Powered by WP Bannerize

CAP consegue empate heróico diante do Atlético Mineiro

Publicado em: 29/01/2018
 

O que parecia impossível aconteceu. O pequeno Davi derrotou o gigante Golias. Sim, porque o empate que o Clube Atlético Patrocinense (CAP) arrancou em Belo Horizonte, teve gosto de vitória, porque o Atlético Mineiro veio com o time todo titular. O palco foi o Estádio Independência, neste domingo (28), um empate de 2 a 2, histórico para o pequeno do interior, na quarta rodada do Campeonato Mineiro.

 

 

Com o resultado, o Galo amarga apenas cinco pontos em 12 possíveis – sendo dois empates, uma derrota e uma única vitória no torneio estadual. Já o CAP tem os mesmos cinco pontos, tendo feito duas partidas em casa e duas fora. Recebe no próximo final de semana no Estádio Pedro Alves, o Democrata de Governador Valadares e o Atlético, parte pressionado para o desafio contra a URT, no próximo domingo, em Patos de Minas.

 

 

Ainda hoje, você vai ver um compacto do jogo na Rede Hoje, com as repercussões do resultado.

 

Mário César foi o grande nome do jogo em BH. Foto: Rede Hoje

 

capxatl-mario-cesar

O Atlético fez um primeiro tempo mais preciso, arrancando os seus dois gols nos primeira etapa do jogo. Os chutes fortes de fora da área e cobranças de escanteio fechadas de Otero, nos primeiros minutos, pareciam ser o prenúncio de um placar elástico por parte do Galo – que não veio. O Patrocinense aproveitou contra-ataques e falhas na defesa do Atlético e arrancou o empate no segundo tempo.

 

 

O jogo. A primeira oportunidade do Galo veio aos cinco minutos, quando o meio campo venezuelano Otero ficou livre e chutou com precisão, de fora da área, no gol do goleiro Neguet, que rebateu. Aos 15, Fábio Santos tocou para Cazares, na entrada esquerda da grande área, que chutou colocado no lado direito da meta de Neguet, que mais uma vez salvou o CAP.

 

 

Na sequência, após trocas de passes rápidas no ataque do atlético, aproveitando de chegada de Elias, Cazares bateu de primeira, mas a bola foi parada mais uma vez pelas mãos do goleiro.

 

 

O CAP não se acovardou. Ainda no primeiro tempo, o Patrocinense conseguiu encontrar alguns espaços na defesa atleticana. Após o atacante Ademir – que a torcida já está chamando de Ademito – avançar pela direita, ele abriu para Berger na esquerda, na entrada da grande área, que bateu de primeira e deu trabalho para Victor tirar para escanteio. Pouco depois, Marcelo Régis, cara a cara com o goleiro do Galo, não conseguiu cabecear e deixou a bola passar direto.

 

capxatl-regis

Marcelo Regis fez o primeiro contra o Galo e já é seu segundo gol. Foto: Rede Hoje

 

1º gol. Otero é sempre um perigo com a bola parada, seja um escanteio ou falta. Numa jogada repetida à exaustão pelo Atlético, no sétimo dos inúmeros escanteios fechados cobrados, saiu o gol atleticano. O zagueiro artilheiro Leonardo Silva triscou de cabeça para dentro do gol e abriu o placar.

 

 

Cazares ainda marcou após receber lançamento longo de Arouca, dentro da área e limpar o goleiro, mas, num lance difícil de avaliar, a arbitragem apontou impedimento.

 

 

O Atlético fez 2 a 0, já nos acréscimos. O atacante Roger Guedes inverteu a jogada para Fábio Santos, numa dos únicos lances em que teve liberdade na esquerda. O lateral cruzou dentro da área. A bola foi desviada pelo zagueiro Diego Borges, que fez contra, e mesmo assim foi um dos melhores do time. Este foi o segundo fogo amigo de Diego no Campeonato Mineiro – ela já havia marcado contra também na derrota do Patrocinense pelo América.

