Powered by WP Bannerize

Em destaque

08 de setembro – dia de N.S. Patrocínio – padroeira da cidade


Publicado em: 08/09/2018
 

Padroeira da Paróquia Nossa Senhora do Patrocínio

 

O Papa Alexandre VII concedeu ao Rei Felipe II a celebração da Festa a N. Sra. do Patrocínio aos 28 de julho de 1656. A finalidade era dar graças a Deus pelos inúmeros benefícios. A festa era celebrada inicialmente no 3º domingo de novembro em todo o extenso domínio da Espanha e, posteriormente também no 4º domingo de outubro. O Papa concedia àqueles, que participando da missa solene, após confessar, comungar e  rezar nas intenções de costume, uma indulgência plenária. Esta devoção chegou ao Brasil através dos colonizadores portugueses. Várias igrejas no Brasil são erguidas a Deus em honra de N. Sra. do Patrocínio, sendo uma das mais famosas e históricas a de Itu, São Paulo.

 

 

Em Patrocínio MG, a construção da nova Igreja Matriz de Nossa Senhora do Patrocínio teve início em 1º de novembro de 1933 e o término em 08 de setembro de 1935. A chegada da imagem de Nossa Senhora do Patrocínio foi no dia 30 de agosto de 1935. Vinda do Rio de Janeiro, foi trazida pelo Monsenhor Joaquim Thiago dos Santos e Sr. José Elói dos Santos. Era vigário, naquela época Padre Philiberto Braum, da Congregação dos Padres dos Sagrados Corações.

 

Os paroquianos acolheram a imagem de N. Sra. do Patrocínio com uma procissão, pela cidade, sendo carregada por quatro homens fortes, pois é muito pesada. Dentre os quatro homens encontrava-se o Sr. Gervásio Amaral. Juntamente com esta imagem vieram também uma imagem de pequeno porte e uma estampa no quadro. Dr. Cândido, Juiz de Direito daquela época, encantado com a beleza da figura de Maria, ficou com o quadro dizendo: “Por onde eu for a levarei comigo”. A consagração da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Patrocínio aconteceu em 1º de novembro de 1936

 



07 de Setembro – Dia da Independência do Brasil


Publicado em: 07/09/2018
 

O Dia da Independência do Brasil é celebrado em 07 de setembro, dado que foi nesse dia em que, às margens do rio Ipiranga, D. Pedro tornou o país independente.

 

 

A Independência do Brasil é celebrada em todo dia 07 de setembro. Essa comemoração acontece desde a época do Primeiro Império, que, a cada ano, rememorava a ocasião em que o país se tornou independente de Portugal no ano de 1822. O processo de independência do Brasil teve como principais atores históricos, além do príncipe regente D. Pedro (que se tornou o imperador D. Pedro I), alguns representantes da elite interessada na ruptura entre Brasil e Portugal. Entre esses representantes, encontrava-se aquele que também se tornou um dos maiores articuladores do Império, José Bonifácio de Andrada e Silva.

 

De certa forma, a possibilidade de um “Brasil independente” remonta à época da vinda da família real para o Brasil em 1808, acontecimento que inaugurou em nosso país o chamado Período Joanino. D. João VI veio com sua corte para o Brasil por ter se recusado a ser conivente com a política do Bloqueio Continental, imposta por Napoleão Bonaparte contra o Reino Unido. Como Portugal possuía importantes acordos econômicos com os ingleses, D. João VI achou por bem desobedecer às ordens do imperador francês e abandonar a Península Ibérica, sendo escoltado por navios ingleses até a costa brasileira.

 

Nessa época, o Brasil foi alçado à condição de Reino Unido, junto a Portugal e Algarves, deixando assim a condição de ser colônia. Muitas das ações empreendidas por D. João VI no Brasil durante o período em que aqui esteve (1808-1821) colaboraram para que o país ganhasse uma relevância que ainda não possuía. Essa relevância tinha dimensões econômicas, políticas e culturais. Entretanto, nos anos que seguiram após o fim da Era Napoleônica (1799-1815), Portugal passou por intensas turbulências políticas. Essa situação exigiu a volta do rei D. João VI com sua corte em 1821.

