Powered by WP Bannerize

Notícias

Homem mata a ex mulher a golpes de faca em Serra do Salitre


Publicado em: 01/07/2018
 

Serra do Salitre/MG – No dia 30, por volta de 16h50min a Polícia Militar foi acionada e compareceu à rua Colômbia, bairro Nações, onde havia ocorrido um homicídio.

 

O envolvido F.B.S.P. de 36 anos disse que estava no interior da residência, quando ouviu gritos vindos da parte externa e ao verificar constatou que o autor G.S. de 48 anos estava agredindo a vítima Geovana Souza Viana Castro de 49 anos, sua ex-amásia com uma faca, tendo a golpeado por diversas vezes.

Em seguida, o autor G.S. tentou sair do local com a faca em punho, quando o envolvido F.B.S.P. atingiu-o com uma pedra, provocando uma fratura na perna direita, impossibilitando a fuga do autor.

 

No local, os militares perceberam que a vítima Geovana já se encontrava sem os sinais vitais, sendo o local isolado e preservado até a chegada do perito Vantuil, que após trabalhos de praxe, liberou o corpo para a funerária Santa Terezinha.

 

O autor G.S. foi socorrido ao pronto socorro pela ambulância e posteriormente encaminhado para o Hospital Regional em Patos de Minas, sob a escolta de uma viatura de Cruzeiro da Fortaleza, onde permanece sob escolta.

 

O autor G.S. negou os fatos, dizendo que o autor do homicídio seria F.B.S.P.. Contudo, conforme relato das testemunhas arroladas no REDS, o autor dos fatos é mesmo G.S.

(Patrocinioonline)



Inaugurado novo acesso ao Bairro Enéas Ferreira de Aguiar


Publicado em: 01/07/2018
 

A manhã desse sábado (30) foi de muita festa. Aguardada há anos pelos moradores, a nova ponte que duplica a ligação entre os Bairros Jardim Ipiranga e Eneas Ferreira de Aguiar foi inaugurada com direito a pipoca, pula-pula, muita diversão e a presença de autoridades, servidores, moradores e vários veículos da imprensa local.

 

Em seu discurso, o Prefeito Deiró Marra reafirmou o compromisso do Governo Municipal em melhorar a mobilidade em todos os Bairros de Patrocínio e enalteceu o trabalho de todos os responsáveis pela construção da estrutura “É um marco histórico a entrega dessas obras, é um dia de muito orgulho para nós, principalmente por sabermos que hoje estamos conseguindo realizar esse grande sonho de todos nós patrocinenses, o Bairro Enéas tem uma nova porta de acesso, muito bonita e bem sinalizada, mas o mais importante é que essa é só a primeira obra que estamos entregando aqui na região, já fizemos o compromisso de construir a avenida que vai ligar o Morada Nova ao Jardim Sul, e também a recuperação e canalização do córrego Rangel que já será licitada, são grandes realizações acontecendo”  disse.

 

Jorge Marra, secretário municipal de Obras Públicas se disse muito feliz em poder inaugurar uma obra que representa tanto para a cidade “O que mais alegra a gente é ver a população em peso aqui hoje prestigiando, isso é o que nos estimula a continuar trabalhando, digo sempre que temos que trabalhar por todos, principalmente por quem precisa mais, e é isso que nós vamos estar sempre fazendo, belas obras e melhorias para a cidade, sempre fazendo o que precisa ser feito“ afirmou Jorge.

 

Sobre o novo nome da ponte “José Maria Ferreira (Zé da Roma)” o presidente da Câmara Municipal, vereador Thiago Malagoli, autor da Lei que denomina a obra, relembrou com saudade o grande servidor municipal que dedicou mais de duas décadas a servir a população de Patrocínio  “Fico muito feliz de estar aqui hoje inaugurando essa ponte tão importante para a nossa cidade, principalmente por ter tido a oportunidade de homenagear um homem que foi tão importante para essa cidade, dedicado no trabalho e na vida, uma pessoa especial que para sempre vai ser lembrada” disse o vereador.