 

 

Mais ligado. Rogério Henrique conversou bastante no vestiário e o CAP voltou mais ligado, enquanto o dono da casa voltou muito confiante, mais tranquilo, até um pouco arrogante. Mas, o resultado inesperado não tardou a vir. Num deslize do setor defensivo do Atlético (que errou a linha de impedimento), Marcelo Régis fez o primeiro o Patrocinense, após o seu time costurar uma jogada pela direita com Ângelo e Ademir. O atacante recebeu cruzamento aéreo de Ademir e cabeceou no canto esquerdo do gol de Victor.

 

 

O gol deixou o jogo aberto. O time de Patrocínio ainda deu mais trabalho à defesa do Galo, chegando pela direita com Ademir, aos 22, mas foi marcado impedimento. O Galo respondeu com cruzamento do lateral Fábio Santos, pela esquerda, que interceptado com um tapinha do goleiro Neguet. Elias ficou com a sobra, mas chutou mal ao tentar jogar a bola para o meio da área, com a defesa do CAP anulando a jogada.

 

capxatl-ademir

O patrocinense Ademir, que a torcida já chama de “Ademito”, a a revelação do campeonato até agora. Foto: Rede Hoje

 

 

2º gol. Com o maestro Mário César coordenando as ações no meio o jogo inteiro, tendo tranquilidade para distribuir e cadenciar o jogo, o CAP foi ficando cada vez mais perto do gol. Após receber cruzamento para dentro da área, o atacante Gênesis escorou de cabeça em direção à meta de Victor e Ademir, quase dentro do gol, completou,  também de cabeça, para empatar o jogo.

 

 

Aos 36 minutos, o zagueiro Rodolfo Mol, um gigante na defesa do CAP, foi expulso ao receber o segundo amarelo, após puxar Elias pela camisa, na entrada da grande área. Mas a diferença não foi suficiente para o Galo conseguir vencer. Ao final do jogo, Oswaldo ainda chegou a tentar alterar o quadro com três substituições, sacando jogadores experientes. Elias deu lugar a Gustavo Blanco. Roger Guedes foi trocado por Marco Túlio e Cazares, por Bruno Roberto, ambos vindos da base.

 

capxatl-rogerio

Rogério Henrique comemorava o empate, mas alerta para o risco da soberba. Foto: Rede Hoje

 

Rogério Henrique comemorava o empate, mas alertava “eu disse no vestiário, a soberba precede à queda. Estamos só começando o campeonato, sabemos que vamos ter jogos mais difíceis que esse, então temos que manter o foco e o pé no chão. Os meninos estão com a cabeça boa,  vamos trabalhar para descansá-los, foram três jogos numa semana, com viagem, então temos que descansá-los. Depois, pensar no jogo com o Democrata e tentar um bom resultado, com apoio da nossa torcida”, disse a Rede Hoje.

 

 

Ficha Técnica

Atlético 2 X 2 Patrocinense

Atlético: Victor; Samuel Xavier, Leonardo Silva, Gabriel, Fábio Santos; Arouca, Elias (Gustavo Blanco), Cazares (Bruno Roberto), Otero; Roger Guedes (Marco Túlio) e Ricardo Oliveira. Técnico: Oswaldo de Oliveira

 

Patrocinense: Neguet; Ângelo, Diego Borges, Rodolfo Mol e Danilo Tarraxa (Magal); Leomir, Mário César, Jeferson Berger e Juninho Arcanjo (Diogo Peixoto); Marcelo Regis (Gênesis) e Ademir. Técnico: Rogério Henrique

 

Arbitragem: Felipe Fernandes de Lima; Ricardo de Souza; Augusto Magno de Ramos.

 

Gols: Leonardo Silva (CAM); Diego Borges (CAP) – contra; Ademir (CAP); Marcelo Régis (CAP).

 

Cartões amarelos: Fábio Santos (CAM); Rodolfo Mol, Magal, Mário César, Juninho Arcanjo, Marcelo Régis (CAP).

 

Carão vermelho: Rodolfo Mol (CAP)

Estádio: Independência

Público: 20.234

(Redehoje)