POLICIAIS CIVIS são presos em diversas cidades de MG em operaçao do GAECO

Publicado em: 19/12/2017
 

NOTA OFICIAL MEGA OPERAÇÃO FÉNIX

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS GRUPO DE ATUAÇÃO ESPECIAL NO COMBATE AO CRIMEORGANIZADO – GAECO

No dia 19 de dezembro de 2017, a unidade regional de Uberlândia do GAECO (Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado) deflagrou, em 12 (doze) cidades de 3 (três) estados da federação, a megaoperação FÊNIX.

FÊNIX é um pássaro da mitologia grega que, quando morria, entrava em autocombustão e, passado algum tempo, renascia das próprias cinzas.

A megaoperação FÊNIX contemplou o cumprimento de 200 (duzentos) mandados de prisão preventiva expedidos contra 136 (cento e trinta e seis) pessoas1, 121 (cento e vinte e um) mandados de busca e apreensão e 4 (quatro) mandados de condução coercitiva.

Participaram da operação 5 (cinco) Promotores de Justiça, 3 (três) auditores da Receita Estadual, 500 (quinhentos) Policiais Militares e 150 (cento e cinquenta) Policiais Rodoviários Federais, sendo utilizadas 2 (duas) aeronaves e 150 (cento e cinquenta) viaturas.

Os mandados judiciais foram cumpridos nas cidades de Uberlândia, Uberaba, Araguari, Patos de Minas, Patrocínio, Monte Alegre de Minas, Passos, Pouso Alegre, Araxá e Belo Horizonte, todas no estado de Minas Gerais, além de Cascavel/PR e Cuiabá/MT.

Dentre as 136 (cento e trinta e seis) pessoas investigadas cujas prisões preventivas foram decretadas encontram-se 10 (dez) Delegados de Polícia – sendo 3 (três) Chefes de Departamento e 1 (uma) Delegada Regional, 2 (dois) Escrivães de Polícia, 45 (quarenta e cinco) Investigadores de Polícia e 7 (sete) Advogados.

As Delegacias Regionais de Polícia Civil de Uberlândia/MG e Araguari/MG foram objeto de buscas, as quais contaram com o apoio da Receita Estadual de Minas Gerais.

A megaoperação FÊNIX se divide em três operações distintas, a saber:

Operação ALIBABA.

Decorrente da Operação Zeus, deflagrada pela Polícia Civil de Minas Gerais em setembro de 2015, consta de duas denúncias em que são imputadas a prática dos seguintes crimes:

– Associação para o Tráfico de Drogas;
– Tráfico Ilícito de Entorpecentes;
– Associação Criminosa;
– Obstrução de Justiça;
– Receptação;
– Adulteração de Sinal Identificador de Veículo Automotor;
– Fraude Processual;
– Corrupção Passiva;
– Corrupção Ativa.

Operação OUROBOROS.

Segunda fase da Operação 100 Anos de Perdão, consta de 7 (sete) denúncias em que são imputadas as seguintes infrações penais:

– Roubo Agravado (Emprego de Arma, Concurso de Pessoas e Restrição da Liberdade das Vítimas);
– Organização Criminosa;
– Associação para o Tráfico de Drogas;
– Tráfico Ilícito de Entorpecentes;
– Falsidade Ideológica;
– Porte e Comércio Ilegais de Armas de Fogo.

Operação EFÉSIOS, 4:28.

A operação EFÉSIOS, 4:28, decorre de acordos de colaboração premiada firmadas pelo GAECO de Uberlândia. Contempla 19 (dezenove) denúncias em que são imputados os seguintes delitos:

– Organização Criminosa;
– Associação Criminosa;
– Corrupção Ativa;
– Corrupção Passiva;
– Tráfico Ilícito de Entorpecentes;
– Porte e Posse Ilegal de Arma de Fogo;
– Falsidade Ideológica;
– Estelionato;
– Receptação Qualificada;
– Falso Testemunho;
– Prevaricação.

Uberlândia, 19 de dezembro de 2017.

DANIEL MAROTTA MARTINEZ – PROMOTOR DE JUSTIÇA GAECO UBERLÂNDIA

ADRIANO ARANTES BOZOLA – PROMOTOR DE JUSTIÇA GAECO UBERLÂNDIA

RENATA DE ANDRADE SANTOS – PROMOTORA DE JUSTIÇA GAECO UBERLÂNDIA

VANESSA APARECIDA GOMES – PROMOTORA DE JUSTIÇA CONTROLE EXTERNO DAATIVIDADE POLICIAL

CLÁUDIO VÍTOR RODRIGUES ROCHA – CORONEL – PMMG

MÁRCIO GERALDO LARA  CAMARGOS – INSPETOR PRF

 

 

VEJA TAMBÉM

RESULTADO DA OPERAÇAO EM PATOS DE MINAS

http://Delegado de Patos de Minas está foragido