O rei português deixou no Brasil como seu representante D. Pedro, seu filho, que recebeu o título de príncipe regente. Durante o ano de 1821 e até os primeiros dias do mês de setembro de 1822, as turbulências políticas de Portugal fizeram-se refletir também no Brasil. As assembleias que ocorriam em Lisboa (que contavam também com representantes brasileiros) ganhavam pautas que defendiam o retorno de Portugal como o centro político do referido Reino Unido e, por consequência, a submissão do Brasil à sua posição.

 

Ao mesmo tempo, em terras brasileiras, o príncipe regente, orientado por representantes das elites políticas locais, promovia uma série de reformas que desagradavam as elites lusitanas. As ações de de D. Pedro mobilizaram a corte portuguesa a pedir a sua volta imediata para Portugal no início de 1822. D. Pedro recusou-se a abandonar o Brasil e, em 09 de janeiro, optou pela sua permanência no país. Esse dia ficou conhecido como Dia do Fico.

 

As indisposições entre Portugal e Brasil continuaram ao longo do primeiro semestre de 1822. Esse período de intensas discussões e propostas direcionadas à efetivação da independência foi exaustivamente estudado por muitos historiadores, tanto portugueses quanto brasileiros. No Brasil, destacam-se os nomes de Oliveira Lima e Nelson Werneck Sodré. No mês de setembro, as cortes portuguesas deram um ultimato para D. Pedro voltar para Portugal, sob ameaça de ataque militar. O príncipe que estava em viagem ao estado de São Paulo recebeu a notícia e, antecipando uma decisão que já estava quase nas “vias de fato”, declarou o país independente às marges do rio Ipiranga, no dia 07. Esse gesto implicaria a futura organização do país enquanto nação e enquanto império, um projeto que não era fácil de ser conduzido, como acentua o historiador Boris Fausto:

 

Alcançado em 7 de setembro de 1822, às margens do riacho Ipiranga, dom Pedro proferiu o chamado Grito do Ipiranga, formalizando a Independência do Brasil. Em 1° de dezembro, como apenas 24 anos, o príncipe, regente era coroado Imperador, recebendo o título de dom Pedro I. O Brasil se tornava independente, com a manutenção da forma monárquica de governo. Mais ainda, o novo país teria no trono um rei português. Este último fato criava uma situação estranha, porque uma figura originária da Metrópole assumia o comando do país. Em todo de dom Pedro I e da questão de sua permanência no trono muitas disputas iriam ocorrer, nos anos seguintes.” [1]

 

NOTAS

[1] FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2013. p 116.

Por Me. Cláudio Fernandes



25 de agosto – Dia do Soldado


Publicado em: 25/08/2018
 

O Dia do Soldado é uma data comemorativa nacional estabelecida com o objetivo de homenagear aos soldados que servem à Pátria Brasileira.

 

O Dia do Soldado é uma data comemorativa no Brasil, escolhida em decorrência da data em que nasceu o famoso Duque de Caxias, cujo nome de batismo é Luis Alves de Lima e Silva. Nascido em 25 de agosto de 1803, o oficial foi considerado Patrono do Exército Brasileiro, tendo, além da honra do título, a data de seu nascimento eternizada.

 

Quem foi Duque de Caxias?

 

Luis Alves de Lima e Silva nasceu na Capitania do Rio de Janeiro, em uma fazenda, herdeiro de uma família da aristocracia militar portuguesa. Quando ele nasceu, seu pai servia ao exército português no Brasil, época em que havia a iminência de um choque contra as forças napoleônicas na Europa, que resultaram, inclusive, na vinda da Família Real Portuguesa ao Brasil. Esse fato, na época, fez com que o Brasil fosse elevado à categoria de Reino Unido, e também foi o que encaminhou o país à futura independência do Brasil. Ambos fatos, inclusive, transformaram no ano de 1833, a vida de Luis Alves.

 

O Brasil, ao tornar-se um país independente, adotou o governo imperial, tendo como líder D. Pedro I. Além disso, o exército passou por transformações, sendo associado à figura do imperador brasileiro e também às normas que foram criadas com a instituição da Constituição de 1824. A partir do ano de 1838, começaram a estourar no Brasil diversas revoltas separatistas, e nesse período, Duque de Caxias já era um oficial bastante respeitado, tendo conseguido grande parte de seu respeito por conseguir comandar a dissipação de revoltas desse período.

