engenheiro poderá saber com precisão o tipo de projeto de para-raio que deve ser instalado na edificação ou como manter o equipamento funcionando adequadamente. “O profissional habilitado verificará a resistência de aterramento, através de medição, as condições de conservação da estrutura das descargas atmosféricas e a estrutura de condução destas descargas até o aterramento”, detalha.

 

A má instalação do SPDA pode implicar em sérios danos, como a fratura da edificação, a perda de uma parte da estrutura do imóvel e a queima de aparelhos eletroeletrônicos. Apesar da montagem irregular do SPDA poder causar danos nesses equipamentos, ele não os protege dos raios, pois a sua função é captar a carga atmosférica e elevar até o solo. Nesses casos, o mais indicado é instalar o aparelho conhecido como DPS (Dispositivo de proteção contra surtos). Esse equipamento é capaz de evitar qualquer tipo de dano proveniente de surtos (descargas atmosféricas, entre outros).

(estado de minas)