Powered by WP Bannerize

Meio Ambiente

Educação Ambiental e Cidadania


Publicado em: 19/01/2015
 

A Coleta Seletiva para reciclagem é uma ação importante para se preservar o ambiente, mas para que dê resultados, é preciso que toda a sociedade colabore e participe da construção de uma mudança de mentalidade e, conseqüentemente, de hábitos em relação à problemática do lixo. Tal conscientização não se dará de um dia para outro, mas por meio de um trabalho constante de Educação Ambiental que garanta o envolvimento e a participação de todos: a escola, a família, a comunidade e o Estado.

A Educação Ambiental está garantida pela Constituição da República Federativa do Brasil de 1998. O artigo 225 diz que cabe ao Poder Público promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente.

A Educação Ambiental sozinha não é suficiente para resolver os problemas ambientais, mas é condição indispensável para tanto. A grande importância da Educação Ambiental é contribuir para a formação de cidadãos conscientes do seu papel na preservação do meio ambiente, e aptos para tomar decisões sobre questões ambientais necessárias para o desenvolvimento de uma sociedade sustentável. O papel do poder público é fundamental para que tais demandas se concretizem. No caso do tratamento do lixo, as leis, regulamentos e procedimentos são definidos pela União, Estados e municípios.

O município é responsável pela coleta, transporte, tratamento e disposição do lixo, enquanto ao Estado cabe a fiscalização ambiental e à União a definição de normas gerais. Segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), uma sociedade sustentável deve estar em harmonia com os seguintes princípios:

  • Respeitar e cuidar da comunidade dos seres vivos;
  • Melhorar a qualidade da vida humana;
  • Conservar a vitalidade e a diversidade do Planeta Terra;
  • Minimizar o esgotamento de recursos não-renováveis;
  • Permanecer nos limites da capacidade de suporte do Planeta Terra;
  • Modificar atitudes e práticas pessoais;
  • Permitir que as comunidades cuidem de seu próprio ambiente;
  • Gerar uma estrutura nacional para a integração de desenvolvimento e conservação;
  • Constituir uma aliança global.


Energia elétrica – como economizar


Publicado em: 19/01/2015
 

Como fazer uso eficiente de Energia

Quanto maior o desperdício de energia, maior é o preço que você e o meio ambiente pagam por ela. Ao usar a energia elétrica de maneira correta, você economiza na conta de luz e ainda ajuda o País a preservar suas reservas ecológicas e, conseqüentemente, a vida do planeta.

Existem 3 maneiras de usar a energia eficientemente:

Hábitos Inteligentes – use os equipamentos elétricos de maneira correta, como está indicado neste manual.

Equipamentos Eficientes – na hora de comprar, verifique se o equipamento tem o selo de eficiência INMETRO/PROCEL. É este selo que certifica que o aparelho consome menos energia.

Projetos Inteligentes – ao reformar ou projetar sua casa, utilize algumas soluções criativas que podem ajudar na redução do seu consumo de energia. Projete os ambientes utilizando o máximo de luz natural, paredes pintadas com cores claras e com melhor isolamento térmico, ventilação adequada, circuitos elétricos bem dimensionados e a forma de aquecimento de água mais adequada à sua necessidade.

Como Economizar Energia Elétrica

Cada aparelho elétrico contribui com uma parte do valor da sua conta de luz.

Veja agora quanto cada equipamento consome de energia e quais os pequenos cuidados que você pode ter para combater o desperdício de energia e economizar.

Chuveiro Elétrico

O chuveiro elétrico representa de 25% a 35% do valor da sua conta. Preste atenção nestas dicas de economia:

-> Nos dias quentes, coloque o chuveiro na posição “verão”. Nesta posição, o consumo será cerca de 30% menor do que na posição “inverno”.

-> Deixe o chuveiro ligado somente o tempo necessário para o banho. Os banhos demorados custam muito caro.

-> Limpe periodicamente os orifícios de saída de água do chuveiro.

-> Nunca reaproveite uma resistência queimada.Isso provoca o aumento do consumo e coloca em risco a sua segurança.

Ar Condicionado

O ar-condicionado representa de 2% a 5% do valor da sua conta de luz. Para economizar, tome estes cuidados:

-> Instale o aparelho em local com boa circulação de ar.

-> Mantenha portas e janelas fechadas, evitando assim a entrada de ar do ambiente externo.

-> Limpe sempre os filtros. A sujeira impede a livre circulação do ar e força o aparelho a trabalhar mais.

-> Mantenha o ar-condicionado sempre desligado quando você estiver fora do ambiente por muito tempo.

Torneira Elétrica

A torneira elétrica consome muita energia, portanto, se possível, use-a somente em caso de necessidade.

Evite também ligá-la no verão, quando geralmente a água já é mais quente.

