Notícias

Criança sofre traumatismo craniano após ser agredida e abusada por namorado da mãe


Publicado em: 13/12/2017
 

Na noite desta segunda-feira (11), uma mulher de 34 anos foi presa por suspeita de conivência e um ex-detento de 47 anos foi preso por suspeita de estupro de vulnerável no município de Patrocínio.

 

Uma enfermeira do Pronto Socorro Municipal acionou a Polícia Militar informando que uma moça havia dado entrada com o filho de cinco anos, alegando que as múltiplas lesões no corpo da criança haviam sido causadas após ela ter caído de um banco.

 

 

 

No local, os militares foram informados pelo médico de plantão que a criança apresentava afundamento no crânio e fratura na coluna. Além de uma possível fratura no pé direito e arranhões nos dedos do pé, que caracterizam que a criança possa ter sido arrastada.

 

A vítima foi diagnosticada ainda com politraumatismo crânio encefálico e crise convulsiva. O plantonista sugeriu também que a criança possa ter sofrido algum tipo de abuso sexual, devido a lesões encontradas próximas ao ânus e pênis.

 

Em conversa com a mãe da criança, Iara Aparecida Cândido, 34, os militares foram informados que ela e o filho haviam viajado de Uberaba para Patrocínio na última sexta-feira (08), no intuito de encontrar-se com o namorado com quem estava saindo nos últimos oito meses.

 

No relato, Iara afirmou que no sábado (09), sentiu dores nas costas e foi até o pronto socorro. Ao retornar notou que o filho estava calado e apresentava lesões pelo corpo. O namorado informou-lhe que a criança havia caído sob um prato de comida e se ferido.

 

Durante a abordagem policial, demonstrando estar nervosa e apreensiva, após tomar conhecimento do quadro grave de saúde do filho, Iara confessou aos militares que o namorado havia agredido o filho.

 

Os policiais se deslocaram até a residência de Domingo Alves, de 47 anos, que relatou que a moça havia trago o filho de Uberaba já lesionado, entrando em conflito com a versão dada pela namorada.

 

No interior da casa os militares notaram que os pertences do suspeito estavam embalados, como se ele estivesse pretendendo fugir ou mudar de endereço. Domingos e Iara foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Civil.

 

No local, Iara confirmou que o filho foi agredido pelo namorado e que mesmo após banhá-lo, o filho permaneceu calado e estático. Na mesma data suspeitou de um possível abuso sexual devido às lesões próximas às partes íntimas.

 

Conivente com a situação, Iara não levou o filho ao hospital e somente na segunda-feira à noite decidiu procurar atendimento médico, após a criança começar a sofrer convulsões devido à gravidade das lesões.

 

Foi dada voz de prisão a Domingo Alves por lesão corporal de natureza gravíssima e estupro de vulnerável, assim como para Iara Aparecida Cândico pela coautoria em tentar encobrir o ato criminoso do parceiro e pela omissão de socorro.

 

O suspeito Domingos Alves possui passagens por estupro consumado e cumpriu pena de sete anos. Ele havia deixado à penitenciária em fevereiro de 2017 e encontrava-se em liberdade condicional.

 

Membros do Conselho Tutelar compareceram ao Pronto Socorro e em conversa com o médico de plantão foram informados de que a criança foi encaminhada em estado gravíssimo e inconsciente para um hospital na cidade de Uberlândia.

Texto: Caio Machado e fotos Igor Nunes/parceiro POL



Acusado de estuprar menina de 9 anos em Patos de Minas é localizado pela polícia


Publicado em: 13/12/2017
 

O suspeito de ter estuprado uma garotinha de 9 anos, prestou esclarecimentos na Delegacia Civil em Patos de Minas, na tarde desta terça-feira (12). O homem de 37 anos é marido da tia da menina e foi localizado no trabalho. O estupro teria ocorrido no dia 6 de dezembro.

 

Segundo o Cabo Heverton, na semana passada militares do policiamento escolar tomaram conhecimento do fato através de terceiros, relatando que a criança teria sido vítima de estupro. De posse das informações os policiais acionaram o Conselho Tutelar, que entrou em contato com a menina. A pequena garotinha contou para uma conselheira que o crime sexual foi cometido pelo marido de uma tia. A agressão foi constatada através de um exame de corpo de delito.

 

Nesta terça-feira (12) a Polícia foi acionada pelos conselheiros, para que fosse feito o registro formal do fato. Até então o suspeito não tinha sido localizado devido a falta de informações que levassem ao seu paradeiro. Na tarde de hoje a PM recebeu denúncias anônimas dando conta de que Ricardo Alexandre pinto, 37 anos, estava trabalhando em um ferro velho que fica próximo a cidade de Lagoa Grande.

 

Com a identificação, ele foi convidado a comparecer na delegacia para prestar esclarecimentos sobre o caso. Ricardo negou ter cometido o crime. No entanto, segundo a PM, a criança disse para o conselho tutelar que o homem lhe ofereceu dinheiro, para que ela não contasse o ocorrido.

 

Além disso, um primo da menina afirmou ter presenciado o ato e contou para a mãe, que levou o fato ao conhecimento dos pais da vítima. Ainda conforme o Cabo Heverton, o pai da menor chegou a indagar Ricardo a respeito do estupro, que negou a autoria. No dia ele foi expulso da casa e do convívio com a família.

 

Por não estar em flagrante, Ricardo foi ouvido pelo delegado e liberado. O depoimento colhido será encaminhado para a Justiça que deverá determinar quais as medidas serão tomadas.