 

Construída com recursos próprios pelo Governo Municipal, por meio da Secretaria Municipal de Obras Públicas, a nova ponte é uma antiga reivindicação dos moradores e vai promover mais mobilidade a toda região, facilitando o acesso aos bairros adjacentes.

 

Além da nova ponte, a antiga rotatória do local foi totalmente reformada para receber o maior fluxo de veículos,  tendo suas pistas refeitas (incluindo intervenções no subleito, permitindo uma melhor drenagem e aumentando a durabilidade da obra) e alargadas (passando de 7 para 10 metros) o que irá garantir mais fluidez ao trânsito do local,  por onde  milhares de pessoas passam diariamente. Além da reforma da pista, a nova rotatória também recebeu nova iluminação e paisagismo.

Prefeitura Municipal de Patrocínio



Família que tem 15 pessoas com 6 dedos, nas mãos e nos pés


Publicado em: 30/06/2018
 

Brasilienses ficaram conhecidos na última Copa quando Brasil também buscava hexa. Mutação genética foi herdada de advogado que ajudou a fundar Clube do Choro no DF

 

Com seis dedos nas mãos e nos pés, os 15 membros da família Silva viraram uma espécie de “amuleto de sorte” da seleção brasileira em Brasília. Desde o Mundial em 2014 eles decidiram aproveitar a variação genética para incentivar o Brasil rumo à conquista do sexto título mundial.

“Hexa nós já somos, falta agora o Brasil correr atrás do dele. Mas dessa vez vai.”

A história dos Silva foi revelada durante a Copa do Mundo no Brasil e, à época, ganhou repercussão internacional. Desde então, nasceu mais um Silva com seis dedos e eles são procurados para dar palpites sobre a seleção e também para falar sobre a mutação genética.

A anomalia – termo médico para a diferença – começou com um dos pioneiros de Brasília, Francisco de Assis Carvalho da Silva, já falecido. Conhecido como “Six”, ele era advogado e músico. Ganhou notoriedade por causa do dedo extra e também por ser um dos fundadores do Clube do Choro, um espaço tradicional da música em Brasília (veja mais abaixo).

Agora vai

Membros da família da Silva que tem 6 dedos nas mãos posam para uma foto em Brasília (Foto: Joedson Alves/Reuters)

Membros da família da Silva que tem 6 dedos nas mãos posam para uma foto em Brasília (Foto: Joedson Alves/Reuters)

Apesar da conquista do hexa não ter ocorrido na Copa de 2014, os Silva dizem estar confiantes que dessa vez o Brasil conquista a Copa. “O hexa tem que sair, estamos confiantes. A seleção está muito boa”, diz a administradora Silvia dos Santos Silva.

Para o primeiro jogo do Brasil, no domingo (17), a família se reuniu em um condomínio em Águas Claras. Eles torceram junto com amigos que “infelizmente nasceram só com cinco dedos”, brincam.

Em homenagem ao hexa – o da família e o que a seleção busca – cada um dos Silva vestiu uma camisa com o número 6. Nesta sexta (22), prometem repetir o ritual e apostam na vitória.

“Pelo menos, 2 a 0 a favor da seleção brasileira.”

Entre os jogadores preferidos, eles listam Neymar e Marcelo. “Acho que é melhor seleção dessa Copa do Mundo, diferente da outra [2014]”, afirma o estudante João Assis, de 18 anos.

João Assis, de 18 anos, mostra mão com seis dedos (Foto: Vianey Bentes/TV Globo)

João Assis, de 18 anos, mostra mão com seis dedos (Foto: Vianey Bentes/TV Globo)

Seis dedos

A variação genética que fez 15 dos 22 membros da família Silva nascer com seis dedos nas mãos e nos pés é a polidactilia. Sílvia, filha de Francisco de Assis Carvalho da Silva, conta que dos quatro filhos do músico, três – incluindo ela – nasceram com seis dedos.

Netos e bisnetos herdaram a anomalia e dizem estar acostumados a lidar com olhares curiosos de quem percebe, mas não entende, a “marca da família”, como cita a advogada Ana Carolina Silva.