Lâmpada

A iluminação representa de 15% a 25% do valor da sua conta. Veja como é simples economizar:

-> Evite acender qualquer lâmpada durante o dia, acostumando-se a usar mais a iluminação natural. Abra janelas, cortinas, persianas e deixe a luz do dia iluminar sua casa.

-> Apague sempre as lâmpadas dos ambientes desocupados.

-> Utilize somente lâmpadas 127 ou 220 volts, compatíveis com a voltagem da rede da CPFL. Lâmpadas de voltagem menor do que a da rede duram menos e queimam com facilidade.

-> Limpe sempre as lâmpadas, luminárias e lustres.

-> Cada ambiente deve ter um tipo de iluminação adequada. Tanto a falta como o excesso de iluminação prejudicam a visão.

-> Nos banheiros, cozinha, lavanderia e garagem, instale, se possível, lâmpadas fluorescentes. Elas iluminam melhor, duram mais e gastam menos energia.

Para você ter idéia, uma lâmpada fluorescente (tubular, compacta ou circular) de 15 a 40 watts ilumina tanto quanto uma incandescente de 60 watts.

Se, para iluminar sua cozinha, você utiliza uma lâmpada incandescente de 100 watts, ao substituí-la por uma fluorescente de 32 watts (circular), estará economizando 2/3 da energia e tendo uma durabilidade de 5 a 10 vezes maior.

Assim, você economizará energia e terá a mesma luminosidade.

Geladeira

A geladeira contribui com 25% a 30% do valor da sua conta de luz. Para economizar, siga estas dicas:

-> Instale a geladeira em local bem ventilado, desencostada de paredes ou móveis, longe de raios solares e fontes de calor, como fogões e estufas.

-> Nunca utilize a parte traseira da geladeira para secar panos e roupas.

-> Ajuste o termostato de acordo com o manual de instruções do fabricante.

-> Degele e limpe a geladeira com freqüência.

-> Não se esqueça de manter as borrachas de vedação da porta em bom estado.

-> Guarde ou retire alimentos e bebidas de uma só vez. Assim, você não ficará abrindo a porta da geladeira sem necessidade.

-> Nunca coloque alimentos quentes ou recipientes com líquidos destampados na geladeira. Com isso, você não exigirá um esforço maior do motor.

-> Não bloqueie a circulação interna de ar frio com prateleiras de vidro, de plástico ou de outros materiais.

-> Na hora de comprar uma geladeira nova, prefira um modelo de tamanho compatível com as necessidades de sua família. E lembre-se sempre de verificar o consumo declarado pelo fabricante e também se a geladeira tem o selo de economia de energia INMETRO/PROCEL.

Televisor

O televisor representa de 10% a 15% do valor da sua conta de luz. Siga estas dicas e economize mais:

-> Evite deixar o televisor ligado sem necessidade.

-> Tome sempre cuidado para não dormir com o televisor ligado.

Máquina de Lavar Roupa

A máquina de lavar roupa representa de 2% a 5% do valor da sua conta de luz. Para economizar, tome estes cuidados:

-> Procure ligar a máquina só quando ela estiver com a capacidade máxima de roupas indicada pelo fabricante. Isso vai ajudar você a economizar energia e água.

-> Limpe freqüentemente o filtro da máquina.

-> Utilize somente a dosagem correta de sabão indicada pelo fabricante, para que você não tenha que repetir a operação “enxaguar”.

-> Leia com atenção o manual do fabricante e aproveite ao máximo a capacidade da sua máquina de lavar roupa.

Ferro Elétrico

O ferro elétrico representa de 5% a 7% do valor da sua conta de luz. Procure usá-lo corretamente:

-> Acumule o maior número de peças de roupa para ligar o ferro o mínimo de vezes. O aquecimento do ferro também consome muita energia.

-> Comece a passar a roupa sempre pelos tecidos que exigem temperaturas mais baixas. Ferros automáticos têm indicadores de temperatura para cada tecido.

-> Sempre que você precisar interromper o serviço, não se esqueça de desligar o ferro. Assim você poupa energia e ainda evita o risco de acidentes.

Porque é importante evitar usar energia no horário de pico

Entre 18 e 21 horas , o consumo de energia elétrica é muito mais alto do que nos outros horários, porque estão funcionando ao mesmo tempo, além das fábricas, a iluminação pública, a iluminação residencial, vários eletrodomésticos e a maioria dos chuveiros.

Este é o chamado horário de pico (horário de ponta) de consumo de energia.

Como a energia elétrica, depois de produzida, não pode ser armazenada, seria necessária a construção de novas usinas e linhas de transmissão só para atender o horário de pico.

E isso teria custos sociais e ambientais elevadíssimos.

Por essa razão, a CPFL – Piratininga e o Governo Federal, através do PROCEL, Programa de Combate ao Desperdício de Energia Elétrica, desenvolvem uma série de projetos junto às indústrias e aos grandes consumidores para diminuir o consumo nesse horário.

