Powered by WP Bannerize

Curiosidades

Você conhece uma candeia?


Publicado em: 30/01/2015
 

É uma pequena lamparina abastecida por óleo que servia para iluminar o rosto ou lugares pequenos, porque geralmente era pequena e individual; um artefato ainda muito usado no oriente médio onde se coloca o óleo e põe o fogo para trazer iluminação. O óleo utilizado geralmente era o de mamona e o tal artefato servia para iluminar casa e ate caminhos e pequenas estradas.
Jesus cita a candeia na bíblia na parábola das 10 virgens. Em outro texto ele diz que não se coloca a candeia em baixo da cama mas se põe no velador, lugar onde se possibilita trazer luz para toda a casa. Espiritualmente a palavra quando fala de candeia nestas duas passagens que citei refere-se ao homem. O homem (candeia) precisa do óleo (Espírito Santo) para ter luz.

As 5 virgens que não tinham óleo de reserva para o caso de faltar óleo perderam de ir às bodas do noivo. Assim é aqueles que não tem enchido suas candeias (vidas) com o Espírito Santo para que esteja com o rosto iluminado para o Senhor Jesus, quando vier, as reconheça como servos, que nas bodas do Cordeiro entrarão. Foi o caso das 5 virgens que tinham óleo de reserva.

 




A filha de Lampião e Maria Bonita


Publicado em: 28/01/2015
 

Conheça a história da filha de Lampião e Maria Bonita.

 



A casa de Maria Bonita – esposa do rei do cangaço


Publicado em: 28/01/2015
 


Conheça a verdadeira casa de Maria Bonita.

 

 

 

 

 



Conheça o tear antigo e seu funcionamento


Publicado em: 18/12/2014
 

Com certeza a juventude de hoje náo conhece o funcionamento de um tear, nem tampouco tenha ouvido falar deste rude instrumento para tecelagem. Entáo, conheça como funciona e para que era utilizado.

 

 



Conheça uma barriguda


Publicado em: 18/12/2014
 

História Natural. A Corografia Bahiense descreve a Barriguda do seguinte modo, p. 77: “Barriguda ou árvore de lã, é mais grossa no meio do que junto ao chão, tem a casca coberta de espinhos redondos, as folhas têm 3 ou 4 polegadas de comprimento e em número de cinco, juntas na extremidade, de um pé comprimento. Sua flor começa com a figura de um figuinho redondo, liso, sem olho, com um pé curto e grosso. Este figo toma o comprimento e a forma de um pequeno limão, sempre de cor verde e sem olho. Depois abre na extremidade em três partes e brota como um capucho de algodão roliço e comprido, de três polegadas de comprimento e mais de uma de largura na cabeça, lisos pela face superior e vermelhos do meio para baixo, brancos matizados de uma outra cor, um na cabeça que é redonda * pela face exterior de um pelo comprido branco, quase enrolando-se, cobrindo o capucho. Tem cinco estames ou filamentos, em volta de um pistilo que é muito mais delicado, e termina em uma bolinha encarnada.

Todas as seis pegadas a um receptáculo no fundo do cálice, onde se forma um fruto com alguma semelhança de pepino que abre, e está cheio de lã branca finíssima, que é preciso apanhar logo, se não o vento leva. Serve para encher colchões e travesseiros e talvez pela indústria ainda se possa fiar”. Mr. A. St’ Hillaire tem observado a Barriguda no meio das caatingas perto do rio São Francisco, e Martius e Nees descreveram o que se encontra em outras partes de Minas Novas. O Príncipe Max. Neuwied, que o observou nas matas vizinhas do rio Belmonte, diz que é árvore de uma gigantesca dimensão.

barriguda6

O seu tronco é delgado junto à terra e, ao cume, torna-se logo aumentado de grossura no meio. Existem muitas variedades de Barrigudas: uma tem a casca lisa, unicamente pouco enrugada; outra tem a haste guarnecida de espinhos curtos e fortes; as folhas são solitárias, no cume são pouco frondosas e acham-se em forma de palmas. Em algumas variedades, elas são com dois ou três lóbulos ou bem inteiras. As flores são grandes, belas, de cor branca, caem quando murchas e cobrem o solo (Viagem no Brasil, t.2, p.160).

barriguda2

Segundo Descourtilz, os pós da raiz são favoráveis para curar o tétano. Aplicam-se as frutas verdes em cima das artérias temporais para livrar-se de cefaleias e vertigens. O que há de mais certo é que a casca da raiz do Bombax ceiba é vomitiva, e o suco misturado à polpa de tamarindo favorece a expulsão dos vermes e as dejeções alvinas. As flores possuem as virtudes das malváceas, e o cotão das sementes serve para fazer as mochas. O Bombax pyramidal goza de propriedades idênticas: faz-se um xarope com as flores e o suco que equivale ao de goma arábica. A casca em pó misturada com o sumo do limão é um linimento resolutivo, um tópico calmante em contusões e fraturas dos membros. Várias outras propriedades referem-se ao Bombax, todavia devemos nos acautelar, para não aceitar cegamente os elogios que se tributam, de ordinário, em prol de tantas curas.

barriguda3

   Análise Química. As espécies de Barriguda encerram goma na raiz e uma porção de amido, o qual se dissolve em água e precipita com a galha, que dá uma cor azul ao sódio e torna-se açúcar quando se trata pelo ácido sulfúrico. Todas as partes fornecem uma grande porção de mucilagem.

 

  Propriedades Medicinais. O tronco grosso da árvore é cheio de uma medula mole e suceosa, na qual encontram-se larvas de insetos que os botocudos procuram para comer. Corre um suco resinoso da árvore partida. O botoque, placa cilíndrica de pau que os índios trazem pendurada nas orelhas ou nos lábios inferiores, é feito do tronco das jovens árvores barrigudas, que eles chamam de emburé (A. St´ Hilaire, p.157, t.2). Tiram-se estopa e filamentos do mesmo tronco que servem para redes, cabos e outros objetos industriais.

barriguda4

O tronco empregado para construir canoas tem pouca durabilidade pela sua falta de consistência. Aublet descreve duas espécies de barriguda, o Bombax globosa e o Bombax  ceiba. O primeiro refere-se a uma das variedades também existentes no Brasil, como se pode facilmente coligir pela descrição (ver Plantes de la Guiane, p. 702. T.2). Esta espécie cresce de 30 pés para mais; o tronco tem um pé e meio de diâmetro; a casca é lisa acinzentada; a madeira é branca e mole, a parte do tronco, privada de raízes, tem 10 pés ou mais de comprimento.

 

Os ramos do cume são extensos e frondosos, as folhas alternas palmadas e compostas de cinco folíolos. As frutas nascem em cachos nas extremidades dos ramos, é uma cápsula esférica, arruivada, marcada de cinco a seis linhas que se estendem da base ao ápice. O casulo abre-se em seis válvulas espessas, cheio de um algodão fino com sementes ovóidas. O Bombax ceiba, chamado pelo Pison Zaomouna o Bombax pyramidal, ambos são descritos pelo Descourtilz na sua Flora das Antilhas. O mesmo assinala três outras variedades, todas elas fornecem um coton fino, como o barriguda descrito pela Corografia Bahiense. Só a cor varia, tendo um deles uma cor vermelha natural (ver Ceiba).

barriguda5

 

Fonte: http://www.mast.br/