Powered by WP Bannerize

Meio Ambiente

Semana do Meio Ambiente tem inicio nesta terça-feira (5)


Publicado em: 05/06/2018
 

A partir de hoje, 5 de junho, o Governo Municipal, através da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, realiza diversas atividades que marcam a I Semana Municipal de Meio Ambiente que conta com a parceria do CODEMA e da Polícia Militar de Meio Ambiente.

 

Segundo informa o Secretário Municipal de Meio Ambiente, Caio Marcos Veloso, a semana tem como objetivo conscientizar a população sobre os principais problemas ambientais, apontando alternativas sustentáveis de melhoria do meio ambiente, visando sua preservação.

 

Entre as ações, que acontecem de 5 a 10 de junho, estão previstas palestras, oficinas, blitz educativa, exposição e a premiação do concurso de frases e do mascote da campanha.

 

A cerimônia de abertura acontece na Esplanada do Museu Professor Hugo Machado da Silveira, nessa terça-feira, às 9h, seguida da abertura da mostra que ficará em exposição durante toda semana no primeiro pavimento do Museu.

 

A noite, a partir das 19h30,  integrando as atividades da Semana, acontece no Auditório do UNICERP, uma palestra sobre Regularização Ambiental de Propriedades Rurais com José Vitor de Resende Aguiar, ex-superintendente regional de Meio Ambiente, e Bruno Neto de Ávila, coordenador regional do IGAM.

 

Confira a programação completa e participe!



Desertificação


Publicado em: 19/05/2018
 

A desertificação é um fenômeno em que ocorre o processo de intensificação das áreas secas, propiciando assim, a formação de desertos.

 

Causas e Consequências

A desertificação é um fenômeno natural ocasionado por consequências ambientais, as quais acarretam diversos problemas sociais, econômicos e culturais.

 

Ao empobrecer o solo ele se torna estéril tal qual num deserto, o que implica na impossibilidade de desenvolver qualquer tipo de flora e fauna no local, transformando-se assim, numa terra infértil, improdutiva.

 

As regiões mais afetadas pelo processo de desertificação são geralmente as zonas áridas, semiáridas e subúmidas secas.

 

Além dos fatores naturais, a ação humana tem intensificado muitos os processos de desertificação. O acelerado desmatamento, queimadas e o uso intensivo e inadequado do solo são os principais fatores intensificadores da desertificação, os quais levam a uma considerável perda da biodiversidade.

 

Assim, o solo fica desprotegido e será atingido pelas intempéries, as quais levam muitas vezes, ao problema da erosão.

 

Nesse sentido, as populações que vivem nesses locais muito áridos, deixam a região uma vez há uma grande salinização do solo, nas áreas com vegetações que apresentam baixa capacidade de regeneração.

 

Como consequência da diminuição da produção de alimentos tem-se o aumento da fome e da pobreza.

Desertificação

 

Desertificação no Mundo

Vale destacar que no mundo, muitas regiões têm sido afetadas pela desertificação, por exemplo: a África (sul), a América do Sul (oeste e sudoeste dos Estados Unidos), Ásia (Oriente Médio e noroeste da China), a Oceania (Austrália).

 

Segundo pesquisas, anualmente cerca de 60 mil km2 de terras no mundo são afetadas pelos processos de desertificação.

 

Desertificação no Brasil

Atualmente, diversas regiões do Brasil estão sendo atingidas pelo processo de desertificação sobretudo, a região nordeste denominada de “sertão” e nos estados do Piauí, Ceará, Pernambuco, Rio Grande do Norte.

 

Além dessas regiões que apresentam altas temperaturas e enorme aridez, outros biomas brasileiros são afetados pela desertificação, a saber: Pampas Gaúchos e o Cerrado do Tocantins. Esse processo tem se expandido para regiões como Minas Gerais e o norte do Mato-Grosso.