Você também pode contribuir, como consumidor e como cidadão, para que a energia elétrica não falte:

Evite ligar muitos aparelhos e lâmpadas nesse horário. Utilize-os por menos tempo e um de cada vez e, se possível, escolha outra hora para o seu banho.

Esse pequeno esforço, por parte de cada cidadão, trará benefícios ao meio ambiente e garantirá o conforto de todos.

fonte: CPFL Energia



Entenda as diferenças entre rede de esgoto e rede pluvial


Publicado em: 15/12/2014
 

Identificar a diferença entre rede de esgoto e rede de drenagem pluvial é fundamental para garantir a boa utilização de ambas. A rede coletora de esgotos domésticos recolhe o esgoto dos imóveis, dando-lhes destinação adequada nas estações de tratamento. Nas cidades do interior, o efluente tratado, livre de matéria orgânica, é lançado em cursos d´água de acordo com parâmetros determinados por legislação ambiental vigente.

 

Já a rede de drenagem pluvial é um equipamento público instalado e mantido pelas prefeituras municipais. Ela permite o escoamento das águas de chuva que, após captadas por galerias, são lançadas no mar, rios ou lagoas. A água de chuva é capaz de carregar, pela força da gravidade, lixo, areia, pedras e a sujeira das ruas para as estruturas de escoamento de uma cidade, podendo causar entupimentos e alagamentos.

 

No período chuvoso, os problemas decorrentes da utilização equivocada dessas redes é potencializado. O lançamento indevido das águas de chuva na rede coletora de esgotos, por exemplo, ocasiona extravasamentos e até o retorno do esgoto às residências e poços de visita. A rede de esgoto não é dimensionada para receber o grande volume das águas pluviais. Retirar a tampa de um poço de visita durante a inundação de uma rua só vai piorar a situação, pois o esgoto fatalmente transbordará, trazendo grandes riscos à saúde da população.

 

Já as ligações de esgoto realizadas clandestinamente na rede de drenagem pluvial provocam danos graves ao meio ambiente, pois descartam inadequadamente o esgoto sem tratamento no meio ambiente, poluindo rios, lagos e o próprio mar. As ligações irregulares na rede de drenagem acabam contribuindo para que estes equipamentos sejam confundidos com rede de esgoto, mas, mesmos nestes casos, a responsabilidade de manutenção é das prefeituras.

 

Para garantir o bom funcionamento da rede de esgoto é importante observar mais algumas regras como não jogar lixo no vaso sanitário ou nas caixas de esgoto (resto de comida, papel, absorventes, preservativos, cabelo, plástico, etc); limpar periodicamente a caixa de gordura; não fazer ligação na rede de esgoto para escoar água de chuvas; não descartar óleo de cozinha nem borra de café na pia, pois esses materiais entopem a rede e poluem o meio ambiente.

 

DIFERENÇAS À PRIMEIRA VISTA


Algumas diferenças entre rede de drenagem e rede coletora de esgoto podem ser facilmente identificadas pela população. As conhecidas bocas de lobo, por exemplo, pertencem à rede de drenagem pluvial, têm formato retangular e situam-se sempre paralelas aos calçamentos de ruas. Os poços de visita (PVs) da rede de drenagem localizam-se no centro das ruas, enquanto os PVs da rede de esgoto ficam mais próximos ao calçamento e geralmente possuem a inscrição da empresa de tratamento da rede de esgoto local. Outra forma de distinguir as duas redes é observar se são feitas em tubos em PVC (rede de esgoto) ou manilhas de concreto (rede de drenagem). Além disso, o diâmetro das tubulações de drenagem são sempre maiores.



MEDIDAS QUE PRESERVAM NASCENTES E MANANCIAIS


Publicado em: 27/11/2014
 

A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural. Nas últimas décadas, odesmatamento de encostas e das matas ciliares além do uso inadequado dos solos, vêm contribuindo para a diminuição da quantidade e qualidade da água.
Para a recuperação e preservação das nascentes e mananciais em propriedades rurais, pode-se adotar algumas medidas de proteção do solo e da vegetação que englobam desde a eliminação das práticas de queimadas até o enriquecimento das matas nativas. Conheça algumas delas, já praticadas por alguns produtores rurais que podem valorizar suas terras.

