A ENCRUZILHADA, AS OFERENDAS E A ESTÓRIA PRA BOI DORMIR…como surgiram?

Publicado em: 10/10/2017
 

Por Marcelino Conti.
Antropólogo UFF

Em meios aos ataques de racismo religioso, (as centenas  de casos de intolerância somada as centenas de leis municipais equiparando  as oferendas como   lixo, e a tentativa de criminalizar o sacrifício de animais em rituais das religiões de matriz africana) surge a estória pra boi dormir:  a “macumba” surgiu das  oferendas deixadas nas encruzilhadas para que os escravos fugitivos pudessem  se alimentar para aguentarem a fuga.

 

Como a estória  esta mal contada ela começa dizendo que um  “Professor Leandro”, que ninguém sabe o sobrenome, foi quem contou a grande novidade histórica, demonstrando  total desconhecimento de coisas básicas das religiões de Matriz Africana.

O Candomblé, umbanda, batuque, tambor de mina, e todas as outras ricas em diversidade, com uma  variedade de ritos e denominações locais,  combinadas com a tradição africana da qual procedem, que não podem ser generalizadas  como “macumba”.

 

O termo  Macumba, originariamente dá nome a uma espécie de árvore africana e também um instrumento musical utilizado em cerimônias de religiões afro-brasileiras.  Na primeira metade do século 20,  as igrejas cristãs e em especial as neopentecostais  numa estratégia de desqualificar  essas religiões   que consideravam profana,  começaram   a chama-las  genericamente de  macumba como uma forma pejorativa.

 

Dentro desta mesma lógica, os  despachos( trabalhos, ebós) na encruzilhada  ganharam fama de “macumba”  porque são uma das expressões mais visíveis dessas religiões fora dos templos, ilês, terreiros e roças.

 

As oferendas  de acordo com a “estória” contada é profana, nada tem de axé, nada tem de santo,  são homens  dando comidas pra outros homens.  Tenta apagar a HISTORIA  que esses negros africanos expatriados, oriundos  de diversos pontos da África, faziam parte dos de nações, possuíam  culturas e língua própria , além, claro, das suas  divindades e formas de culto, e que trouxeram as suas crenças, as suas praticas religiosas e as receitas das oferendas, bem como os lugares que estas deveriam ser oferecidas aos orixás.

A natureza sempre foi o local  para as oferendas, as matas, florestas, cachoeira, rio, lagoa e praias,   os saberes trazidos de África ,  associava cada um dos orixás a um local, uma cor, um dia da semana e determinados tipos de comida.

 

As oferendas  nos caminhos e nas encruzilhadas, portanto nada tem haver com as fugas  de negros,   esses  lugares representam   simbolicamente a passagem entre dois mundos. O ponto de encontro entre o Profano e Sagrado,  é um espaço de  liminaridade, onde  não se  é uma coisa e nem outra, é  o encontro das partes, o inicio e o fim no mesmo ponto.

 

Essa estória da carochinha, tem  motivos subliminares, destaco um dentre outros, nos fazer  acreditar que as oferendas foram criadas por um motivo  profano, hoje  como não existem mais fugitivos,  poderemos trata-las como lixo, criminaliza-las ficará mais fácil.
Continuemos a  reverenciar aos nossos ancestrais e a nos ‘religare’ com os nossos orixas.
ASÈ