 

Em 1841, recebeu seu primeiro título nobiliárquico, sendo conhecido a partir de então como Barão de Caxias, referindo-se à cidade de Caxias, no Maranhão. Foi lá que seu exército conseguiu uma das mais célebres vitórias de Luis Alves de Lima e Silva. Foi elevado à conde, marques e, enfim, duque, no decorrer do segundo reinado. Ficou conhecido ainda por ser Senador do Império no Rio Grande do Sul, onde ainda recebeu o título de comandante-chefe do exército em operações, pelo Imperador Dom Pedro II. Caxias esteve ainda a frente de batalhas de repressão contra as investidas do Uruguai e da Argentina ao Brasil ao lado de outros comandantes Célebres. Com General Osório, Duque de Caxias teve ainda mais vitórias ao combater diretamente as tropas de Solano Lopez, um ditador paraguaio na Guerra do Paraguai.

 

No ano de 1878, Duque de Caxias veio à óbito, mas seu nome jamais foi esquecido pelo Exército Brasileiro, tendo sua memória, inclusive, lembrada em datas (como o Dia do Soldado) e cerimônias.

 

O que é o dia do soldado?

O dia do soldado é usado para homenagear não apenas Duque de Caxias, célebre figura da história do exército brasileiro, mas também à todos os soldados brasileiros. Soldados são aqueles que servem ao exército quando entram no serviço militar. Quando mais experiente, o soldado passa a outros postos dentro do exército.

 

Os soldados mais conhecidos do exército brasileiro, apesar de haverem muitas escalas, são o soldado de infantaria, que lutam com diferentes armas e transportes, a cavalaria, que luta montado a cavalo (ou transportes blindados nos dias atuais) e a artilharia, que faz uso de armas de fogo, bombas e projéteis.

 

Além do exército brasileiro, existem soldados que servem à marinha e à aeronáutica, assim como os soldados do corpo de bombeiro, todos com importantes funções para as forças armadas e para a segurança do país.

(todoestudo)



21 de agosto – aniversário de ODAIR NERY


Publicado em: 21/08/2018
 

Dr. ODAIR,

 

Mais um ano de vida é para muitos um tormento, pois apenas se focam nos números, e ter mais um ano adicionado à idade pode ser mortificante. Mas sabemos que você não é assim, e que apenas se foca no positivo e no que é realmente importante.

 

Para você mais um ano é sinônimo de mais vida, sabedoria, experiência, alegrias e tristezas, derrotas e conquistas, sonhos sonhados e realizados, e essa é a atitude correta. Feliz aniversário!

 

A vida é muito curta, frágil e preciosa para nos preocuparmos com números simbólicos, pois o que realmente conta é o que está dentro e fora da pessoa, e no seu caso todo conjunto é fabuloso! Você é uma pessoa maravilhosa e cada ano que passa fica ainda melhor, mais interessante e envelhece melhor que o mais fino dos vinhos.

 

Parabéns e muitas felicidades! Que complete muitos anos e que continue mantendo esse espírito de quem conhece e valoriza as prioridades certas. Seja feliz!

 

Dr. ODAIR é Corinthiano assíduo, valente, destemido não perde um jogo do timão!!!

 

A imagem pode conter: 3 pessoas, incluindo Patrícia Nery, pessoas sorrindo, estádio

 

São os votos de todos nós do portal de notícias UAIGENTE.



12 de agosto – dia dos pais


Publicado em: 12/08/2018
 

Ser pai nem sempre é fácil, pois até as melhores coisas da vida às vezes são complicadas. Mas há pais que fazem tudo parecer fácil e simples por serem tão perfeitos, e o melhor entre os melhores é você, papai.

 

Sempre amigo, sempre comigo, hoje sei que tive muita sorte por crescer com um pai como você. Esta pequena homenagem é para você, para agradecer por tudo e dizer que eu amo muito você!

 

Pai, você é a razão de nossa vida. Deus é realmente maravilhoso, Ele criou o mar para encantar o universo com o mistério de suas águas. Ele criou a natureza, para brilhar no nosso amanhecer, com o frescor da sua beleza, Ele colocou estrelas no céu, para que iluminasse os nossos caminhos. E Ele, na obra máxima de sua criação, nos deu você!

 

Pai querido que enfeita o nosso caminho e alegra os nossos dias com o sorriso e sua força. Sem você, Pai, o que nós poderíamos encontrar? Caminharia pelo mundo sem ter os braços abertos, mas de punhos fechados, de olhos cerrados, e coração solitário. Você representa todos os nossos sonhos, é por você que construimos castelos, é para você que escrevemos histórias nas páginas da nossa história, do nosso cotidiano.