(todamateria)



Queimadas em lotes vagos geram altas multas


Publicado em: 11/05/2018
 

Antecipando a “Semana do Meio Ambiente” que acontece de 05 a 08 de junho, o Governo Municipal através da Secretaria Municipal de Meio Ambiente vem intensificando as informações a comunidade a Lei número 4.905 de 02 de junho de 2017, que “veda a realização de queimadas em lotes urbanos no município de Patrocínio e dá outras providências”. Com o objetivo de coibir esse tipo de ação, o prefeito Deiró Marra, emitiu Decreto número 3.479 de 10 de abril de 2018 que, “trata da defesa e do recurso contra a aplicação de penalidade, determinando o recolhimento de multas e parcelamento de débitos”.

Autor e proprietário

O primeiro artigo da Lei diz claramente que fica proibida a realização de queimada em lotes urbanos localizados no município. Segundo ainda as determinações da mesma lei, o autor da queimada e o proprietário poderão incorrer em multa de R$950,58, o que representa o valor de 2,5 UFM (Unidade Financeira Municipal). O Secretário Municipal do Meio Ambiente, engenheiro Agrônomo, Cai Veloso, salienta que, tanto o autor quanto o proprietário, poderão ser penalizados com a multa definida pelo projeto de lei.

 

Campanha

Uma grande campanha de conscientização da comunidade esta sendo preparada pela Assessoria de Imprensa da Prefeitura Municipal, prevista para ser lançada ainda esse mês, com vários outdoors, panfletos, spots, blitz’s educativas, mostra na Esplanada do Museu “Hugo Machado da Silveira” além de palestras na UNICERP e rede municipal e estadual de ensino. As palestras serão ministradas por oficiais da Polícia Militar Ambiental, José Vitor de Resende Aguiar da SUPRAM (Superintendência Regional de Regularização Ambiental e Bruno Neto de Ávila do IGAM (Instituto Mineiro de Gestão das Águas), adiantou o Secretário Caio Veloso.

ASCOM/Prefeitura Municipal de Patrocínio – União e Trabalho



22 de março – Dia Mundial da Água


Publicado em: 22/03/2018
 

O Dia Mundial da Água foi instituído pela ONU em 22 de março de 1992 e visa à conscientização da população a respeito dessa valiosa substância.

 

A água é  essencial para a nossa sobrevivência, portanto, sua proteção é fundamental
A água é essencial para a nossa sobrevivência, portanto, sua proteção é fundamental

Sabemos que a água é um recurso essencial para a sobrevivência de todos os seres vivos. Ela atua mantendo nosso corpo hidratado, ajuda no transporte de substâncias, funciona como solvente, regula a nossa temperatura, participa de reações químicas, entre várias outras funções.

Apesar de o nosso planeta ser repleto de água, estima-se que apenas 0,77% esteja disponível para o consumo humano em lagos, rios e reservatórios subterrâneos. Vale destacar, no entanto, que essa quantidade não está distribuída igualmente por todo o território, consequentemente, existem locais onde esse recurso é considerado bastante valioso. Em virtude dessa desigualdade de distribuição, em várias regiões ocorrem verdadeiros conflitos por água.

Foto: Ievgen Sosnytskyi / Shutterstock.com

Além da escassez de água em algumas regiões, enfrentamos ainda o problema da baixa qualidade. A poluição causada pelas atividades humanas faz com que a água esteja disponível, porém não esteja própria para o consumo. Estima-se que 20% da população mundial não tenha acesso à água limpa e, segundo a UNICEF, cerca de 1400 crianças menores que cinco anos de idade morrem todos os dias em decorrência da falta de água potável, saneamento básico e higiene.

Diante da importância da água para a nossa sobrevivência e da necessidade urgente de manter esse recurso disponível, surgiu o Dia Mundial da Água. Essa data, comemorada no dia 22 de março, foi criada em 1992 pela Organização das Nações Unidas (ONU) e visa à ampliação da discussão sobre esse tema tão importante.

