Agentes fazem denúncias sobre ações de diretores da Penitenciaria de Patrocínio

Publicado em: 13/02/2018
 

A reportagem do Grupo Difusora de Comunicação recebeu uma denúncia por parte de agentes penitenciários que atuam na Penitenciaria Regional Expedito de Faria Tavares alegando desentendimentos entre os agentes que prestam serviços na unidade local e a atual direção da unidade prisional.

 

Na denúncia os agentes alegam que não há uma boa relação profissional entre a direção da Penitenciaria e os agentes, e sim uma perseguição por parte dos diretores contra os agentes que porventura queiram discordar de algumas determinações que esses acreditam não ser de fato ação do profissional agente.

 

Na denúncia os agentes alegam que um membro da diretora da Penitenciaria, criou uma equipe de trabalhos internos, composta ela por agentes que não são dos quadros dos concursados e sim dos contratados, para realizar funções que não são especificas para os agentes como a coleta de lixo. E que enquanto estes estão atuando em áreas diferentes das de função de um agente, há uma falta de agentes para o desempenho das funções tendo volta e meia que ser retirados agentes de outras áreas para socorre alguns serviços que demandam um número maior de agentes.

 

A reportagem da Difusora95, manteve contatos com o diretor geral da unidade, Major Saulo Dumont, que por motivos de uma agenda anteriormente já feita, não pôde atender, mas prontificou para a entrevista, o diretor de segurança da Penitenciaria Regional, Sidney Aparecido Rosa, que sobre a equipe criada, disse tratar-se de uma equipe de trânsito interno. Segundo ele essa equipe foi criada legalmente e prevista no regulamento de normas e procedimentos e essa equipe de acordo com o diretor, é responsável por acompanhar os presos, que fazem a manutenção diária da unidade prisional, função que Sidney disse ser uma das atribuições que compete ao agente. O diretor disse que a Penitenciaria tem hoje cerca de mil e duzentos presos, e que a demanda de dejetos de alimentos entre outros, é muito grande e que essa necessita que seja feita em dois turnos e de forma diária, por isso a criação da equipe.

 

Ainda sobre as denúncias de que essa equipe é composta toda ela por agentes contratados e não concursados, Aparecido Rosa, disse discordar. Pois segundo ele nesta equipe de produção existem sim alguns agentes do quadro de agentes prestadores de serviços para o Estado, mas também possui servidores concursados, ou seja, do quadro efetivo. Sidney informou ainda que esses trabalhos já eram realizados anteriormente, porem pela equipe do plantão. “A única modificação que foi feita, foi destinar esses servidores para esse trabalho exclusivo de manutenção da unidade. Ele já era feito dentro das equipes de plantões, certo, a única alteração que se deu, é colocar esses agentes incumbidos única e exclusivamente do trabalho de acompanhamento dos presos para a manutenção da nossa unidade” afirmou o diretor a reportagem da Difusora95.

 

Quanto à relação entre agentes e direção da Penitenciaria, Sidney se limitou a dizer que essa é profissional.

 

Sobre as denúncias, os agentes além de acionar a reportagem do Grupo Difusora de Comunicação, acionaram ainda a direção da Associação do Movimento dos Agentes Fortes de Minas Gerais – AMAFMG, que representa os agentes penitenciários em todo o Estado. Segundo uma fonte revelou a reportagem da Difusora95,3 FM, Júlio Costa presidente da Amaf estadual já recebeu inúmeras denúncias de agentes e até de outros setores da comunidade de Patrocínio alegando problemas na Penitenciária da cidade entre as denúncias algumas até de desvios de funções tanto de agentes quanto de diretores, neste último caso, pessoas que deixaram suas funções de diretor de um órgão público, para atuar em demandas particulares. A fonte revelou ainda a reportagem que o presidente da Associação estará se pronunciado sobre o caso brevemente não descartando uma visita pessoalmente do presidente a unidade prisional.

 

A reportagem manteve contatos com a Associação que se prontificou a se posicionar sobre as denúncias, o que deve acontecer logo após o feriado de carnaval.

(Erasmo Claudio/Difusora95)