Powered by WP Bannerize

Cuidado com essa lesão no sexo que pode deixar mulher em sofrimento: qual é o risco?

Publicado em: 28/02/2018
 

Existe uma lesão que acontece no sexo e é pouco compreendida, porém importante. O machucado afeta uma parte da anatomia feminina e pode ocorrer durante relação vigorosa ou sem os devidos cuidados. Além de incomodar a mulher, ele pode ser tão grave a ponto de precisar de cirurgia. Entenda:

 

Lesão durante sexo

Segundo a ginecologista Marisa Patriarca, do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo, a vagina tem em média 7 a 8 cm, mas, quando a mulher fica excitada, o colo do útero vai para cima e o espaço fica ainda maior, o que é complementado pela lubrificação. Isso tudo faz com que o pênis deslize sem fricção, evitando que a mulher se machuque.

 

Há casos, no entanto, em que a relação acontece sem que a mulher esteja devidamente excitada, ou então que o parceiro tenha um órgão muito grande, ou, ainda, que a penetração seja vigorosa. Como consequência, a mulher pode apresentar lesão na região posterior do fundo da vagina ou no colo do útero.

 

lesao na vagina 0218 400x800 © Anetlanda/Shutterstock lesao na vagina 0218 400×800

 

“É como se fosse uma pancada. A paciente fica com a região dolorida, edemaciada, mas sem nenhuma ferida em si”, ressalta o ginecologista e obstetra Patrick Bellelis.

 

É grave?

Na maior parte dos casos, essa lesão não é perigosa e provoca apenas dor, semelhante à cólica, na hora e/ou nos dois dias posteriores à transa, mas uma pequena parcela das mulheres pode sofrer laceração grave.

 

“O mais alarmante é a possibilidade de ruptura do fundo vaginal, a qual pode causar sangramento abundante e fazer com que a mulher tenha que ir para o centro cirúrgico para sutura”, alerta o médico.

 

É igual ferida no colo do útero?

ferida colo utero 0217 400x800 © Medical Art Inc/Shutterstock ferida colo utero 0217 400×800

 

Há quem confunda essa lesão com ferida no colo do útero, um problema clinicamente chamado de ectopia que é caracterizado pela projeção da mucosa interna do colo do útero para fora.

 

Diferente da lesão causada pelo sexo, a ectopia está relacionada à infecção por HPV e geralmente não causa sintomas.

 

O que fazer?

A recomendação da ginecologista Marisa Patriarca é sempre consultar um ginecologista ao sentir dor no sexo, já que pode ser um indício de doenças importantes como clamídia e doença inflamatória pélvica.

Há como prevenir?

sexo beijo cozinha 017 400x800 © 4 PM production/shutterstock sexo beijo cozinha 017 400×800

 

Os especialistas afirmam que esse machucado do sexo pode ser evitado por meio de cuidados simples, entre eles o diálogo aberto entre os parceiros sobre as preferências e os cuidados na hora H.

 

Apostar nas preliminares é muito importante, já que a mulher demora mais para ficar excitada do que o homem e partir direto para a penetração pode machucar. “Em média, as relações sexuais dos humanos englobam em média 15 minutos de penetração. Sendo assim, por que não aproveitar mais? Use e abuse das carícias”, recomenda o médico Patrick Bellelis.

 

Caso haja pouca lubrificação, é possível usar lubrificantes íntimos. Quanto a um parceiro com o pênis muito grande, é indicado ter cautela e optar por posições em que a mulher tenha maior controle da penetração, como de conchinha ou ela por cima.

 

Dores no sexo: saiba mais

Dor de cabeça que começa ou piora durante o sexo: entenda a relação

Hímen complacente causa dor no sexo: entenda o que é

Cesárea duplica chance de ter dor durante o sexo, diz estudo

 

(msn)