“Muita gente presta a atenção, vê que tem algo de diferente na mão, mas não entende. Outras pessoas não têm coragem de perguntar.”

Ana Carolina explicou que por ter a mão maior do que a média das pessoas, costuma ouvir com frequência brincadeiras sobre o dedo extra. “A clássica é se na manicure eu pago mais caro”.

Sorrindo, ela já emenda a resposta, “digo que não, porque lá se paga pela mão e pelos pés feitos”. Mas tem uma excessão.

“Para fazer a unha decorada é mais caro, cobram por quatro dedos a mais, nas mãos e nos pés.”

Aceitação e adaptação

Os Silva dizem que aprenderam a ver e conviver com a mutação genética. Na “família hexa” as crianças são ensinadas desde pequenas a valorizar a diferença. Maria Morena, de 12 anos, toca piano desde os 10 e lembra que o professor precisou adaptar as técnicas para ensiná-la a usar o instrumento.

A recomendação dada pela mãe da menina foi a de sempre usar o dedo nos exercícios. “É um dedo funcional, tem que usar”. Maria conta que assim que aprendeu as técnicas sentiu que ter o “dedo extra” tornava o movimento “mais fácil”.

“Consigo alcançar mais teclas do que a maioria das pessoas e ter mais agilidade entre as notas”.

Durante a escrita, a administradora Sílvia dos Santros Silva segura caneta entre o segundo e terceiro dedo (Foto: Marília Marques/G1)

Durante a escrita, a administradora Sílvia dos Santros Silva segura caneta entre o segundo e terceiro dedo (Foto: Marília Marques/G1)

 

Práticas do dia a dia também, foram adaptadas. Silvia, por exemplo, na hora de escrever segura a caneta entre o segundo e o terceiro dedo. Eles encontraram até um jeito de expressar o número 5 com as mãos. Ao invés de mostrar a mão completa, costumam dobrar um dos dedos.

Agora, quando vão apontar algum objeto, às vezes causam um certo incômodo. Silvia explica que a família usa dedo do meio, que desempenha a função de indicador. “Mas gera confusão”, diz ela.

“Acham que estamos fazendo ‘aquele gesto’.”

 

Dedo 'extra' do estudante Bernardo Assis está entre o polegar e o que seria o 'segundo dedo' (Foto: Marília Marques/G1)

Dedo ‘extra’ do estudante Bernardo Assis está entre o polegar e o que seria o ‘segundo dedo’ (Foto: Marília Marques/G1)

Na escola, os mais jovens da família também aprenderam a naturalizar a condição. Com seis dedos também nos pés, os meninos dizem lidar bem com a situação, apesar de evitarem usar sandálias de dedo, que normalmente “não ficam bem”.

Entre as meninas, a família optou por retirar um dos dedos do pé ainda quando são bebês. O motivo, além de estético, é a dificuldade em encontrar sapatos femininos mais largos, feitos para quem tem seis dedos.

'Família hexa' junta as mãos durante encontro da família (Foto: Marília Marques/G1)

‘Família hexa’ junta as mãos durante encontro da família (Foto: Marília Marques/G1)

Interesse científico

O dedo que dá aos Silva o título de “hexa” está localizado entre o polegar e o indicador. O movimento de pinça, normalmente usado para segurar objetos é feito com ele, que tem um papel funcional no corpo.

Na medicina, segundo explicam os membros da família, há poucos registros pessoas nesta mesma condição. Devido à transferência hereditária da polidactilia para tantos parentes, dois membros da família Silva – o estudante João, de 18 anos, e a administradora Sílvia foram chamados para um estudo em uma universidade alemã.

Na Europa, os dois passaram por testes de força, responderam a questionários e fizeram exames para descobrir qual a região do cérebro é ativada quando movem o “dedo extra”. Até esta quinta (21), o resultado ainda não tinha sido divulgado. Quando houver uma conclusão, o estudo será replicado em pessoas que perderam o movimento de algum membro, por exemplo.

No DF não é possível estimar o quão frequente é a característica de um sexto dedo com uma função evidente, mas, segundo especialistas, é possível dizer é que “entre 3% e 5% dos bebês nascem com algum defeito congênito, e que os dedos a mais são os mais recorrentes”.