Conservação do Solo
Plantio em curva de nível: é uma técnica de conservação do solo e da água, excelente para o cultivo em morros e terrenos acidentados. Neste tipo de plantio, cada linha de plantas forma uma barreira diminuindo a velocidade da enxurrada.
Evitar queimadas pois estas, causam sérios danos às florestas e outros tipos de vegetação deixando o solo descoberto e matando os microrganismos e a vida do solo. Este solo sem proteção da cobertura vegetal pode ficar endurecido pela ação das gotas da chuva, o que irá reduzir a velocidade e quantidade de infiltração da água, além de favorecer as enxurradas.
Plantio em consórcio, intercalando faixas com plantas de crescimento denso com faixas de plantas que oferecem menor proteção ao solo. As faixas com plantas de crescimento denso têm a função de amortecer a velocidade das águas da enxurrada permitindo uma maior infiltração de água no solo.
Fazer uso dos restos culturais (palhada). Esse material, também chamado de matéria orgânica, quando apodrece favorece os organismos que vivem na terra melhorando as condições de infiltração e armazenamento de água no solo, além de diminuir o impacto das gotas de chuva sobre a superfície.

Uso de Defensivos
O uso excessivo e descontrolado de defensivos agrícolas nas lavouras são grandes agentes de contaminação do solo e da água, principalmente do lençol freático. Por isso seu uso dever ser controlado e feito sob a orientação de um técnico responsável.
Deve-se construir locais apropriados para o descarte das embalagens, que jamais devem ser jogadas em rios e córregos ou junto ao lixo comum da fazenda.

Cercamento de Nascentes
Construção de cercas, fechando a área da nascente, num raio de 30 a 50 metros a partir do olho d’água: evita a entrada dos animais e por conseguinte o pisoteio e compactação do solo.
Manutenção do asseio, ou seja a limpeza em volta da cerca para evitar que o fogo, em caso de incêndio, atinja a área de nascente.

Enriquecimento da Vegetação
A vegetação em torno das nascentes funciona como barreira viva na contenção da água proveniente das enxurradas.
Deve-se priorizar espécies nativas da região que geralmente são divididas em pioneiras e clímax.
Guapuruvu, bracatinga, orelha-de-negro, amoreira, pitanga, alecrim e sibipiruna são exemplos de espécies pioneiras, ou seja de ciclo de crescimento rápido que produzem uma grande quantidade de sementes, facilitando assim a renovação natural da área plantada, já que possuem duração máxima de 20 anos. Exigem muita luz solar e servem para fazer sombreamento para as espécies clímax.
Recomenda-se que as covas das espécies pioneiras devam ser feitas em ziguezague, proporcionando uma cobertura vegetal mais ampla. O plantio das mudas pode obedecer um espaçamento padrão de 3m x 3 m.
Óleo de copaíba, ipê, peroba, acácia, paineira, jacarandá, cedro, pau-brasil, angico, pau-de jacaré, pau-ferro, entre outras, são exemplos de espécies de clímax, de desenvolvimento mais lento, que necessitam do sombreamento das espécies pioneiras para se desenvolverem. Produzem sementes e frutos e possuem vida média de 100 anos.
A mata ciliar não deve ser plantada em cima da nascente. Deve-se respeitar um espaço mínimo de 30 metros de distância. A renovação da vegetação junto à nascente deve acontecer de maneira natural.

nascentes

Outras Medidas
Construção de fossas assépticas nas residências rurais, evitando o lançamento de esgotos nas águas da propriedade.
Construção de fossas para os rejeitos animais, principalmente no caso de criação de suínos..
Construção de cochos para abastecimento de água para o gado ao longo da propriedade, evitando o trânsito de animais junto às nascentes e córregos.


Prof. Dr. Sérgio Luís de Carvalho
Departamento de Biologia e Zootecnia da UNESP – Solteira



Formas de proteger o solo contra erosão


Publicado em: 27/11/2014
 

Um dos principais impactos oriundos da ocupação rural são as erosões, isso ocorre por que a cobertura vegetal original é retirada, tornando o solo propício a sofrer processos erosivos.

Nas propriedades rurais, com o intuito de evitar o surgimento de erosão, é importante que o produtor tome algumas medidas preventivas:

• Realizar o plantio acompanhado de uma curva de nível, essa é uma das mais bem sucedidas práticas de contenção. A curva de nível evita que a água da chuva desça a vertente com grande velocidade, dessa forma não provoca erosão.

• Consorciar lavouras com o plantio de vegetais como o eucalipto, bambu e cana-de-açúcar, pois esses atuam como barreira de proteção em relação à erosão eólica e pluvial.

• Outra alternativa de prevenção é realizar o plantio em curvas de nível do tipo terraço, nessa técnica a água é retida, impossibilitando a formação de escoamento de enxurrada, que é um agente erosivo em potencial.

• Atuar efetivamente na preservação e conservação de matas de galeria, além de recuperar áreas degradadas de matas ciliares, a cobertura vegetal contribui para impedir a passagem de enxurrada que provoca erosão e também evita o assoreamento dos mananciais.

• Regiões acidentadas devem ser preservadas e não ocupadas para o desenvolvimento da agricultura, assim como as áreas de solos frágeis que facilmente são afetadas com a erosão.

Por Eduardo de Freitas
Graduado em Geografia