No dia 22 de março de 1992, a ONU, além de instituir o Dia Mundial da Água, divulgou a Declaração Universal dos Direitos da Água, que é ordenada em dez artigos. Veja a seguir alguns trechos dessa declaração:

1– A água faz parte do patrimônio do planeta;

2-A água é a seiva do nosso planeta;

3– Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados;

4– O equilíbrio e o futuro de nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos;

5– A água não é somente herança de nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores;

6– A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo;

7– A água não deve ser desperdiçada nem poluída, nem envenenada;

8– A utilização da água implica respeito à lei;

9– A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social;

10– O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.

Como toda a população necessita da água para a sua sobrevivência, em julho de 2010, a Assembleia Geral das Nações Unidas declarou, através da Resolução A/RES/64/292, que a água limpa e segura e o saneamento básico são direitos humanos. Sendo assim, a água de qualidade e o saneamento básico passaram a ser um direito garantido por lei.

O uso racional e sua preservação são fundamentais para garantir qualidade de vida para a nossa geração e para as futuras. Faça uso consciente da água!

Por Ma. Vanessa dos Santos



Pato-mergulhão será embaixador das águas do Brasil


Publicado em: 21/03/2018
 

Ministro Sarney anuncia que assinará Portaria para instituir a espécie, que está criticamente ameaçada de extinção e necessita de águas límpidas para viver, como embaixador das águas brasileiras.

 

 

O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, anunciou nesta terça (20) que pretende assinar uma Portaria para instituir o pato-mergulhão como embaixador das águas brasileiras. “Quem está preocupado com futuro se preocupa com o presente. Esse presente é o pato-mergulhão, pois aonde ele existe significa um ambiente saudável e que a natureza está prestando o seu serviço”, defendeu Sarney em seu discurso durante o lançamento da campanha do ICMBio para que a espécie seja embaixador das águas no 8º Fórum Mundial das Águas, que acontece em Brasília.

ministropatomergulhao

O presidente do ICMBio, Ricardo Soavinski, anunciou R$ 200 mil a mais para pesquisas sobre o pato-mergulhão. “Os ecossistemas são totalmente dependentes das águas e o pato é um símbolo de como é necessária a água limpa para essa ave viver. Por isso, que com a campanha reforçamos nosso envolvimento e o trabalho da equipe, além de precisarmos ampliar nossas unidades, o nosso número de pesquisadores e mecanismos para cuidar ainda mais de nossas UCs”, afirmou Soavinski.

O pato-mergulhão (Mergus octosetaceus) necessita de águas muito limpas para viver. A ave serve como indicador biológico da qualidade das águas. No entanto, a crescente poluição que atinge nossos cursos d’água, as mudanças causadas por projetos hidrelétricos e o assoreamento dos rios e lagos são fatores que impactam na sobrevivência da espécie.

Existem somente 250 indivíduos do espécime no Brasil, sendo que a maioria se encontra nas unidades de conservação federais: Parque Nacional da Serra da Canastra (MG) e Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (GO) (geridos pelo ICMBio). Há populações também na Serra do Salitre (MG), na região do Jalapão (TO) e alguns, em cativeiro, no Zooparque de Itatiba. São 21 patos que estão no contexto do Programa de Manejo Populacional Integrado.

O ICMBio é responsável pelo desenvolvimento e implantação dos Planos de Ação Nacional para a Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção ou do Patrimônio Espeleológico (PANs), que identificam e orientam ações prioritárias de preservação. Desde 2017, está em vigor o 2º Ciclo do PAN do pato-mergulhão, cujo responsável é o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres (CEMAVE). Além disso, o PAN conta com o monitoramento de um grupo de trabalho formado por órgãos do governo e instituições não-governamentais.

Saiba mais sobre a espécie aqui.

Baixe a dobradura do pato-mergulhão aqui.
(icmbio.gov.br)