A alteração genética está ligada à hereditariedade e, ao contrário do que muitas pessoas acreditam, não há fatores externos que possam desencadeá-la. O mais comum é que a pessoa nasça com apenas um dedo a mais em cada membro, mas há casos em que a mutação vem acompanhada de lábio leporino ou de doenças no coração.

Embora geralmente os dedos a mais funcionem bem, a cirurgia para extraí-los costuma ser recomendada. O tratamento é oferecido pela rede pública do DF, mas a mudança nas mãos não chega nem a ser cogitada pela família Silva.

Fonte G1



Após passeio na Gruta Santo Reis três vítimas são assaltados e amarrados em árvore na Serra do Cristo


Publicado em: 30/06/2018
 

Em Patrocínio, nesta sexta-feira (29/06), por volta das 11h39, a PM foi acionada e segundo informação anônima, haviam 03 indivíduos em meio a vegetação na Serra do Cristo, os quais teriam sido assaltados e amarrados.

 

No local, os militares se depararam com os 03 indivíduos (Homens de 27, 33 e 40 anos), ambos descalços e com as cordas que foram utilizadas para amarrá-los. As vítimas relataram que estavam no veículo Corsa Classic, de cor prata, placas HOF-6527, na entrada da gruta, momento em que foram abordados por 02 indivíduos em uma motocicleta, sendo que um estava com uma camiseta tampando o rosto e o outro estava de capacete, ambos armados, um com revólver e outro com pistola.

 

Anunciaram assalto, colocando duas das vítimas no porta-malas e outra no interior do veículo e subiram em direção ao Cristo, deslocando até um local ermo, vindo a amarrar as vítimas em troncos de árvores, evadindo a seguir tomando rumo ignorado.

 

Os autores levaram além do veículo, dinheiro, telefones e documentos pessoais das vítimas.

(Patrocinionoticias)



Detran define prazo para o licenciamento de veículos em 2018; veja


Publicado em: 30/06/2018
 

O Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran/MG) definiu que o documento deve ser regularizado pelos proprietários de placas com final 1, 2, 3,4 e 5, até 30 de junho. Já para os finais 6,7,8, 9 e 0, o prazo é 31 de julho

Os motoristas devem ficar atentos aos prazos para renovar o Certificado de Registro de Licenciamento de Veículos (CRLV) deste ano. O Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran/MG) definiu que o documento deve ser regularizado pelos proprietários de placas com final 1, 2, 3,4 e 5, até 30 de junho. Já para os finais 6,7,8, 9 e 0, o prazo é 31 de julho. Vale lembrar, que conduzir veículo que não esteja registrado e devidamente licenciado é considerado infração gravíssima. Além de perder sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH), o condutor tem que pagar multa de R$ 293,47, e o automóvel é removido.

 

O veículo é considerado licenciado, segundo o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), somente depois que o  Imposto de Propriedade de Veículo Automotor (IPVA), o Seguro Obrigatório, o  Licenciamento e multas, são quitados. Segundo o Detran, somente em Minas Gerais, há mais de 9,2 milhões de veículos registrados e em condições para serem licenciados. Porém, ainda há pendências em aproximadamente 53% dos automóveis.

Os pagamentos dos tributos pode ser realizado nas redes bancárias credenciadas ou, ainda, por meio de parcelamento em cartão de crédito nos postos credenciados ao Detran-MG. O órgão ressalta que se o documento não chegar após o prazo máximo estipulado, os donos de veículos devem fazer a consulta no sistema do Departamento para verificar se há algum impedimento.

 

O CRLV será enviado para o proprietário por meio dos Correios, com Aviso de Recebimento (AR), assim que os débitos forem quitados. Após três tentativas de entrega não realizadas, o documento será encaminhado para a Unidade de Atendimento Integrado (UAI), nos municípios onde existem estes postos. Nas demais cidades, o documento fica disponível ao proprietário do veículo nas Delegacias de Trânsito.

Os proprietários que não receberem o documento, podem consultar a situação do veículo no site do Detran.

(estado de minas)