(Patos Já)



Homem morre após ser pisoteado por boi na zona rural de Presidente Olegário


Publicado em: 13/12/2017
 

Um homem morreu depois de ter sido pisoteado por um boi na manhã desta terça-feira (12/12), em uma fazenda localizada na região de Chapadão de São Pedro, zona rural de Presidente Olegário. Ele chegou a ser socorrido por funcionários da fazenda, mas acabou não resistindo aos ferimentos.

 

A vítima foi identificada como sendo Martin Serafim Cruzeiro. De acordo com informações, “Martinho” como era conhecido foi ajudado por colegas de trabalho, seneo que já no perímetro urbano de Presidente Olegário, próximo a “Represinha” a vítima foi transferida para uma ambulância do SAMU, mas acabou não resistindo aos ferimentos.

 

O corpo de Martinho foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Patos de Minas, para identificar as causas da morte. A vítima teve diversos esmagamentos pelo corpo e não chegou dar entrada no Hospital Regional, uma vez que já se encontrava sem os sinais vitais.

(Hamilton Amorim)



Hospital Regional diz que só atenderá vítimas de traumas via regulação, SAMU ou Bombeiros


Publicado em: 13/12/2017
 

Após reclamação de pacientes que foram internados na UPA do Jardim Peluzzo e que não conseguiram transferência para o Hospital Regional, a Assessoria de Comunicação do Regional enviou uma nota nesta terça-feira (12) informando que só vai atender vítimas com traumas que chegarem ao hospital via Central de Regulação, Corpo de Bombeiros e SAMU.

 

O comunicado diz que a decisão aconteceu em uma reunião com a Promotoria da Justiça, Superintendência Regional de Saúde/MG e HRAD. Segundo a assessoria, o objetivo seria desafogar o Regional que atende pacientes de 33 municípios, para que atenda prioritariamente os casos de urgência e emergência da região.

Pacientes que procuraram a UPA do Jardim Peluzo com traumas relataram que tiveram que dormir em cadeiras à espera de atendimento no Hospital regional. O Secretário Municipal de Saúde, José Henrique Nunes Borges, e que os casos estão sendo regulados e aqueles de tratamento na UPA estão sendo atendidos normalmente.

 

O secretário havia dito que era o Hospital Regional que não estava recebendo os pacientes em situações mais complexas. Várias pessoas já entraram em contato com o Patos Hoje e reclamaram da nova forma de atendimento iniciada no dia 1º de Dezembro.

 

Confira a nota na íntegra:

O Hospital Regional Antônio Dias (HRAD) é referência em urgência e emergência para 33 municípios da Região Ampliada Noroeste, o que compreende uma população de mais de 700.000 habitantes. Nos últimos anos, o hospital vinha atendendo também casos de menor complexidade e, em sua maior parte, oriundos de Patos de Minas. Para se ter uma ideia, até então, 86% dos atendimentos do P.A da unidade, 58% das internações e 53% dos procedimentos cirúrgicos do HRAD eram exclusivamente de casos do próprio município.

 

Considerando que esta unidade é um hospital regional, com o objetivo de retomar sua missão e restabelecer o atendimento adequado aos casos vindos das outras cidades da Região Ampliada Noroeste, ficou pactuado, em reunião entre os 33 municípios, Promotoria da Justiça, Superintendência Regional de Saúde/MG e HRAD, que os pacientes vítimas de trauma seriam encaminhados ao Hospital via Central de Regulação, Corpo de Bombeiros e SAMU, a partir do dia 1º de dezembro de 2017.

 

Assim, o Fluxo de Atendimento aos Pacientes Vítimas de Trauma – cirurgia geral e ortopedia –  foi alterado para que o HRAD se dedique, prioritariamente, aos casos de urgência e emergência da Região Ampliada Noroeste. Os casos não caracterizados como urgência e emergência são de incumbência do município e devem ser atendidos na UPA.

 

Salientamos que após 12 dias de implantação do novo Fluxo, já evidenciamos melhoras significativas na resolutividade de procedimentos cirúrgicos da Cirurgia Geral, de forma que não há, no momento, pacientes na lista de espera SUS- Fácil para serem regulados para o HRAD.

 

A despeito disso, ressaltamos que o HRAD tem trabalhado no contínuo aperfeiçoamento do serviço. Exemplo disso é a implantação do gerenciamento de leitos na unidade, visando maior rotatividade e tornando assim o atendimento mais célere e resolutivo.

(Patoshoje)



TJMG nega liminar e médico segue preso; defesa aguarda julgamento de mérito de habeas corpus


Publicado em: 13/12/2017
 

A 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais negou o pedido de liminar para libertar o médico Gustavo Alberto Magalhães Pinto, 42 anos, preso no último dia 29 de novembro acusado de estupro de vulnerável que seria de um menino de 11 anos (o processo corre em segredo de justiça). A confirmação da negativa de liminar é do advogado de defesa Fabrício Oliveira Santos.

 

Com isso, Gustavo permanece preso na Penitenciária Regional de Patrocínio.

 

O advogado explicou que não é comum uma das sete câmaras do TJMG conceder liminar e explica que aguarda o julgamento do mérito do habeas corpus que pede a soltura do suspeito. O TJMG entra em recesso no fim do ano e Fabricio Santos reconhece ser difícil, mesmo apesar de seus esforços para antecipar a pauta, que que o julgamento ocorra antes.

 

O advogado explicou também que o habeas corpus será julgado por três desembargadores, ao contrário da liminar quando só um juiz da 3ª Câmara Criminal do TJMG fez o julgamento.

 

À época da prisão, a delegada Ana Cláudia Passos em entrevista explicou que as investigações duraram cerca de um mês e a Polícia Civil colheu depoimentos e indícios para representar pela prisão preventiva do médico psiquiatra, que foi acatada pelo Ministério Público e Poder Judiciário.

(redehoje)